Getty

Fartamo-nos de ralhar aos miúdos porque não largam os telemóveis, mas somos iguaizinhos. E se começarmos a pensar nisso, somos hoje viciados em muitíssimo mais do que os vícios ‘clássicos’ do álcool, do tabaco ou das drogas: somos viciados em coisas como videojogos, jogos-on line, séries, compras, sexo, açúcar, apostas, redes sociais e notícias. E a palavra vício não é usada por acaso.

A variedade e a potência destes estímulos constroem um mundo onde parecemos estar rodeados de excessos por todos os lados. Qual é o mal? O ‘mal’ é o mal de todos os vícios: retiram-nos qualidade de vida, autocontrolo e bem-estar, além de possuírem, todas estas coisas que mencionámos atrás, um poder aditivo brutal.

A dopamina é um neurotransmissor do cérebro, que pode ter um papel maior na motivação para receber uma recompensa que a recompensa em si. E é utilizada para medir o potencial viciante de qualquer comportamento ou droga. Quanto mais dopamina libertar o cérebro, mais viciante será uma droga. E hoje em dia, há milhares de substâncias, objetos e drogas que podem tornar-nos ‘dopaminados’.

No livro que se chama precisamente ‘Dopaminados’ (Ed. Nascente) a professora e psquiatra americana Anna Lembke parte da sua experiência para traçar um retrato absolutamente assustador de um mundo retalhado entre a dor e o praze, e explica-nos como funcionam estes vícios e porque é que têm um poder tão impressionante sobre nós.

O livro conta muitas histórias e experiências por que passaram os pacientes de Anna, bem como o percurso até se libertarem de forças tão variadas como a comida, a canábis, a masturbação, os antidepressivos, as apostas ou o álcool. Anna relata inclusive a sua própria experiência pessoal de viciada em romances eróticos cor de rosa, que, durante um tempo na sua vida, substituiram a necessidade de se confrontar com problemas famíliares e com uma profissão extenuante. Pode parecer – e era – um vício um bocado básico se comparado com anfetaminas, drogas, ou tabaco. Mas Anna parte desta experiência para mostrar que até mesmo um hábito aparentemente inocente se pode tornar aditivo.

Um dos principais fatores de risco para que uma qualquer droga se torne viciante, é a facilidade em chegarmos a ela. Tudo o que falámos atrás nos dá essa facilidade: não há nada mais fácil que pegar num telemóvel, por exemplo. Se calhar vocês até estão a ler este texto num telemóvel. Pergunta? Será que temos uma relação viciante com os nossos telemóveis, por exemplo?

Outro fator de risco é a nova era de hedonismo, em que se vive para o consumo e se procura um mundo sem dor de qualquer espécie: “A procura da felicidade pessoa tornou-se uma máxima moderna, relegando para segundo plano outras definições de uma ‘boa vida”, nota Anna Lembke

Queremos estar sempre ‘entretidos’, procuramos constantemente distrair-nos do presente. Como dizia Neil Postman, que a autora cita, “Os americanos já não falam uns com os outros, entretêm-se us aos outros. Não trocam ideias, trocam imagens.” E não poderiamos dizer a mesma coisa dos portugueses?

Os mais novos não escapam. A psicologia do desenvolvimento e a empatia na educação levou a mudanças positivas, mas também tornou a infância demasiado assética e patologizada, “criando os nossos filhos no equivalente a uma cela almofadada, sem forma de se magoarem mas também sem terem como se preparar para o mundo”.

Todos andamos a fugir da dor. “O problema é que todo este esforço para nos isolarmos da dor só a agrava”. Conclusão: “O motivo para toda esta infelicidade pode dever-se ao grande esforço que dedicamos a evitar a infelicidade.”

Outro problema é que, quando nos deixamos dominar por um vício, deixamos de nos reger pela razão e passamos a ser regidos pela balança do prazer e da dor. Promenor: esta balança avaria facilmente.

O que é que acontece: o cérebro visa constantemente o equilíbrio. Se sentimos prazer, a nossa ‘balança’ pende para o lado do prazer. Mas para que o equilíbrio seja reposto, há mecanismos reflexos que vão enviar dor.

Mas com uma droga, existe a habituação. “Com o consumo intenso de uma droga, o equilíbrio entre o prazer e a dor acaba por pender para o lado da dor,” explica a psiquiatra. “A nossa capacidade de sentir prazer diminui e a de sentir dor aumenta.” E chega a um ponto em que a droga deixa de funcionar e precisamos de mais para nos fazer sentir normais.

Boas notícias: se esperarmos o tempo suficiente, o cérebro adapta-se à ausência da droga e a nossa balança volta ao seu equilíbrio inicial.

Claro que a vida do dia a dia é mais complexa que uma balança. Cada pessoa tem a sua forma de reagir ao prazer e à dor, cada viciado tem o seu vício. Mas que somos todos hoje, por várias razões, perseguidos por forças poderosos e que nos agarram facilmente, é inegável. O que é preciso para recuperar o equilíbrio e o controlo da nossa vida: primeio tomar consciência do vício, e segundo aguentar o tempo suficiente de privação.

A sugestão da autora parece um bom modelo de vida: “Insto o leitor a encontrar uma forma de mergulhar plenamente na vida que lhe foi concedida. Deixe de fugir daquilo a que tenta escapar e, em vez disso, pare, dê meia volta e enfrente-o.”

Palavras-chave

Mais no portal

Mais Notícias

Em “Senhora do Mar”: Joana faz pedido desesperado após adeus a Manuel

Em “Senhora do Mar”: Joana faz pedido desesperado após adeus a Manuel

Famosos divertem-se no 1.º dia do NOS Alive

Famosos divertem-se no 1.º dia do NOS Alive

Novo estudo científico revela que o cérebro tenta prever o futuro enquanto se encontra em repouso

Novo estudo científico revela que o cérebro tenta prever o futuro enquanto se encontra em repouso

Descubra a cadeira mais famosa do verão

Descubra a cadeira mais famosa do verão

Cláudia Vieira fala-nos do seu visual festivaleiro

Cláudia Vieira fala-nos do seu visual festivaleiro

Tecnologia: A união faz a transição

Tecnologia: A união faz a transição

Pigmentarium: perfumaria de nicho inspirada na herança cultural da República Checa

Pigmentarium: perfumaria de nicho inspirada na herança cultural da República Checa

Ir a banhos: 10 piscinas de hotel para aproveitar o verão

Ir a banhos: 10 piscinas de hotel para aproveitar o verão

O futuro começou esta noite. Como foi preparado o 25 de Abril

O futuro começou esta noite. Como foi preparado o 25 de Abril

Pequeno satélite português já está no Espaço

Pequeno satélite português já está no Espaço

Fausto Bordalo Dias (1948-2024) - O barco vai de partida

Fausto Bordalo Dias (1948-2024) - O barco vai de partida

Salgueiro Maia, o herói a contragosto

Salgueiro Maia, o herói a contragosto

Adélia Prado - Uma voz entre o quotidiano e o transcendente

Adélia Prado - Uma voz entre o quotidiano e o transcendente

Kiwi contra um dos mais dolorosos efeitos secundários da quimioterapia. O

Kiwi contra um dos mais dolorosos efeitos secundários da quimioterapia. O "método inovador" criado por investigadores portugueses

A meio caminho entre o brioche e o folhado, assim são os protagonistas da Chez Croissant

A meio caminho entre o brioche e o folhado, assim são os protagonistas da Chez Croissant

Giorgio Armani celebra o seu 90.º aniversário

Giorgio Armani celebra o seu 90.º aniversário

VOLT Live: Musk chegou a Portugal de jato privado, mas nós voámos de elétrico

VOLT Live: Musk chegou a Portugal de jato privado, mas nós voámos de elétrico

Investigadores da Universidade de Lisboa recebem apoio para estudar doenças raras em Portugal

Investigadores da Universidade de Lisboa recebem apoio para estudar doenças raras em Portugal

As escolhas de Letizia e Sofia que não ofuscam Leonor

As escolhas de Letizia e Sofia que não ofuscam Leonor

Maria João acusou Ricardo de se masturbar ao seu lado em “Casados à Primeira Vista”: a reação do concorrente

Maria João acusou Ricardo de se masturbar ao seu lado em “Casados à Primeira Vista”: a reação do concorrente

B&B Italia e Maxalto em Lisboa

B&B Italia e Maxalto em Lisboa

Juros altos por mais tempo?

Juros altos por mais tempo?

António Coutinho: “Não é uma transição energética. É uma revolução”

António Coutinho: “Não é uma transição energética. É uma revolução”

Guia de essenciais de viagem para a sua pele

Guia de essenciais de viagem para a sua pele

Sustentabilidade: Este mar que se esgota

Sustentabilidade: Este mar que se esgota

Quais as oportunidades na cadeia de valor da indústria espacial?

Quais as oportunidades na cadeia de valor da indústria espacial?

15 festivais gastronómicos (para comer e beber bem) do Minho ao Algarve

15 festivais gastronómicos (para comer e beber bem) do Minho ao Algarve

VISÃO Júnior de junho de 2024

VISÃO Júnior de junho de 2024

Zunder, a aplicação para carregar o carro por toda a Europa, chega a Portugal

Zunder, a aplicação para carregar o carro por toda a Europa, chega a Portugal

Depois dos Magnum, Unilever diz adeus às pessoas

Depois dos Magnum, Unilever diz adeus às pessoas

VISÃO Se7e: Passeios de barco e aquários para visitar em família 

VISÃO Se7e: Passeios de barco e aquários para visitar em família 

Direito de Resposta:

Direito de Resposta: "Perigo à espreita na maior obra de Lisboa"

Mangualde fabrica primeiros elétricos

Mangualde fabrica primeiros elétricos "made in" Portugal e vai bater recorde de produção

Equipa do Técnico conquista segundo lugar em competição  de barcos elétricos

Equipa do Técnico conquista segundo lugar em competição de barcos elétricos

Curtas Vila do Conde: Um festival em grande

Curtas Vila do Conde: Um festival em grande

Em “A Promessa”: Laura emociona-se ao ver Tomás a ser internado à força

Em “A Promessa”: Laura emociona-se ao ver Tomás a ser internado à força

Futuro de Cristiano Ronaldo na Seleção: Peso-pesado ou peso morto?

Futuro de Cristiano Ronaldo na Seleção: Peso-pesado ou peso morto?

Zona: Três mitos sobre esta doença que pode ser incapacitante

Zona: Três mitos sobre esta doença que pode ser incapacitante

Giorgio Armani celebra o seu 90.º aniversário

Giorgio Armani celebra o seu 90.º aniversário

Famosos brilham na passadeira vermelha da festa da TVI

Famosos brilham na passadeira vermelha da festa da TVI

10 animais que resistem ao calor

10 animais que resistem ao calor

Curtas de Vila do Conde - Um festival que dá cartas

Curtas de Vila do Conde - Um festival que dá cartas

Sede da PIDE, o último bastião do Estado Novo

Sede da PIDE, o último bastião do Estado Novo

Biovance: primeiro fundo português de investimento em biotecnologia arranca com €51 milhões

Biovance: primeiro fundo português de investimento em biotecnologia arranca com €51 milhões

Apple ‘abre’ sistema de pagamentos móveis aos rivais

Apple ‘abre’ sistema de pagamentos móveis aos rivais

Parceria TIN/Público

A Trust in News e o Público estabeleceram uma parceria para partilha de conteúdos informativos nos respetivos sites