Getty

O princípio do ano pode ser uma boa altura para incentivar a solidariedade, e isso começa em casa. Ensinar a empatia passo a passo não só é possível como dá menos trabalho do que se pensa.

As crianças têm um coração de ouro? Pois têm: mas são crianças, é suposto estarem concentradas nas suas necessidades. As crianças são egoístas porque precisam de sobreviver; mas também são solidárias porque o género humano está vocacionado para funcionar em tribo e a solidariedade é uma ferramenta de sobrevivência coletiva. Gostam de ajudar a mãe na cozinha porque é divertido, mas é difícil conseguir que percebam as dificuldades de um amigo. Em que é que ficamos? A empatia é uma espécie de músculo: também se treina. E há muito que eles podem fazer desde… que nascem. O princípio: se quer um filho solidário, tem de começar por estar atenta às suas próprias necessidades. Ninguém dá o que não tem.


Recém-nascido

Converse come ele. Um bebé só está preocupado em comer, dormir e basicamente sobreviver? Surpresa! Até mesmo um bebé começa a esforçar-se por captar a atenção do adulto e olhar nos olhos. São os básicos da empatia. O que pode fazer? Conversar muito com ele.

6-8 semanas a 10 meses
Sorria! Ele sorri para que o adulto sorria para ele, e sorri de volta para mostrar que ‘percebeu’ e que retribui. Também são capazes de perceber quando uma pessoa está triste, e ficam tristes também. Faça uma expressão preocupada e observe como a expressão dele muda.

18 meses
‘Provoque’ ajuda. Há estudos que mostram que se deixar um lápis afastado e fingir que o tenta agarrar, um bebé de 18 meses já agarra no lápis e lho dá (se estiver lá perto) sem que lho peçam. Pode começar já a agradecer-lhe quando a ajuda, e a ajudá-lo a ele quando ele precisa. Diga mesmo: ‘Não consegues subir esse degrau? A mãe ajuda’. Ou faça a seguinte experiência: peça a um bebé de 14 meses que lhe traga qualquer coisa boa para comer. Ele vai trazer um alimento de que ele próprio goste. Quatro meses depois, se lhe fizer o mesmo pedido, pode ser que ele lhe traga um alimento que já a viu comer antes, mesmo que ele não goste. Claro que nem todos os bebés são assim observadores, mas alguns já fazem esta distinção entre o que eles preferem e o que os pais preferem.

2 anos
Ajude-o a proteger as suas coisas. A maioria dos pais fica muito preocupada porque eles não querem emprestar os brinquedos: nesta idade, esqueça lá o emprestar, pelo menos da maneira clássica, porque eles ainda não estão preparados para isso e nem sequer brincam muito bem a dois. Pode no entanto ir falando da importância de partilhar. Quando vierem amiguinhos brincar com ele, pode ajudá-lo a esconder os seus brinquedos preferidos, estabelecendo que os comunitários (legos, carrinhos, triciclos) sejam para todos.

3 anos

Ensine os três básicos: obrigado, desculpe, por favor.
Ok: isto vai dar trabalho. Então mas não dissemos que ah e tal, não ia dar tanto trabalho assim? E é verdade: a partir dos 8 anos. Aos 3 anos, vai dar trabalho. “É mesmo cansativo porque temos de estar constantemente a lembrá-los, mas se for começado nesta idade, depois fica para a vida”, explica a terapeuta de família Helena Gonçalves Rocha. Mas o mais importante tem mesmo a ver com. o exemplo, pois. “Se o adulto agradecer e cumprimentar, mais facilmente eles copiam. Se vejo o meu pai ajudar alguém, fixo essa atitude como um padrão.”

4 anos
Explique-lhe que tem que dar a vez no baloiço. Comece a ensinar-lhes que não vivemos sozinhos no mundo, mas prepare-se que nesta idade ainda não vai ter grandes abnegações. Por isso dê um empurrãozinho. “É importante perceber que a empatia começa com eles: elogie-os quando, por exemplo, dão a vez num baloiço para outro menino andar”, lembra Helena Gonçalves Rocha. “Claro que para ele é muito difícil, mas por isso mesmo elogie. ‘Viste como o menino ficou contente?’ Se ele recusar, não insista, porque a empatia não se ensina à força. A regra do bom-senso é a mais importante. Mas legende o comportamento dele e dos outros.”

5 anos
Incentive-o a ajudar um amigo. Não é fácil incentivá-los a pôr-se no lugar dos outros porque eles francamente não se podiam preocupar menos com os outros. Mas habitue. “Oriente o foco através de perguntas simples”, sugere Helena Gonçalves Rocha. “O teu amigo ficou triste porque perdeu o casaco? Porque é que achas que isso aconteceu? Como é que podíamos ajudá-lo?’ O problema é que nós, pais, cada vez valorizamos menos a empatia. O que interessa é ser melhor, passar à frente, e a competição não se coaduna com a solidariedade.”

6 anos
Ensine a responder delicadamente. À medida que crescem, o cérebro amadurece, são mais capazes de se pôr no lugar dos outros. “Há coisas tão básicas e tão importantes como por exemplo ser gentil e ser grato, as bases da empatia”, explica Helena Gonçalves Rocha. “Os portugueses são muito sisudos, ainda temos permissão para sermos socialmente antipáticos, e é importante mudar isso: ‘faz o dia do outro um bocadinho melhor’, tem sido o meu desafio, porque a força de um sorriso é muito maior do que pensamos.”

7 a 9 anos

Dirija-o para situações concretas. “Pergunte: ‘Como correu hoje a escola, brincaste com quem, toda a gente tinha com quem brincar?’. Em vez de ‘o que é que comeste?’, em vez de ‘e que nota é que o Tomás teve’?, pergunte ‘então o teste, correu bem a todos? Por que é que correu mal ao Tomás?'” Claro: prepare-se para a resposta classicamente bruta do ‘porque é burro’. É aí que temos de atacar com subtileza. “Claro que eles têm sempre explicações básicas: teve má nota porque não presta atenção, ou porque se porta mal, e quanto mais pequenos são, mais isto reflete a atitude dominante, isto é, a atitude do professor”, nota Helena Gonçalves Rocha. Pode ser difícil lutar contra isto, mas pouco a pouco tente mudar a forma como ele vê os outros.

10 anos
Oriente-o para uma causa. Se ele já recebe mesada, ponha um jarro na entrada e incentive-o a contribuir com alguma coisa todos os meses, por pouco que seja. Ao fim do ano, escolham a quem oferecer esse dinheiro: a uma organização, a alguém que precise, para alguma causa? Enfim, isto também pressupõe que não se seja demasiado forreta na mesada.

11 anos
Incentive-o a fazer qualquer coisa de bom por alguém. Ajudar a levar as compras, elogiar a irmã, tomar conta de um animal doente, estar mais atento a um amigo que está triste ou a passar por uma situação difícil. Mas desative a ‘homilia’: não quer um ser humano a papaguear que o que interessa é sermos todos muito bonzinhos. Incentive os atos, o ir lá a casa dar uma ajuda nos TPCs, oferecer um ombro, ser carinhoso com os outros, ser atento, ser observador para perceber o que pode fazer. Claro que ‘incentivar’ não é ‘Ó Bernardo Maria, és tão preguiçoso, em vez de ficares aí especado a olhar, bem me podias ajudar com estes sacos, não?’. Assim não se consegue nada.

12 anos
Insista para ligarem aos avós, para lhes agradecerem o que fazem por eles, para não tomarem tudo como garantido. Parece pouco significativo, mas quantos adolescentes o fazem? “A maioria deles não o fará por eles próprios, por isso é dever dos pais insistir nesta atenção aos mais velhos”, lembra Helena. Não se esqueça de que está a treinar a forma como você vai ser tratada daqui a uns anos.

13 anos
Prepare-se para discutir filosofia. O que está certo e errado? Porquê? A adolescência é como voltar a ter 2 anos outra vez: eu sou eu, e os outros não interessam nada. Bem-vinda ao reino das discussões, das discordâncias. “Os adolescentes têm ideias muito preconcebidas e muito fortes, muitas vezes para provocar”, confirma Helena Gonçalves Rocha. “É nosso papel desconstruir, voltar a mudar o foco para os outros, chamar a atenção de que não se faz algo pelo outro por alguma recompensa mas pela alegria que isso nos dá.” Desafio: treinar isto sem passar sermão.

A partir de 14
Façam ações de voluntariado. “O mais difícil é isto: fazê-los ver que a recompensa é o ato em si. Nós temos recompensa monetária pelo que fazemos, eles não têm essa experiência, é normal que a queiram ter.”

E para acabar…
Afinal, as crianças são egoístas ou não? No natal de 2015, uma experiência em Atlanta, nos EUA, reuniu algumas crianças entre os 6 e os 11 anos de bairros desfavorecidos, fez-lhes algumas perguntas, e depois deu-lhes esta escolha: ‘têm à vossa frente o vosso brinquedo de sonho e um presente que vocês sabem que os vossos pais iam adorar. Só podem ficar com um. O que escolhem?’ Todas as crianças escolheram o presente para os pais. Que, escusado será dizer, acabaram em lágrimas.

Palavras-chave

Relacionados

Mais no portal

Mais Notícias

Eduardo antes de ser Lourenço

Eduardo antes de ser Lourenço

A inovação nas frotas e na mobilidade

A inovação nas frotas e na mobilidade

Tribunal chumbou providência cautelar da Câmara de Montalegre que tentava travar mina de lítio

Tribunal chumbou providência cautelar da Câmara de Montalegre que tentava travar mina de lítio

VISÃO Júnior de junho de 2024

VISÃO Júnior de junho de 2024

Guia de essenciais de viagem para a sua pele

Guia de essenciais de viagem para a sua pele

Vai um copo? 5 novos bares de vinhos para conhecer no Porto

Vai um copo? 5 novos bares de vinhos para conhecer no Porto

VOLT Live: vem aí um apoio europeu para a compra de veículos elétricos?

VOLT Live: vem aí um apoio europeu para a compra de veículos elétricos?

Recanto para viver ao ar livre

Recanto para viver ao ar livre

Em

Em "Senhora do Mar", Judite trai Joana e deixa Alex ver a neta

Sede da PIDE, o último bastião do Estado Novo

Sede da PIDE, o último bastião do Estado Novo

Duches de exterior: a única 'chuva' permitida durante o verão

Duches de exterior: a única 'chuva' permitida durante o verão

IA ajuda a prever a evolução de incêndios florestais com maior precisão

IA ajuda a prever a evolução de incêndios florestais com maior precisão

Em

Em "A Mulher no Lago", Natalie Portman estreia-se nas séries

Família real da Bélgica reunida para celebrar o Dia Nacional do seu país

Família real da Bélgica reunida para celebrar o Dia Nacional do seu país

O Pavilhão do Conhecimento celebra 25 anos com um dia inteiro de festa – a entrada é gratuita

O Pavilhão do Conhecimento celebra 25 anos com um dia inteiro de festa – a entrada é gratuita

Letizia surpreende com

Letizia surpreende com "look" brilhante

Portugal e a Lei de Restauro da Natureza

Portugal e a Lei de Restauro da Natureza

Colunas JBL PartyBox foram feitas para animar qualquer tipo de festa

Colunas JBL PartyBox foram feitas para animar qualquer tipo de festa

O caminho para o inferno está cheio de paletas de artistas!

O caminho para o inferno está cheio de paletas de artistas!

Helena Isabel deixa de ser comentadora: “Não sei se volto à TVI”

Helena Isabel deixa de ser comentadora: “Não sei se volto à TVI”

De Zeca Afonso a Adriano Correia de Oliveira. O papel da música de intervenção na revolução de 1974

De Zeca Afonso a Adriano Correia de Oliveira. O papel da música de intervenção na revolução de 1974

Letizia, Leonor e Sofia, três

Letizia, Leonor e Sofia, três "looks" bem distintos

Eletrificar para descarbonizar

Eletrificar para descarbonizar

ChatGPT chega a todos os Peugeot equipados com comandos de voz

ChatGPT chega a todos os Peugeot equipados com comandos de voz

Amendoim: Os benefícios inesperados do consumo desta oleaginosa

Amendoim: Os benefícios inesperados do consumo desta oleaginosa

Quis Saber Quem Sou: Será que

Quis Saber Quem Sou: Será que "ainda somos os mesmos e vivemos como os nossos pais?"

8 hábitos a evitar para ganhar duas décadas de vida

8 hábitos a evitar para ganhar duas décadas de vida

Equipa do Técnico conquista segundo lugar em competição  de barcos elétricos

Equipa do Técnico conquista segundo lugar em competição de barcos elétricos

Princesa Charlene do Mónaco, uma apaixonada por

Princesa Charlene do Mónaco, uma apaixonada por "jumpsuits"

“É o trabalhador quem escolhe a empresa, e não a empresa que escolhe o trabalhador”

“É o trabalhador quem escolhe a empresa, e não a empresa que escolhe o trabalhador”

25 peças para receber a primavera em casa

25 peças para receber a primavera em casa

Girl Talk: A importância de ser sério

Girl Talk: A importância de ser sério

Adia várias vezes o alarme de manhã? O problema que pode estar por detrás da

Adia várias vezes o alarme de manhã? O problema que pode estar por detrás da "mania"

Imagens exclusivas do casamento de Isabela Valadeiro e Carlos Ferra

Imagens exclusivas do casamento de Isabela Valadeiro e Carlos Ferra

Rui Cardoso Martins: “Este livro reflete uma grande convicção de que a vida triunfa”

Rui Cardoso Martins: “Este livro reflete uma grande convicção de que a vida triunfa”

Fausto - O último dos puros

Fausto - O último dos puros

Google muda de ideias e não vai eliminar cookies de terceiros no Chrome

Google muda de ideias e não vai eliminar cookies de terceiros no Chrome

Isabela Valadeiro e Carlos Ferra: casamento no Alentejo

Isabela Valadeiro e Carlos Ferra: casamento no Alentejo

Todas as imagens do casamento de Isabela Valadeiro e Carlos Ferra no Alentejo

Todas as imagens do casamento de Isabela Valadeiro e Carlos Ferra no Alentejo

Os heróis portugueses que vão às Olimpíadas

Os heróis portugueses que vão às Olimpíadas

Vencedores e vencidos do 25 de Abril na VISÃO História

Vencedores e vencidos do 25 de Abril na VISÃO História

Animais que nos fazem rir!

Animais que nos fazem rir!

As diferenças entre sexo e género no cérebro das crianças, segundo um novo estudo

As diferenças entre sexo e género no cérebro das crianças, segundo um novo estudo

Conheça a nova flagship store da Molteni&C em Lisboa

Conheça a nova flagship store da Molteni&C em Lisboa

Afinal, o que é isto do luxo?

Afinal, o que é isto do luxo?

Parceria TIN/Público

A Trust in News e o Público estabeleceram uma parceria para partilha de conteúdos informativos nos respetivos sites