Foto Pexels/Kostya Levit Naddub

Passo por lojas carregadas de enfeites de natal, as luzes já montadas, um clima de pré-festa como se não se passasse nada, mas chego a casa e os telejornais parecem um filme de terror. Percebo o dilema dos pais: sendo que os miúdos também recebem estas imagens e também estão assustados, como é que podemos falar do que está a acontecer – a guerra, a crise, o desemprego, a falta de dinheiro – sem que elas percam a ideia de que apesar de tudo há muita coisa mágica?

Para nos falar da magia do Natal, ninguém melhor do que… o próprio Pai Natal. Não estou a brincar. Tenho a honra de ser amiga do Pai Natal ‘himself’. Severino Moreira, 74 anos, é há 23 o Pai Natal ‘residente’ do Colombo e nunca deixou de se espantar com os efeitos que dez minutos de magia têm na vida de todas as crianças, mesmo – principalmente – em alturas mais complicadas.

“Mesmo nos anos em que estivemos em confinamento, incluindo o Pai Natal, eu fiz as minhas sessões em zoom”, conta-me. “Obviamente que não era a mesma coisa, porque para mim ser Pai Natal é o contacto com as crianças, mas para que veja como a magia não os abandonou mesmo num dos períodos mais duros da Humanidade: quando fiz aquela pergunta sacramental ‘e quais são os teus desejos?’, um rapazinho disse-me: ‘Queria ter uma varinha de condão para destruir todos os vírus do mundo’.” Portanto, as crianças são muito fantasiosas mas também muito práticas… “Tal qual. E apercebem-se de tudo o que se passa. Ser Pai Natal é um confessionário infantil: eles contam-me tudo. E já tive momentos bem dramáticos.”

Recorda uma menina que lhe chegou com um ar assustado e que disse: “Pai Natal, eu não quero brinquedos, só quero que quando fores lá a casa ralhes muito com o meu pai para ele não bater mais na minha mãe.” O que é que se diz numa situação destas? “A única coisa a fazer é tentar que as crianças levem dali alguma esperança, alguma fantasia, alguma reconciliação com elas mesmas.”

Quando são pequenos, o Pai Natal faz por manter a ‘crença’. “Houve um menino que me disse: ‘Ouve lá, eu sei que tu não existes, que és um fulano qualquer com uns pelos falsos colados à cara’.” Eu, que me orgulho da minha barba verdadeira, disse-lhe logo: ‘Então puxa’. Ele deu-me um puxão tão grande que até vi estrelas (risos). E foi dali a gritar: ‘Vou dar um murro ao Rodrigo que disse que tu não existes!’” (risos). Mas se as crianças já são mais velhas, têm outra conversa. “Há quem já não acredite mas goste de tirar fotografia, por duas razões: primeiro porque gostam do carinho, da conversa, da atenção personalizada. Depois, acham mais seguro manter a ‘crença’ porque sabem que enquanto houver Pai Natal, vai haver presentes.” (risos)

A propósito, uma vez apareceram-lhe uns gémeos carregados de catálogos todos sublinhados. E diz Severino: ‘Mas vocês não sabem que o Pai Natal conhece os brinquedos todos?’ Resposta: ‘Pois pois. Por isso é que no ano passado trocaste aquilo tudo…” (risos)

Num ano em que se adivinham menos presentes, o Pai Natal continua a apostar na necessidade da magia, das histórias, do encantamento. “A fantasia é a capacidade de criar mundos fantásticos, e liberta em todos nós energias criadoras muito importantes para mantermos a sanidade mental. Estar com o Pai Natal é um pequeno-grande momento em que as crianças saem dali um pouco mais acarinhadas. Se as pessoas soubessem como isso é bonito e profundo, apreciavam melhor o que a fantasia nos traz a todos nós…”

Fora os tabus

Portanto, o que já aprendemos: 1) que mesmo o Pai Natal tem dificuldade em dar a volta às situações mais difíceis. E 2) que apesar disso, a fantasia continua a ser uma luz em dias escuros. Mas dizem vocês, ‘obrigadinha, sendo Pai Natal é fácil’. Então vamos saber como é que eu, não sendo Pai Natal, posso fazer esse milagre da fantasia na vida de todos os dias.

“Muitos pais têm esta dificuldade de perceber se devem ou não falar de temas mais difíceis com as crianças, mas a resposta é sempre sim”, defende Ana Carina Valente, que além de psicóloga, professora e habituada a prestar primeiros socorros psicológicos a pessoas em situações de extrema dificuldade, como os refugiados ucranianos. “Ainda por cima, nós não controlamos tudo o que as crianças veem e ouvem, e os mais velhos estão nas redes sociais e nos telemóveis, com acesso a muita informação. Portanto, aconselho a que não existam temas tabu. Se é um assunto em que temos dificuldade, então pensemos previamente no que queremos dizer-lhes.”

A ideia é transmitir alguma tranquilidade e confiança, falando de forma simples e clara. Mas primeiro ela precisa de ser ouvida e de aprender a confiar nos pais. E se depois eles ficam com pesadelos? “Esses receios iriam manifestar-se de qualquer maneira. Se eu tiver um espaço de segurança e tiver sempre quem me responda, é o ideal. E depois, dar tempo e espaço à criança para perceber aquilo que sente. Porque isto não é imediato.”

A guerra é um assunto especialmente difícil, mas a verdade é que todos já perceberam que ela existe, e podíamos aproveitar estas oportunidades para explorar muitos assuntos: “Que tipo de pessoa queremos ser, que formas existem de gerir os nossos conflitos, o valor da paz, que ‘guerras’ criamos no nosso pequeno mundo. Isto também nos pode levar a nós, pais, a repensarmos que educação queremos dar às crianças.” Claro que os pequeninos acham sempre que a guerra é à porta, mas podemos mostrar-lhes no mapa onde fica, que é longe, e envolver a criança nesta confiança.

Como falar da crise

Mais do que a guerra, problemas mais próximos como a crise ou a falta de dinheiro podem até ser mais assustadores. “Mas mesmo a crise pode ser, não esquecida, mas discutida em segurança”, explica Ana Carina Valente. “Podemos dizer: vai haver menos dinheiro em casa e temos de gerir isto de forma diferente, mas não é nada que não se ultrapasse em família. Podemos lembrar situações parecidas que já tenham vivido, afinal esta não é a primeira crise. Podemos falar de e com avós e bisavós que também tenham passado dificuldades mas que aqui estão para contar como foi. O importante é passar sempre uma mensagem de esperança no futuro: ‘a mãe agora está desempregada mas vai arranjar outro emprego’, e ver isto como uma forma de reforçar a união familiar.”

O problema é que os adultos também estão com medo, também estão desorientados, mas não podem passar esse estado emocional aos filhos. E isto pode ser stressante. “Se sentirmos que há umas horas ou dias em que estamos mais em baixo, devemos adiar o momento de falar nisso para uma altura em que estejamos mais controlados, para que a criança não registe uma mensagem de desespero”, orienta Ana Carina. Porque nós também temos de sentir esperança para a transmitirmos.

Mas como é que isso se consegue? Criar esperança nos adultos, quando os pobres adultos andam com a esperança tão em baixo? “Pensando que já passámos por situações piores ou igualmente más, ou alturas em que pensámos que não íamos ser capazes de aguentar, e fomos. Já houve muitas guerras no mundo e os países acabaram por reorganizar-se, já houve muitas crises e saímos delas, muitos de nós temos na família pessoas que passaram tempos difíceis, e portanto é a isto que temos de nos agarrar. A componente financeira obviamente que é importante e está sempre ligada à saúde mental, mas a forma como olhamos para a nossa vida conta, a forma como nos conseguimos reorganizar conta, e o que devemos transmitir aos nossos filhos é que é importante fazermos todos o melhor que pudermos.”

Aliás, os próprios miúdos ajudam-nos a nós, adultos, a manter a esperança. Ok, se calhar dantes íamos às compras e ao cinema e agora já não podemos, mas podemos ir mais vezes ao parque jogar à bola, por exemplo… Há que nos reinventarmos enquanto família. “E se virmos que não conseguimos, a quem podemos pedir ajuda? A um tio ou um amigo que possa ficar com a criança? Há quem esteja de facto sozinho, mas a maioria de nós não está. Portanto, não pense que ‘não quer incomodar’. Recorra à sua rede de apoio. Às vezes os pais também precisam de tempo para respirar, para encontrar o seu chão. É preciso mesmo uma aldeia para criar uma criança. Use a sua.”

Todas as armas são poucas

Outra arma para resistir a tempos difíceis, além da calma, da esperança (e dos tios), é a fantasia. Mas como incentivar a capacidade de sonhar? “Todas as crianças a têm, porque a fantasia é uma forma de sobrevivência”, explica Ana Carina. “Nós, pais, podemos aprender com eles, porque ninguém aguenta viver em crise emocional. “Por isso, incentive a criatividade e o pensamento mágico.” E o Natal presta-se muito a isto, e não apenas pela parte dos presentes. “Há a história do Pai Natal, a carta, o Menino Jesus, até a fada dos dentes, e em algumas famílias há isto tudo porque todas as armas são poucas (risos), portanto mostre-lhe as luzes, as músicas, as cores dos enfeites da árvore.” Se não aprenderem em crianças a serem capazes de imaginar novos mundos, para serem capazes de pensamento abstrato, para serem capazes de se maravilhar, de observar, de sentir coisas diferentes, quando é que vão aprender?

Palavras-chave

Relacionados

Mais no portal

Mais Notícias

INEM tem até 15 de março para chegar a acordo com Liga dos Bombeiros

INEM tem até 15 de março para chegar a acordo com Liga dos Bombeiros

Corpo encontrado hoje em Lisboa é o de mulher desaparecida em dezembro de hospital

Corpo encontrado hoje em Lisboa é o de mulher desaparecida em dezembro de hospital

José Neves assume liderança da sua Fundação após saída da Farfetch

José Neves assume liderança da sua Fundação após saída da Farfetch

Família de Mário Soares acarinhada na antestreia de filme sobre o político

Família de Mário Soares acarinhada na antestreia de filme sobre o político

Quartos: como atingir o máximo conforto

Quartos: como atingir o máximo conforto

Estudo identifica diferenças concretas entre cérebro feminino e masculino

Estudo identifica diferenças concretas entre cérebro feminino e masculino

Dos idos de Março 62 às eleições de Março 24

Dos idos de Março 62 às eleições de Março 24

Celebridades assistem ao desfile Fendi na Semana da Moda de Milão

Celebridades assistem ao desfile Fendi na Semana da Moda de Milão

Em “Senhora do Mar”: Joana conta toda a sua história a Manuel e Rita

Em “Senhora do Mar”: Joana conta toda a sua história a Manuel e Rita

Citroën ë-C3: O elétrico que custa 23.300 euros chega em junho

Citroën ë-C3: O elétrico que custa 23.300 euros chega em junho

Estão a ser plantadas as árvores erradas em África - e isso ameaça os ecossistemas

Estão a ser plantadas as árvores erradas em África - e isso ameaça os ecossistemas

Junte-se ao webinar

Junte-se ao webinar "Prevenção e a gestão do risco como chave da eficiência do negócio"

Atualização de software da Tesla corrige problemas de bateria no frio extremo

Atualização de software da Tesla corrige problemas de bateria no frio extremo

Esplanada, comida asiática e preços democráticos no Street Chow

Esplanada, comida asiática e preços democráticos no Street Chow

Brinquedos didáticos, livres e que estimulem a criatividade. Onde? Na Color Square

Brinquedos didáticos, livres e que estimulem a criatividade. Onde? Na Color Square

Quiz VISÃO Se7e: 10 perguntas para testar a sua cultura geral

Quiz VISÃO Se7e: 10 perguntas para testar a sua cultura geral

Os lugares desta História, com Isabel Stilwell: Elvas, capital do Império onde o sol nunca se põe

Os lugares desta História, com Isabel Stilwell: Elvas, capital do Império onde o sol nunca se põe

A teoria de que “descendem” dos dinossauros voadores colapsou. De onde vêm, então, os pássaros?

A teoria de que “descendem” dos dinossauros voadores colapsou. De onde vêm, então, os pássaros?

Cartazes à vista!

Cartazes à vista!

Artur Jorge despede-se da filha, Francisca

Artur Jorge despede-se da filha, Francisca

Inspire-se no

Inspire-se no "look" de Meghan Markle

Quando a cantiga foi uma arma

Quando a cantiga foi uma arma

Tempos de Antena ‘Miúdos a Votos’: ‘O Diário de Um Banana – Arrasa ou Baza’

Tempos de Antena ‘Miúdos a Votos’: ‘O Diário de Um Banana – Arrasa ou Baza’

Poesia e estranheza

Poesia e estranheza

Desfile de famosos na passadeira dos SAG Awards

Desfile de famosos na passadeira dos SAG Awards

A primavera começa daqui a um mês ou daqui a uma semana?

A primavera começa daqui a um mês ou daqui a uma semana?

Vídeo: Fazer filmes para apelar ao voto

Vídeo: Fazer filmes para apelar ao voto

Lenovo apresenta portátil com ecrã transparente

Lenovo apresenta portátil com ecrã transparente

Caras Decoração de fevereiro: tranquilidade e aconchego em primeiro lugar

Caras Decoração de fevereiro: tranquilidade e aconchego em primeiro lugar

Os Incoerentes: a história de movimento artístico à frente do seu tempo

Os Incoerentes: a história de movimento artístico à frente do seu tempo

A história da imagem que valeu a Nuno Sá o prémio de Fotógrafo de Conservação do Ano em concurso britânico

A história da imagem que valeu a Nuno Sá o prémio de Fotógrafo de Conservação do Ano em concurso britânico

769, 265 e 409. Os números esmagadores com que a Nvidia, “a cotada mais influente do mundo”, deu a volta a Wall Street

769, 265 e 409. Os números esmagadores com que a Nvidia, “a cotada mais influente do mundo”, deu a volta a Wall Street

Prostituta, irmão problemático, avó e frouxo entram num debate e...

Prostituta, irmão problemático, avó e frouxo entram num debate e...

Penélope Cruz deslumbra na passadeira dos SAG Awards

Penélope Cruz deslumbra na passadeira dos SAG Awards

Em “Senhora do Mar”: Maria perde a virgindade com Pedro

Em “Senhora do Mar”: Maria perde a virgindade com Pedro

VOLT Live: como aumentar a competitividade e concorrência no mercado do carregamento de veículos elétricos

VOLT Live: como aumentar a competitividade e concorrência no mercado do carregamento de veículos elétricos

Citroën ë-C3: O elétrico que custa 23.300 euros chega em junho

Citroën ë-C3: O elétrico que custa 23.300 euros chega em junho

iServices lança kit para reparação de smartphones em casa

iServices lança kit para reparação de smartphones em casa

VISÃO Se7e: Está na hora do chá – os lugares mais convidativos e as lojas para servi-lo em casa

VISÃO Se7e: Está na hora do chá – os lugares mais convidativos e as lojas para servi-lo em casa

Apartamento em Cascais: sobriedade contemporânea

Apartamento em Cascais: sobriedade contemporânea

“A Madrugada que Eu Esperava”: Novas canções de Abril no Teatro Maria Matos

“A Madrugada que Eu Esperava”: Novas canções de Abril no Teatro Maria Matos

Os lugares desta História, com Isabel Stilwell: Filipe I de Portugal, por fim

Os lugares desta História, com Isabel Stilwell: Filipe I de Portugal, por fim

J. L. Barreto Guimarães, Poesia para médicos

J. L. Barreto Guimarães, Poesia para médicos

Kelly Bailey comenta a aquisição da nova habitação milionária: “Precisávamos de uma casa maior”. Veja as imagens!

Kelly Bailey comenta a aquisição da nova habitação milionária: “Precisávamos de uma casa maior”. Veja as imagens!

Xiaomi 14 reforça aposta na fotografia com toque Leica

Xiaomi 14 reforça aposta na fotografia com toque Leica

Parceria TIN/Público

A Trust in News e o Público estabeleceram uma parceria para partilha de conteúdos informativos nos respetivos sites