iStock_000014485597_Small.jpg

Ilya Zaytsev

Sempre me dei mal com o meu irmão”, nota Margarida P., hoje com 40 anos. “A nossa relação era de permanente briga, e os meus pais não estavam nem aí. Não havia ninguém mais diferente de mim do que ele. Eu tinha a sensação de que estava casada com aquele tipo, e que não havia possibilidade de divórcio!” (risos).
A sensação de que somos bastante diferentes do nosso irmão é recorrente: e é verdadeira. A Marta e a Sara, por exemplo: uma é artística, a outra é economista. Uma vive com o namorado e não tem filhos, a outra organizou um casamento de estadão e tem 4 crianças. Uma tem quatro pares de ténis, a outra tem 45 pares de sapatos de salto alto. O que têm em comum: são irmãs.
A ideia de que os irmãos, por partilharem um conjunto de genes, devem ser muito parecidos, já foi posta de lado. Imagine que tem um irmão. O ‘mapa’ do seu cérebro é igual ao dele. Tem as mesmas ruas, as mesmas casas, as mesmas esquinas, os mesmos sinais de trânsito. Mas cada um tem ‘ruas’ diferentes iluminadas.
Nos anos 80, o investigador Robert Plomin publicou um estudo em que provava o seguinte: fisicamente, os irmãos podem ter algumas diferenças (cor de cabelo ou cor dos olhos) mas em geral dois irmãos eram mais parecidos um com o outro do que uma pessoa pescada ao acaso na rua. A verdadeira descoberta foi que, em termos de personalidade, os irmãos são praticamente como estranhos.

Porque somos diferentes
Ou seja: em termos de personalidade, só somos parecidos com um irmão nosso em 20% dos casos. Dado que partilhamos genes, casas, rotinas e pais, isto não faz sentido. Ou faz? Plomin tirou outra conclusão: os mesmos pais, ambiente, rotina, etc., não tornam duas crianças mais iguais, torna-as mais diferentes. As explicações são várias. A darwiniana nota que um ser humano terá toda a vantagem em minimizar a competição directa. Então, uma criança tentará diferenciar-se do irmão para ter a atenção dos pais e sobressair em qualquer coisa.
Depois há a explicação ‘social’, que diz que, mesmo que os pais assim o acreditem, nenhuma criança nasce exactamente na mesma família. Quando nasce o primeiro filho, os pais e avós estão mais stressados e ele terá toda a atenção, por exemplo, enquanto uma segunda criança já é criada mais relaxadamente. Quando as diferenças de idade são maiores, maior também a probabilidade de a vida dos pais ter mudado.
Além disso, cada criança ‘provoca’ um comportamento diferente nos pais, pelo simples facto de ser diferente e ter necessidades diferentes. Uma criança mais sensível terá mais mimo, por exemplo, enquanto uma criança mais ‘bruta’ será mais controlada.
Além de tudo isto, as famílias tendem sempre a exagerar diferenças mínimas entre irmãos. Isto parece tornar cada um deles mais ‘especial’ mas também vai influenciar e rotular a forma como cada criança se vê a si própria.
Conclusão de tudo isto: é normal que duas personalidades diferentes entrem em rota de colisão no mesmo espaço. E pode ser um desafio para os pais harmonizarem duas pessoas de feitios opostos debaixo do mesmo teto. Mas será assim tão dramática esta rivalidade?

Rivalidade saudável
Surpresa: essa rivalidade que nos dá tantas dores de cabeça até pode ser… normal. E saudável. E mesmo instrutiva. “Há sempre rivalidade entre irmãos, e essa rivalidade é saudável enquanto não se tornar patológica”, esclarece o psicólogo Paulo Azevedo. “É normal que as crianças tenham ciúmes. Afinal, um irmão é alguém com quem partilhamos coisas preciosas: afetos, carinho, brinquedos, atenção. Podemos tentar minimizar isto, mas temos de entender que eles têm direito à sua dose de ciúme.”
Quando é que esta rivalidade deixa de ser normal? Em três casos.
1. Quando há agressividade intensa: quando manifesta muita ansiedade em relação ao irmão, quando o arranha, lhe bate ou agride e há mesmo a tentativa de ‘eliminá-lo’.
2. Quando há regressão: algumas vezes, quando nasce um irmão a criança sente-se ameaçada e volta a fingir que é um bebé, para conseguir mais atenção dos pais. Tem medos, inseguranças, comportamentos de desafio. “Se isto começa a ser muito vincado, convém procurar ajuda. Mas só começa a ser preocupante se este comportamento está instalado e começa a ser recorrente.”
3. Quando há autoagressão: “A criança já se agride a si própria, dirigindo o seu ciúme e a sua agressividade contra ela.

Quando interferir
Os pais devem mostrar aos filhos que gostam de todos da mesma maneira, com as diferenças que possam ter. “Devem promover a autonomia, a imaginação, a autoestima e a diferença entre as crianças, aceitando a rivalidade entre elas”, aconselha Paulo Azevedo. E quando os dois irmãos brigam, eu que sou mãe devo meter-me? Bem, depende: “Os pais devem estar atentos mas deixá-los brincar sozinhos e aprender sozinhos a resolver as suas diferenças.” Nunca se devem meter? “Devem: quando uma das crianças está a ser desleal com o outro irmão. Se discutem, se protestam, se cada um tira o brinquedo ao outro à vez, estão a aprender a lidar com a situação. Se um deles bate ao outro, se é manipulador de alguma maneira, se lhe dá beliscões, os pais devem intervir.”
Afinal, defende Paulo Azevedo, a rivalidade tem uma função educativa e social: “As crianças, quando brincam, estão a ‘ensaiar’ o mundo dos adultos. Quando estão a brigar com os irmãos, também, de certa forma, estão a preparar-se para as suas relações futuras, aprendendo a compreender o outro. Na rivalidade, a criança vai tentar retirar aquilo que quer, mas também vai aprender a ceder. E esse equilíbrio entre retirar para mim e ceder ao outro é muito importante para o futuro.”
O ciúme, a inveja e a agressividade são reações normais num ser humano. E isso vai-nos obrigar a resolver conflitos dentro de nós próprios. “Ou seja, aprender a lidar com a presença, os desejos e a agressividade do outro vai-me ajudar a mim a crescer, a tornar-me um adulto mais maduro e compreensivo. Se não aprendo a integrar os outros, vou passar a vida a queixar-me dos meus colegas e do meu chefe. Porque nós, em adultos, só pomos em prática o que integrámos em criança.”
Ou seja, os pais devem estar atentos mas promover a independência: “Às vezes, vejo pais que querem que os filhos se deem todos muito bem. Isso é irrealista. E é verdade que deve haver vigilância paterna para impedir que os filhos vivam num estado de guerra permanente. Mas é bom que deixem as crianças lidar com os seus assuntos. Porque se eles estão constantemente a ouvir ‘não faças isso’, ‘não grites ao teu irmão’, vão crescer sempre à espera que seja a autoridade a fazer aquilo que eles já deviam saber resolver.”

Conversas de paz
Além de não exigirem filhos perfeitos, há sempre algumas ideias para evitar que dois irmãos se ‘peguem’ e tornar o ambiente em casa mais calmo. O site www.todaysparenting.com dá uma ajuda a pais stressados:
• Esqueça o 50/50: se uma das crianças precisa mesmo de mais atenção, dê-lha, sem sentimentos de culpa.
• Previna situações que já sabe que podem acontecer: nunca dê apenas um brinquedo para os ensinar a ‘partilhar’. Só vai conseguir que se peguem. Pode ensiná-los a partilhar de muitas outras maneiras.
• Se a coisa já estalou e tem duas sirenes de bombeiros aos uivos à sua frente agarrados ao mesmo carrinho, tire-lhes o carrinho, deixe-os acabar de berrar, distraia com outra coisa qualquer (‘Quem quer ver o Ruca comigo no sofá?’) e deixe passar.
• Nunca use frases do tipo ‘Olha ali o mano tão caladinho e a portar-se tão bem’. Nunca compare.
• Preste atenção a gritos de ordem como ‘Não é justo!’. Se calhar não é mesmo. Se não for, não faça braço de ferro só porque é o adulto e lhe fica mal render-se. E mesmo que seja, preste atenção ao sentimento de injustiça e fale sobre isso. ‘Percebo que aches injusto a tua irmã poder sair e tu não, mas quando tiveres a idade dela vais poder fazer a mesma coisa. Entretanto, queres vir ao cinema comigo?’
• Promova as diferenças: de vez em quando, saia com um dos irmãos separadamente. Não os leve atrelados a todo o lado, mesmo em pequeninos.
• Promova sentimentos positivos: podem ajudar-se mutuamente nos TPC, por exemplo. Se tiver uma boa notícia (‘vamos comer gelado logo’), em vez de a dar aos dois, mande um dos irmãos dá-la ao outro.
• Promova um ambiente calmo, otimista e descontraído em casa. As crianças tendem a ‘espelhar’ o ambiente em que vivem.

FAMÍLIAS DISFUNCIONAIS, IRMÃOS UNIDOS
Se os seus filhos são como cão e gato, isso até pode significar… que o seu casamento é sólido.
Os irmãos de famílias disfuncionais são mais unidos: “Acontece muito”, diz o psicólogo Paulo Azevedo. “Como são vítimas das suas circunstâncias, vão-se unir para resistir melhor. Em crianças, unem-se numa causa comum contra a mãe e o pai. É a mesma coisa que leva os adultos a formarem partidos para defenderem os seus interesses.” São um minipartido? Risos.
“Sim, podem ser.”

SEXO, IDADE, HIERARQUIA…
Dois irmãos do mesmo sexo são mais rivais, ou isso é mito? “A rivalidade depende mais de aspetos como idade e personalidade”, explica Paulo Azevedo. “Assiste-se muito a situações do tipo em que o irmão mais velho protege a irmã, ou a irmã mais velha é a ‘mãezinha’ do mais novo – mas só se houver alguns anos entre eles. Se forem muito próximos, provavelmente haverá rivalidade. Tudo depende da etapa de desenvolvimento em que a criança está. Se houver alguns anos entre eles, provavelmente o mais velho já estará em condições de perceber e lidar melhor com a rivalidade.”
De qualquer maneira, o sexo também pode influenciar: “Se forem dois rapazes, mesmo com idades afastadas, o mais velho será mais exigente com o mais novo do que se ele fosse rapariga. Se forem duas raparigas, provavelmente terão ciúmes uma da outra.”

Relacionados

Mais no portal

Mais Notícias

Esplanada, comida asiática e preços democráticos no Street Chow

Esplanada, comida asiática e preços democráticos no Street Chow

Governo alarga prazo das medidas excecionais para simplificar produção de energia renovável

Governo alarga prazo das medidas excecionais para simplificar produção de energia renovável

Quartos: como atingir o máximo conforto

Quartos: como atingir o máximo conforto

Os lugares desta História, com Isabel Stilwell: Filipe I de Portugal, por fim

Os lugares desta História, com Isabel Stilwell: Filipe I de Portugal, por fim

Mais de uma centena de técnicos de diagnóstico e terapêutica exigem

Mais de uma centena de técnicos de diagnóstico e terapêutica exigem "justiça e equidade"

Casamento de Chiara Ferragni e Fedez chegou ao fim

Casamento de Chiara Ferragni e Fedez chegou ao fim

Tempo vai mudar. O que esperar para os próximos dias

Tempo vai mudar. O que esperar para os próximos dias

“Ter 5G disponível em todo o lado e para toda a gente é uma medida fundamental!”

“Ter 5G disponível em todo o lado e para toda a gente é uma medida fundamental!”

Pinto da Costa comprou mais de 20% das suas ações no FC Porto neste mandato

Pinto da Costa comprou mais de 20% das suas ações no FC Porto neste mandato

A VISÃO Se7e desta semana – edição 1616

A VISÃO Se7e desta semana – edição 1616

Especialista defende proibição da pesca da lampreia devido à escassez

Especialista defende proibição da pesca da lampreia devido à escassez

Estratégias de fusão no panorama empresarial português como caminho para a inovação e crescimento

Estratégias de fusão no panorama empresarial português como caminho para a inovação e crescimento

O Memorial da Revolução de Hugo Gonçalves

O Memorial da Revolução de Hugo Gonçalves

Apartamento em Cascais: sobriedade contemporânea

Apartamento em Cascais: sobriedade contemporânea

Fotos exclusivas! Francisco Monteiro troca Márcia por Joana - Triângulo amoroso

Fotos exclusivas! Francisco Monteiro troca Márcia por Joana - Triângulo amoroso

Pobreza e exclusão extremas subsistem em Portugal - Cáritas

Pobreza e exclusão extremas subsistem em Portugal - Cáritas

A última vaga do FILMar

A última vaga do FILMar

Lisboa é a terceira cidade europeia mais inacessível para arrendar casa

Lisboa é a terceira cidade europeia mais inacessível para arrendar casa

Kelly Bailey está de parabéns! 26 anos em 26 fotos

Kelly Bailey está de parabéns! 26 anos em 26 fotos

Apple traz encriptação pós-quântica para o iMessage

Apple traz encriptação pós-quântica para o iMessage

O caso entre Eça e o Parlamento, e viceversa

O caso entre Eça e o Parlamento, e viceversa

Lisboa através dos tempos na VISÃO História

Lisboa através dos tempos na VISÃO História

Estavam a limpar a casa quando descobriram dois dos PC mais antigos do mundo em caixas

Estavam a limpar a casa quando descobriram dois dos PC mais antigos do mundo em caixas

Black Trumpet: no reino encantado dos cogumelos

Black Trumpet: no reino encantado dos cogumelos

Recorde alguns dos melhores momentos da gala da TVI

Recorde alguns dos melhores momentos da gala da TVI

Tempos de Antena ‘Miúdos a Votos’: ‘Harry Potter e a Pedra Filosofal’

Tempos de Antena ‘Miúdos a Votos’: ‘Harry Potter e a Pedra Filosofal’

Letizia recupera vestido com decote em forma de lágrima

Letizia recupera vestido com decote em forma de lágrima

Cinco boas exposições de fotografia para ver agora

Cinco boas exposições de fotografia para ver agora

O novo inferno no trabalho

O novo inferno no trabalho

Hospital Curry Cabral faz primeiro transplante hepático com robótica na Europa

Hospital Curry Cabral faz primeiro transplante hepático com robótica na Europa

Brinquedos didáticos, livres e que estimulem a criatividade. Onde? Na Color Square

Brinquedos didáticos, livres e que estimulem a criatividade. Onde? Na Color Square

Tempos de Antena ‘Miúdos a Votos’: ‘O Lápis Mágico de Malala’

Tempos de Antena ‘Miúdos a Votos’: ‘O Lápis Mágico de Malala’

Citroën ë-C3: O elétrico que custa 23.300 euros chega em junho

Citroën ë-C3: O elétrico que custa 23.300 euros chega em junho

Dois festivais de vinho juntam mais de 500 produtores no Porto

Dois festivais de vinho juntam mais de 500 produtores no Porto

Teste em vídeo ao BYD Dolphin

Teste em vídeo ao BYD Dolphin

Recorde os visuais de Kate nos prémios BAFTA

Recorde os visuais de Kate nos prémios BAFTA

Tesla Model 3 'Highland' em teste: Este carro devia ser mais caro…

Tesla Model 3 'Highland' em teste: Este carro devia ser mais caro…

As Revoluções Francesas na VISÃO História

As Revoluções Francesas na VISÃO História

Acórdão no caso da queda da árvore na freguesia do Monte conhecido hoje no Tribunal da Madeira

Acórdão no caso da queda da árvore na freguesia do Monte conhecido hoje no Tribunal da Madeira

Exposição: Papier & Terre Mêlée na Ojo Gallery em Lisboa

Exposição: Papier & Terre Mêlée na Ojo Gallery em Lisboa

Este buraco negro ‘come’ um Sol por dia

Este buraco negro ‘come’ um Sol por dia

Ator da SIC casa-se em cerimónia de sonho

Ator da SIC casa-se em cerimónia de sonho

Cor, brilho e irreverência na passadeira dos People's Choice Awards

Cor, brilho e irreverência na passadeira dos People's Choice Awards

Máxima aposta num

Máxima aposta num "look" total branco

Tempos de Antena ‘Miúdos a Votos’: ‘O Tubarão na Banheira’

Tempos de Antena ‘Miúdos a Votos’: ‘O Tubarão na Banheira’

Parceria TIN/Público

A Trust in News e o Público estabeleceram uma parceria para partilha de conteúdos informativos nos respetivos sites