Uma lâmina de barbear, usada nas cerimónias tradicionais de MGF, sobre um punhado de farinha de milho, que serve para estancar a hemorragia
© Louise Gubb/CORBIS SABA/Corbis via Getty Images

Estima-se que 200 milhões de meninas e mulheres vivas hoje tenham sido submetidas à mutilação genital feminina (MGF). Além disso, todos os anos, cerca de três milhões de raparigas correm esse risco, a maioria das quais antes de completarem 15 anos.

Os dados são da Organização Mundial da Saúde (OMS) e mostram-nos uma realidade difícil de engolir sobre a prática, que envolve a excisão parcial ou total da genitália externa feminina. Reconhecida internacionalmente como uma violação dos direitos humanos das raparigas e das mulheres, é, também, uma forma extrema de discriminação de género, refletindo a desigualdade profundamente enraizada entre os sexos.

Existe ainda outra questão a ter em conta, sublinha a instituição: “Viola os direitos à saúde, segurança e integridade física; o direito de estar livre de tortura e tratamento cruel, desumano ou degradante; e o direito à vida quando o procedimento resulta em morte”. No entanto, ainda é realizada em pelo menos 30 países, concentrando-se principalmente nas regiões ocidental, oriental e no nordeste do continente africano, bem como em algumas nações do Médio Oriente e da Ásia.

Sem esmorecer, a Organização das Nações Unidas estabeleceu o objetivo ambicioso de erradicar todas as formas de MGF até 2030, mas isso exigirá mudanças nos métodos existentes para enfrentar o problema.

A propósito do Dia da Tolerância Zero à Mutilação Genital Feminina, assinalado anualmente a 6 de fevereiro, falámos com Catarina Marques Rodrigues. Jornalista e fundadora do Gender Calling, uma plataforma de jornalismo sobre mulheres e desigualdades, tem dedicado a carreira a vários trabalhos sobre este tema e explica-nos que ainda há um longo caminho a percorrer para mudar mentalidades.

Jornalista multimédia e fundadora do Gender Calling, Catarina Marques Rodrigues especializou-se desde cedo em igualdade de género e minorias
@catarinamarquesrodrigues
Quais são as razões para a mutilação genital feminina ainda existir?

É uma prática que está assente em questões culturais, sobretudo na submissão da mulher ao homem. Defende-se que a mutilação dos órgãos genitais femininos é importante para manter a virgindade e a fidelidade das mulheres aos maridos e garantir que estão “puras e sem grandes desejos sexuais”, numa lógica de que o prazer que importa é o do homem. É um ritual de honra da família e uma passagem de tradição às filhas e às netas, para serem aceites na comunidade. Quem a defende invoca também razões religiosas: há líderes islâmicos que continuam a defender que a mutilação genital feminina é uma recomendação do Islão, o que já se provou não ser verdade. Alguns dos países onde a prática se mantém são a Guiné-Bissau, a Guiné-Conacri e o Senegal. Devido à imigração, temos também em Portugal mulheres que foram submetidas à prática.

Fala-se muito na questão cultural, mas não estaremos a falar de uma forma de controlar a sexualidade de jovens adultas e mulheres que se tornou a norma social em algumas culturas? 

Sim, estamos a falar de violência com base no género de que é exemplo a mutilação genital feminina, mas também os casamentos forçados, os casamentos infantis e a violência sexual. Controlar a sexualidade das mulheres é controlar a sua identidade, a sua liberdade de escolha e a sua vida, porque as fragiliza física e mentalmente. Tornam-se deslocadas da família, da vida em comunidade; tornam-se dependentes financeiramente do homem. O abuso do corpo é muito mais do que físico.

Quais são as consequências para a saúde física, psicológica e sexual das vítimas desta prática?

O corte total ou parcial dos genitais é um ritual que pode durar poucas horas, mas  deixa marcas para a vida toda. No momento, são dores inqualificáveis acompanhadas de fortes hemorragias, que podem mesmo levar à morte da bebé/criança. Se o corte não for feito segundo as regras de higiene, a possibilidade da transmissão de infeções e doenças é tremenda. O trauma psicológico convive com as mulheres durante anos e, geralmente, é um momento que nunca esquecem. Ao longo da vida, têm mais probabilidade de contrair infeções sexualmente transmissíveis, ter dificuldades em engravidar, desenvolver uma fístula obstétrica e vaginal,  e passar por partos dolorosos. Outra consequência é a ausência de prazer sexual, que é um direito que lhes foi roubado. A maioria experiencia stress, ansiedade, dificuldades em dormir e outras patologias do foro psicológico. 

Assim sendo, o que impede a MGF de ser completamente erradicada?

Existem várias convenções regionais e internacionais que exigem que a mutilação genital feminina seja crime, e em alguns desses países já está mesmo consagrada na lei como tal — na Guiné-Bissau, por exemplo, é crime desde 2011. Em Portugal, é crime autónomo desde 2015, sendo que há uma pena aplicável de prisão de dois a dez anos — a primeira condenação foi em 2021, a uma mãe que autorizou que a filha fosse mutilada. Não há um problema de leis, há um problema de implementação dessas leis, que está muito dependente de uma mudança cultural, de mentalidades sobre o papel da mulher e do homem; da divulgação de mais conhecimento sobre as consequências nefastas da prática; de desconstrução das razões invocadas para a sua continuação. O objetivo é trabalhar com as gerações que serão pais e mães no futuro para travarem a continuação de um ritual que só traz malefícios à vida das mulheres e das famílias.

Sabemos quem são as vítimas, mas quem perpetua esta prática?

São as famílias, que acreditam que o ritual ajudará à integração das meninas na sua futura família e na comunidade. Quem perpetua a prática acredita que é uma tradição, que é o suposto. Os rapazes têm um papel determinante em erradicá-la, visto que a razão para a sua continuidade é muitas vezes colocada no gosto do homem. Se eles se afirmarem contra a mutilação genital feminina, as próprias mulheres vão ter mais receio em seguir.

Como se pede desenvolver melhores leis anti-MGF, mais alinhadas com os direitos humanos?

As leis já existem, para quem as queira respeitar. Podemos e devemos desenvolver mais campanhas de sensibilização; mais trabalho com as comunidades e com as associações locais, que conhecem as mulheres e os homens e abordá-los diretamente; mais investimento na escolarização das crianças e dos adultos; mais divulgação de informação credível sobre o impacto da prática e sobre a não existência de vantagens para ninguém. Conhecimento é poder, sobretudo quando se tenta romper com rituais tão antigos.

Esteve recentemente na Guiné-Bissau, onde a excisão ainda é realizada na clandestinidade. Qual foi a realidade que encontrou?

Encontrei jovens mulheres que foram submetidas à mutilação genital feminina, que estão revoltadas com o que lhes aconteceu mas que já falam disso abertamente. Garantem que não farão o mesmo às suas filhas, juntam-se a movimentos, usam as redes sociais para participar em campanhas contra a MGF — o digital veio dar-lhes muito poder. Os casos de mutilação genital feminina diminuíram desde que foi consagrada como crime, mas continua a ser feita na clandistinidade e, agora, em bebés cada vez mais pequenos, que não poderão contar o que lhes aconteceu porque não se vão lembrar. Além disso, há quem aproveite para furar as orelhas enquanto faz o corte, para que o choro seja confundido com o choro da dor nas orelhas. Infelizmente há sempre quem crie táticas para fugir à lei, para não ser denunciado.

Como foi a experiência de falar com associações e entrevistar sobreviventes da prática?

Foi muito intensa, porque exige uma grande empatia e uma capacidade de ouvir sem condescendência. Eu sou jornalista há 10 anos e tenho feito várias reportagens sobre este tema, também aqui em Portugal, em bairros nos arredores de Lisboa onde moram comunidades com raparigas que foram excisadas. Para promover a igualdade de género é preciso pormo-nos no lugar daquela mulher, embora nunca seja possível sentirmos o que ela sente. Tento sempre tratar a história com respeito e cingir-me aos factos para poder ser profissional, mas confesso que depois, ao pensar sobre o que me foi contado, já me emocionei várias vezes.

Tendo em conta que existe uma grande comunidade bissau-guineense (e não só) em Portugal, o que dizem os dados sobre a prevalência de casos no País?

O número de casos registados pelas autoridades de saúde está a aumentar, porque os profissionais de saúde estão hoje mais formados sobre o que é a mutilação genital feminina e sabem como identificá-la nas consultas de ginecologia, nos exames ou nos partos, por exemplo. Em 2023, foram detetados 223 casos de mutilação genital feminina, o que é um aumento de 17,3% face a 2022. E já este ano foram detetados mais 15 casos. Reforço que um aumento de registos não significa necessariamente um aumento de casos — pode haver casos que antes não eram identificados pelos profissionais porque não estavam tão alerta para a prática.

O que podemos fazer, em Portugal, para prevenir e combater esta prática tradicional nefasta para as mulheres e crianças do sexo feminino?

Se temos em Portugal mulheres que foram submetidas à mutilação genital feminina, então também é
um problema português. Não podemos permitir que se perpetue esta violação dos direitos das mulheres, dos seus direitos sexuais e reprodutivos que, no limite, é uma violação dos direitos humanos e vai contra várias convenções internacionais assinadas por Portugal. Há que investir nas redes que estão em contacto com as comunidades provenientes de países mais propícios à realização da prática, dar formação aos profissionais das escolas situadas nessas regiões para que estejam a par caso haja alguma alteração de comportamento ou alguma queixa, investir em encontros comunitários para se conseguir quebrar o silêncio, sensibilizando também os homens e trazendo-os para a conversa (visto que elas, muitas vezes, só participam com a permissão do marido), investir na capacitação da saúde, também nas zonas mais críticas. É importante também que a população em geral saiba que esta é uma prática que se mantém, para que se possa insurgir contra ela, e aí entra o papel de trazer as histórias destas mulheres para o espaço público – é essa a minha missão.

O que acha do objetivo das ONU de erradicar a MGF até 2030? É viável?

A ONU já anunciou que, este ano, cerca de 4,4 milhões de meninas estão em risco de serem submetidas à mutilação genital feminina. É preciso um investimento global intenso. Faltam apenas 6 anos, por isso parece-me ambicioso, até porque as Nações Unidas também já anunciaram que, se nada for feito, o número de casos pode mesmo aumentar para 4,6 milhões em 2030.

Qual a importância dos ativistas locais, como a Catarina, para ajudar a atingir esse objetivo?

Eu sou jornalista e criadora de conteúdos sobre igualdade de género nas redes sociais. Tenho, por isso, uma comunidade de pessoas que se interessa por estes temas. A influência é fantástica, porque permite que uma mensagem se espalhe infinitamente — é nesse poder que acredito. Tento trazer diariamente as histórias das mulheres, os relatos e os factos, e sei que tudo isso ajuda a que outras pessoas se queiram envolver também. A violência com base no género é um flagelo que atravessou gerações e gerações de mães e avós, mas que pode ter um fim se assim o quisermos. Há que fazer a nossa parte.

Palavras-chave

Mais no portal

Mais Notícias

Juan Vicente Piqueras, Caçador de instantes

Juan Vicente Piqueras, Caçador de instantes

Artur Jorge despede-se da filha, Francisca

Artur Jorge despede-se da filha, Francisca

Esplanada, comida asiática e preços democráticos no Street Chow

Esplanada, comida asiática e preços democráticos no Street Chow

INEM tem até 15 de março para chegar a acordo com Liga dos Bombeiros

INEM tem até 15 de março para chegar a acordo com Liga dos Bombeiros

Desporto: 20 artigos para suar com estilo

Desporto: 20 artigos para suar com estilo

As Revoluções Francesas na VISÃO História

As Revoluções Francesas na VISÃO História

Black Trumpet: no reino encantado dos cogumelos

Black Trumpet: no reino encantado dos cogumelos

O Vento Assobiando nas Gruas, entrevista com Jeanne Waltz

O Vento Assobiando nas Gruas, entrevista com Jeanne Waltz

Atualização de software da Tesla corrige problemas de bateria no frio extremo

Atualização de software da Tesla corrige problemas de bateria no frio extremo

Montenegro ouve pedido de exigência na escola pública e admite regresso de exames

Montenegro ouve pedido de exigência na escola pública e admite regresso de exames

Citroën ë-C3: O elétrico que custa 23.300 euros chega em junho

Citroën ë-C3: O elétrico que custa 23.300 euros chega em junho

Quartos: como atingir o máximo conforto

Quartos: como atingir o máximo conforto

A primavera começa daqui a um mês ou daqui a uma semana?

A primavera começa daqui a um mês ou daqui a uma semana?

Caras Decoração de fevereiro: tranquilidade e aconchego em primeiro lugar

Caras Decoração de fevereiro: tranquilidade e aconchego em primeiro lugar

José Neves assume liderança da sua Fundação após saída da Farfetch

José Neves assume liderança da sua Fundação após saída da Farfetch

Livro da semana: 'Mas eu vi um...'

Livro da semana: 'Mas eu vi um...'

Quando a cantiga foi uma arma

Quando a cantiga foi uma arma

Quiz VISÃO Se7e: 10 perguntas para testar a sua cultura geral

Quiz VISÃO Se7e: 10 perguntas para testar a sua cultura geral

Tempos de Antena ‘Miúdos a Votos’: ‘O Diário de Um Banana – Arrasa ou Baza’

Tempos de Antena ‘Miúdos a Votos’: ‘O Diário de Um Banana – Arrasa ou Baza’

Aos 53 anos, Naomi Campbell é rainha da

Aos 53 anos, Naomi Campbell é rainha da "passerelle" em Milão

Lisboa através dos tempos na VISÃO História

Lisboa através dos tempos na VISÃO História

Medicamento produzido no espaço regressa em segurança para a Terra

Medicamento produzido no espaço regressa em segurança para a Terra

Catarina Furtado de férias em Zanzibar, na Tanzânia

Catarina Furtado de férias em Zanzibar, na Tanzânia

Estão a ser plantadas as árvores erradas em África - e isso ameaça os ecossistemas

Estão a ser plantadas as árvores erradas em África - e isso ameaça os ecossistemas

Xiaomi 14 reforça aposta na fotografia com toque Leica

Xiaomi 14 reforça aposta na fotografia com toque Leica

769, 265 e 409. Os números esmagadores com que a Nvidia, “a cotada mais influente do mundo”, deu a volta a Wall Street

769, 265 e 409. Os números esmagadores com que a Nvidia, “a cotada mais influente do mundo”, deu a volta a Wall Street

Inspire-se no

Inspire-se no "look" de Meghan Markle

Saccharum Resort, na terra do ouro branco

Saccharum Resort, na terra do ouro branco

Corpo encontrado hoje em Lisboa é o de mulher desaparecida em dezembro de hospital

Corpo encontrado hoje em Lisboa é o de mulher desaparecida em dezembro de hospital

Inspire-se no

Inspire-se no "look" de Meghan Markle

Poesia e estranheza

Poesia e estranheza

Estavam a limpar a casa quando descobriram dois dos PC mais antigos do mundo em caixas

Estavam a limpar a casa quando descobriram dois dos PC mais antigos do mundo em caixas

Os ténis da VEJA já se produzem em Felgueiras

Os ténis da VEJA já se produzem em Felgueiras

iServices lança kit para reparação de smartphones em casa

iServices lança kit para reparação de smartphones em casa

Em “Senhora do Mar”: Joana conta toda a sua história a Manuel e Rita

Em “Senhora do Mar”: Joana conta toda a sua história a Manuel e Rita

A história da imagem que valeu a Nuno Sá o prémio de Fotógrafo de Conservação do Ano em concurso britânico

A história da imagem que valeu a Nuno Sá o prémio de Fotógrafo de Conservação do Ano em concurso britânico

Final de “Flor Sem Tempo”: Madalena foge e ajuda Leonor a sair da prisão

Final de “Flor Sem Tempo”: Madalena foge e ajuda Leonor a sair da prisão

Venha conhecer o BYD Seal U

Venha conhecer o BYD Seal U

Penélope Cruz deslumbra na passadeira dos SAG Awards

Penélope Cruz deslumbra na passadeira dos SAG Awards

Fundos Comunitários: Celeridade do Estado é vital para setor empresarial

Fundos Comunitários: Celeridade do Estado é vital para setor empresarial

Marie mudou de visual e revela estar mais serena: “Bati no fundo”

Marie mudou de visual e revela estar mais serena: “Bati no fundo”

Estudo identifica diferenças concretas entre cérebro feminino e masculino

Estudo identifica diferenças concretas entre cérebro feminino e masculino

Em

Em "A Sala dos Professores", o realizador Ilker Çatak mostra uma escola da vida real

Cinco boas exposições de fotografia para ver agora

Cinco boas exposições de fotografia para ver agora

Cartazes à vista!

Cartazes à vista!

Parceria TIN/Público

A Trust in News e o Público estabeleceram uma parceria para partilha de conteúdos informativos nos respetivos sites