António Lobo Antunes em crónicas reunidas sobre a vida e a morte. Podem procurar à vontade: não há melhor maneira de começar o ano.

Se, quando se fala nos romances de António Lobo Antunes, ainda pode haver quem recue perante a grandeza da empreitada, em ‘As outras crónicas’ não há mesmo desculpas nenhumas: não temos de ler todo o livro de uma vez, ou na ordem porque está reunido (claro que, uma vez começado, é difícil não fazer isto, mas temos a liberdade de não o fazer). Essa liberdade dá ao leitor margem de manobra para tornar também suas estas crónicas. E um dos maiores dons de ALA é precisamente essa capacidade de, falando de si próprio, falar de todos nós.

Já não me lembro quem é que inventou essa lei universal do jornalismo que diz que ‘quanto mais particular, mais universal’. No caso de ALA, isso fica provado até à última linha. Nestas quase duas centenas de crónicas publicadas entre 2013 e 2019 na revista Visão, fala acima de tudo de si próprio – da sua experiência, da sua vida, da sua família, dos seus irmãos. E cada leitor encontrará aqui o seu espelho. Se calhar todos nós humanos somos iguais. Mas pouquíssimos têm esta capacidade de nos mostrar isso mesmo.

Para alguns leitores, será o primeiro contacto com as suas crónicas. Para outros, será o prazer de as reler. Os temas são imensos. Os livros, a lua, a morte, a guerra, os incêndios, o prazer, pais e filhos, mães e filhos, avós, família, o primeiro outono sem um irmão, a felicidade, a China, a dor, os vivos e os mortos. Acima de tudo, ALA tem o poder de nos fazer sentir. A escrita dele entranha-se no coração (e isto é tão kitsch que nem sequer é digno dele, mas é o que é).

Com estas crónicas, rimo-nos: “A minha mãe chava que a coisa mais sensual num homem era a inteligência e a coisa menos sensual um rabo grande, embora acrescentasse não haver nada mais estúpido que um homem inteligente.”

Choramos: “Permaneci especado até desapareceres na primeira curva, continuei especado durante imenso tempo, sozinho, depois meti as mãos nos bolsos e voltei para casa. Sozinho, isto é: sem ti.”

Pensamos: “O periquito morreu após anos e anos na gaiola, sempre no mesmo poleiro, calado, grave, solene. Nisso era igual a quase toda a gente só que as pessoas são ao mesmo tempo a gaiola e o pássaro e portanto acabam dentro de si mesmas.”

Interrogamo-nos: “Quem destrói um homem? Um homem, quando é homem, não acaba nunca.”

Sentimos saudades: A maior manifestação de amor entre nós era fazermos chichi juntos, à noite, para a cascata. Agora mijo sozinho. Infelizmente.”

Ficamos frente a frente com os nossos fantasmas: “Ninguém está preparado para morrer, nem sequer um filósofo budista de cem anos, com sífilis, cólica renal, a unha do dedo grande do pé encravada e dor de dentes.”

Claro que ALA não fala apenas do quoditiano. Se fosse só isso, qualquer de nós seria um grande escritor. Ele mostra-nos o quotidiano de uma forma nunca vista. Vamos ao nosso mundo de todos os dias como se fossemos a Marte. Vamos às nossas memórias como se nunca lá tivessemos estado (“Faz agora um ano que a minha mãe morreu e surpreende-me o que ela tem mudado depois de se ir embora.”)

Num homem que se vê na parte final da sua vida, ALA olha a morte de frente e faz muitas viagens ao passado, à família, às memórias, à infância, ao que ficou do que passou. O conjunto das crónicas, lidas assim, todas juntas, constroi uma espécie de autorretrato sofrido mas não amargo, vivido mas poético.

Porque isto que ALA faz talvez se chame poesia, ou seja, talvez ele cumpra nas crónicas a mesma função dos poetas: acordar-nos, fazer-nos olhar e sentir de outra maneira. Talvez ele saiba há muito tempo o que António Damásio nos mostrou, que a razão e a emoção são duas faces da mesma moeda. A poesia (não que ele lhe chame isso) é óbvia e constante (“O meu trabalho é escrever até que as pedras se tornem mais leves que a água”).

Ele próprio se pergunta a certa altura, “Que vida foi a minha?” O que restará de nós, o que viemos aqui fazer? Todos nós nos perguntamos isso, em alguma altura da nossa vida. Mesmo não tendo respostas, ALA tem pelo menos esperança: “Não cesso de escrever. Até ao fim não cessarei de escrever. Pode ser que ajude a aliviar um bocadinho o sofrimento das pessoas também.”

Se a missão dos escritores e da literatura for essa, aliviar um bocadinho o nosso sofrimento, então podemos dizer que a missão foi cumprida.

Olhem, parafraseando o fim de uma das crónicas, “Fico contente que este texto esteja tão mal escrito. Acho que me comovi demais.”

As outras crónicas’ – António Lobo Antunes, D. Quixote, E27,70

Palavras-chave

Relacionados

Mais no portal

Mais Notícias

Pigmentarium: perfumaria de nicho inspirada na herança cultural da República Checa

Pigmentarium: perfumaria de nicho inspirada na herança cultural da República Checa

Bolieiro quer reforçar verbas para a Saúde no próximo orçamento regional

Bolieiro quer reforçar verbas para a Saúde no próximo orçamento regional

Os lugares desta História, com Isabel Stilwell: Elvas, capital do Império onde o sol nunca se põe

Os lugares desta História, com Isabel Stilwell: Elvas, capital do Império onde o sol nunca se põe

25 peças para receber a primavera em casa

25 peças para receber a primavera em casa

Catarina Gouveia junta amigas na Comporta para evento especial

Catarina Gouveia junta amigas na Comporta para evento especial

"O Rapto": O Papa, rei e raptor, numa interpretação fabulosa de Paolo Pierobon

A gestão aos gestores

A gestão aos gestores

É o fim do mundo dos escritórios como o conhecemos, mas está tudo bem!

É o fim do mundo dos escritórios como o conhecemos, mas está tudo bem!

Reembolso do IRS: Só se recebe a partir de um valor e também só se paga a partir de outro

Reembolso do IRS: Só se recebe a partir de um valor e também só se paga a partir de outro

Vida ao ar livre: guarda-sol Centra

Vida ao ar livre: guarda-sol Centra

Teste em vídeo ao Volkswagen ID.7 Pro

Teste em vídeo ao Volkswagen ID.7 Pro

25 de Abril, 50 anos

25 de Abril, 50 anos

Morreu o jornalista Pedro Cruz

Morreu o jornalista Pedro Cruz

Estivemos no Oeiras Eco-Rally ao volante de dois Peugeot (e vencemos uma etapa)

Estivemos no Oeiras Eco-Rally ao volante de dois Peugeot (e vencemos uma etapa)

GNR apreende 42 quilos de meixão em ação de fiscalização rodoviária em Leiria

GNR apreende 42 quilos de meixão em ação de fiscalização rodoviária em Leiria

Em “Senhora do Mar”: Francisca seduz o sócio de Artur

Em “Senhora do Mar”: Francisca seduz o sócio de Artur

Capitão Salgueiro Maia

Capitão Salgueiro Maia

As Revoluções Francesas na VISÃO História

As Revoluções Francesas na VISÃO História

40 empresas portuguesas marcam presença na 62ª edição do Salão do Móvel de Milão

40 empresas portuguesas marcam presença na 62ª edição do Salão do Móvel de Milão

Ao volante do novo Volvo EX30 numa pista de gelo

Ao volante do novo Volvo EX30 numa pista de gelo

Na primeira pessoa:

Na primeira pessoa: "Comprei o primeiro par de ténis quando comecei a trabalhar, com 13 anos"

Vencedores do passatempo ‘A Grande Viagem 2: Entrega Especial’

Vencedores do passatempo ‘A Grande Viagem 2: Entrega Especial’

João Abel Manta, artista em revolução

João Abel Manta, artista em revolução

Montenegro diz que

Montenegro diz que "foi claríssimo" sobre descida do IRS

Os nomes estranhos das fobias ainda mais estranhas

Os nomes estranhos das fobias ainda mais estranhas

DS E-Tense Performance: Serão assim os superdesportivos do futuro?

DS E-Tense Performance: Serão assim os superdesportivos do futuro?

Semana em destaque: Musk volta a gritar

Semana em destaque: Musk volta a gritar "Carro autónomo", mas poucos acreditam

Ordem dos Médicos vai entregar a ministra

Ordem dos Médicos vai entregar a ministra "seis prioridades para próximos 60 dias"

Em “Cacau”: Marco impede que Cacau morra após ataque de javali

Em “Cacau”: Marco impede que Cacau morra após ataque de javali

11 ideias para fazer neste fim de semana, em Lisboa e Almada

11 ideias para fazer neste fim de semana, em Lisboa e Almada

Caras Decoração: escolhas conscientes para uma casa mais sustentável

Caras Decoração: escolhas conscientes para uma casa mais sustentável

David e Daniela trocaram o primeiro beijo na boca no “Big Brother”

David e Daniela trocaram o primeiro beijo na boca no “Big Brother”

Exame Informática TV nº 859: Veja dois portáteis 'loucos' e dois carros elétricos em ação

Exame Informática TV nº 859: Veja dois portáteis 'loucos' e dois carros elétricos em ação

Estivemos no Oeiras Eco-Rally ao volante de dois Peugeot (e vencemos uma etapa)

Estivemos no Oeiras Eco-Rally ao volante de dois Peugeot (e vencemos uma etapa)

Conta-me como foi o 25 de abril

Conta-me como foi o 25 de abril

Recorde alguns dos melhores 'looks' de Anya Taylor-Joy

Recorde alguns dos melhores 'looks' de Anya Taylor-Joy

As escolhas de guarda-roupa de Letizia e Máxima durante a visita do reis de Espanha aos Países Baixos

As escolhas de guarda-roupa de Letizia e Máxima durante a visita do reis de Espanha aos Países Baixos

Federação dos Médicos aponta quatro prioridades para reunião com o Governo

Federação dos Médicos aponta quatro prioridades para reunião com o Governo

Nicolas Floc’h levou as cores da água para dentro do MAAT

Nicolas Floc’h levou as cores da água para dentro do MAAT

No tempo em que havia Censura

No tempo em que havia Censura

Portugal visto pelos estrangeiros

Portugal visto pelos estrangeiros

Famosos brilham na reabertura de loja de luxo em Cascais

Famosos brilham na reabertura de loja de luxo em Cascais

Catarina Gouveia junta amigas na Comporta para evento especial

Catarina Gouveia junta amigas na Comporta para evento especial

MAI apela à limpeza dos terrenos rurais

MAI apela à limpeza dos terrenos rurais

Fed e BCE em direções opostas?

Fed e BCE em direções opostas?

Parceria TIN/Público

A Trust in News e o Público estabeleceram uma parceria para partilha de conteúdos informativos nos respetivos sites