Helena Magalhães Crédito foto: Bárbara Gomes

Chama-se Aurora e é a grande novidade editorial no mercado português neste início de ano. Helena Magalhães é o rosto desta marca, criada em colaboração com a Cultura Editora, e que tem como objetivo publicar apenas obras assinadas por mulheres, nacionais ou internacionais.

Conversámos com a escritora e a atual curadora criativa e editorial sobre o objetivo da Aurora, os planos que estão a ser traçados, a necessidade de se criar um espaço para se dar unicamente voz a autoras femininas e as dificuldades que as mulheres ainda encontram no mercado literário.

Qual a necessidade de, no mercado editorial nacional, existir uma editora que aposte apenas na produção feminina?

Em primeiro lugar, temos de consciencializar os portugueses para o facto da literatura portuguesa ser ainda maioritariamente assente nos autores homens. São as mulheres quem mais compra livros mas, em Portugal, continua-se a publicar e a valorizar muito mais as vozes dos homens. Basta olhar para as prateleiras da ficção lusófona nas livrarias: a desigualdade está bastante clara. A Aurora nasce exatamente neste contexto. Grande parte do meu trabalho tem sido na luta por abrir o mercado à literatura contemporânea e às novas vozes femininas. Temos grandes escritoras que marcaram as suas épocas e tiveram um papel importante na forma como a voz das mulheres foi revolucionária. Nomes como Florbela Espanca, Maria Judite de Carvalho, Natália Correia ou Maria Teresa Horta lutaram contra os preconceitos da sociedade conservadora portuguesa que remetia (e continua a remeter) a escrita feminina para uma qualidade menor. Chegamos a 2022 e as vozes da geração de hoje continuam a ser silenciadas por uma indústria literária misógina, antiquada e estagnada que nos apelida de literatura inferior, fútil ou para massas. Eu não acredito em literatura inferior. Eu acredito em literatura que toca as pessoas, que emociona, que cativa, que entretém mas também faz pensar, que fomenta o diálogo e cria novos leitores. E acredito no poder transformador da literatura feminina, quer nacional, quer internacional, nos dias de hoje.

Como foi o processo da criação da Aurora?

No ano passado, a Cultura Editora propôs-me criarmos uma editora em conjunto, um projeto que apostasse em escritoras mulheres e em literatura contemporânea, uma vez que tem sido esse o meu foco também no Book Gang (clube do livro digital que tem uma subscrição mensal). Reunimos algumas vezes para discutir ideias e perceber se estávamos todos alinhados. Para mim era importante saber se confiavam na minha visão para o tipo de livros que queria trazer para a Aurora. Fiquei muito entusiasmada quando percebi que estávamos todos em sintonia e numa bonita tarde de agosto, a Aurora nasceu.

Quais serão as suas funções nesta editora?

Eu sou a curadora criativa e editorial. O meu papel é ler, ler, ler, escolher os livros que vamos publicar e descobrir novas autoras (no caso nacional), trabalhando em conjunto com a equipa de design na criação das capas e em todo o processo editorial.

O que mais está a entusiasmar?

O molho de manuscritos que tenho para ler. Numa das reuniões que tivemos no ano passado, levei uma lista de livros internacionais que, na minha visão, fazia sentido tentar trazer para Portugal. Histórias atuais, revolucionárias, novas autoras e outros que vou descobrindo ou me vão recomendando. Todo este processo de negociação é uma coisa nova para mim, então está a ser muito estimulante aprender com a equipa da Cultura. Há uma série de livros que estamos à espera para saber se são nossos e, para mim, é muito emocionante sempre que recebemos um sim. Uma das coisas que mais me tem entusiasmado é quando vou a meio de um manuscrito e sinto que esse é um livro que tem mesmo de ser publicado em Portugal. É inexplicável.

E os maiores desafios deste projeto?

A título pessoal, o meu maior desafio tem sido sair do meu próprio gosto literário. Já li manuscritos internacionais que gostei muito, ainda que tenha percebido logo que seria difícil vendê-los no nosso mercado por todas as suas condicionantes e mesmo por questões mais culturais. Mas acredito que os maiores desafios da Aurora serão equilibrar a publicação internacional com a nacional, descobrir novas vozes portuguesas e ir de encontro às expectativas dos leitores.

Que tipo de livros o público pode esperar encontrar no catálogo?

Não nos vamos focar num único género porque aquilo que procuro são histórias contemporâneas contadas por mulheres. Livros que tenham impacto na vida dos leitores, que fomentem o diálogo, que criem mudanças, que cativem, que sejam atuais, que façam refletir, viajar e sonhar. Acredito que a literatura contemporânea é a única com potencial de criar novos leitores e, uma vez que somos o país da Europa onde menos se lê, sinto que este é o caminho a seguir.

Porquê o nome Aurora?

Porque reflete aquilo que sentíamos quando começámos a discutir este projeto e estávamos entusiasmados com a ideia de criar uma editora feminina e moderna – um novo amanhecer na nossa literatura. Aquele momento em que o sol nasce no horizonte e todos os nossos problemas parece que ficaram para trás porque, subitamente, temos a esperança de que coisas boas virão… isto é a Aurora.

Como está a ser a receção?

A receção foi inacreditável e deixou-me surpresa. No dia em que divulgámos a Aurora e eu publiquei uma fotografia que tinha tirado no escritório da Cultura há umas semanas, não estava à espera do entusiasmo e passa a palavra que se gerou. É gratificante ver como os livros movem as pessoas e pensar no impacto que a leitura pode ter na nossa sociedade se conseguirmos chegar até ela.

Os primeiros passos já estão definidos e podem ser divulgados?

O primeiro livro que a Aurora vai publicar já está em pré-venda e é o best-seller internacional Os Melhores Anos de Kiley Reid. É uma sátira que aborda o feminismo e o racismo que, quando o li, soube logo que tinha de ser nosso e que era um livro pertinente em Portugal, até pelos tempos que vivemos. Vamos publicar de seguida uma nova autora portuguesa com um romance avassalador e temos já livros fabulosos no nosso catálogo que estamos ansiosos por trazer.

Daqui a um ano, que impacto espera que a Aurora já tenha tido?

Espero que a Aurora consiga cativar mais pessoas para a leitura e que tenha sido uma rampa de lançamento para novas autoras portuguesas. Temos uma indústria que ainda obedece a um cânone literário que está longe de ser representativo dos dias de hoje e continuamos muito agarrados a um ideal poético e literário de outros tempos que já não reflete a sociedade de hoje. O meu objetivo é que a Aurora consiga romper um pouco com esta estagnação.

A par da Aurora, mantém um clube de livros, o Book Gang, e é também autora. Como está a conciliar todos estes desafios profissionais?

Quando era adolescente, dizia que a minha profissão de sonho seria escrever e ler. Estava longe de imaginar que iria efetivamente viver da escrita e da leitura e de que o meu hobby se iria tornar numa empresa. O Book Gang continua a trazer todos os meses os melhores livros publicados em Portugal numa subscrição mensal que as pessoas recebem em casa sempre no início do mês. E neste momento, entre trabalhar no Book Gang todos os dias, escolher livros para a Aurora e sentar-me para trabalhar no meu próximo, tem dias que sinto que vou perder a cabeça. Mas depois lembro-me da Helena de quinze anos que passava as noites a ler no quarto e sonhava em escrever. Acho que ela estaria muito orgulhosa de tudo o que conquistámos.

Palavras-chave

Mais no portal

Mais Notícias

A reinvenção das imagens

A reinvenção das imagens

Molas de cabelo: 15 versões do acessório-estrela da estação

Molas de cabelo: 15 versões do acessório-estrela da estação

Cristina Ferreira passeia no Rio de Janeiro:

Cristina Ferreira passeia no Rio de Janeiro: "Durante anos sonhei com a vinda"

Caras conhecidas atentas a tendências de moda

Caras conhecidas atentas a tendências de moda

IPO do Porto vai criar Conselho Consultivo do Doente

IPO do Porto vai criar Conselho Consultivo do Doente

VISÃO Júnior de abril de 2024

VISÃO Júnior de abril de 2024

Quiz VISÃO Se7e: 10 perguntas para testar a sua cultura geral

Quiz VISÃO Se7e: 10 perguntas para testar a sua cultura geral

Os nomes estranhos das fobias ainda mais estranhas

Os nomes estranhos das fobias ainda mais estranhas

No primeiro dia de visita aos Países Baixos, Letizia surpreende com ombros nus e saia prateada

No primeiro dia de visita aos Países Baixos, Letizia surpreende com ombros nus e saia prateada

Como deve escolher bem o seu próximo powerbank?

Como deve escolher bem o seu próximo powerbank?

Ministra avalia dificuldades na aquisição de vacinas pelas Unidades Locais de Saúde

Ministra avalia dificuldades na aquisição de vacinas pelas Unidades Locais de Saúde

Sony Bravia traz o cinema para casa com novos televisores e barras de som

Sony Bravia traz o cinema para casa com novos televisores e barras de som

João Abel Manta, artista em revolução

João Abel Manta, artista em revolução

Chief Innovation Officer? E por que não Chief Future Officer?

Chief Innovation Officer? E por que não Chief Future Officer?

A gestão aos gestores

A gestão aos gestores

Um novo estúdio em Lisboa para jantares, showcookings, apresentações de marcas, todo decorado em português

Um novo estúdio em Lisboa para jantares, showcookings, apresentações de marcas, todo decorado em português

Na CARAS desta semana, o casamento de sonho de Dânia Neto e Luís Matos Cunha

Na CARAS desta semana, o casamento de sonho de Dânia Neto e Luís Matos Cunha

40 empresas portuguesas marcam presença na 62ª edição do Salão do Móvel de Milão

40 empresas portuguesas marcam presença na 62ª edição do Salão do Móvel de Milão

Raquel Prates assume: “Tenho uma enorme admiração pela filha do Juan”

Raquel Prates assume: “Tenho uma enorme admiração pela filha do Juan”

A tua VISÃO Júnior de abril vale um bilhete para a Jumpyard!

A tua VISÃO Júnior de abril vale um bilhete para a Jumpyard!

Lá fora, a vida a acontecer

Lá fora, a vida a acontecer

Bruna Gomes e Bernardo Sousa brilham no casamento de Dânia Neto

Bruna Gomes e Bernardo Sousa brilham no casamento de Dânia Neto

Quando a cantiga foi uma arma

Quando a cantiga foi uma arma

Juice Ultra 2: Uma nova forma de carregar carros elétricos

Juice Ultra 2: Uma nova forma de carregar carros elétricos

Da Índia com sabor

Da Índia com sabor

JL 1396

JL 1396

Liga dos Bombeiros defende que Governo devia acabar com agência de fogos rurais

Liga dos Bombeiros defende que Governo devia acabar com agência de fogos rurais

Operação Influencer: Tribunal diz que não há indícios de nenhum crime

Operação Influencer: Tribunal diz que não há indícios de nenhum crime

X poderá cobrar uma taxa a novos utilizadores ativos

X poderá cobrar uma taxa a novos utilizadores ativos

As Revoluções Francesas na VISÃO História

As Revoluções Francesas na VISÃO História

PM e presidente do Conselho Europeu encontram-se na quarta-feira de tarde

PM e presidente do Conselho Europeu encontram-se na quarta-feira de tarde

Atenção a nova fraude que altera IBAN do beneficiário de transferências

Atenção a nova fraude que altera IBAN do beneficiário de transferências

O que os preços do petróleo dizem sobre o conflito no Médio Oriente?

O que os preços do petróleo dizem sobre o conflito no Médio Oriente?

Em “Senhora do Mar”: Judite condena Joana por namorar com Manuel

Em “Senhora do Mar”: Judite condena Joana por namorar com Manuel

Lugar reservado: seleção de 27 cadeiras e poltronas

Lugar reservado: seleção de 27 cadeiras e poltronas

Celebridades vestem-se a rigor para o desfile pré-outono 2024 da Dior, em Nova Iorque

Celebridades vestem-se a rigor para o desfile pré-outono 2024 da Dior, em Nova Iorque

"The Sympathizer": A nova minissérie que repensa a Guerra do Vietname

As melhores imagens da equipa PRIO - Exame Informática - Peugeot no Eco Rally Portugal

As melhores imagens da equipa PRIO - Exame Informática - Peugeot no Eco Rally Portugal

Lídia Pereira (PSD) eleita vice-presidente do PPE após saída de Rangel

Lídia Pereira (PSD) eleita vice-presidente do PPE após saída de Rangel

Ministério já contactou sindicatos médicos e dos enfermeiros para iniciar negociações

Ministério já contactou sindicatos médicos e dos enfermeiros para iniciar negociações

No dia em que celebra 50 anos, Victoria Beckham partilha imagens da infância e assume-se uma mulher feliz

No dia em que celebra 50 anos, Victoria Beckham partilha imagens da infância e assume-se uma mulher feliz

Exame Informática TV nº 859: Veja dois portáteis 'loucos' e dois carros elétricos em ação

Exame Informática TV nº 859: Veja dois portáteis 'loucos' e dois carros elétricos em ação

Os lugares desta História, com Isabel Stilwell: Filipe I de Portugal, por fim

Os lugares desta História, com Isabel Stilwell: Filipe I de Portugal, por fim

Caso BES: lesados avançam com mais de 150 recursos contra decisão de juíza

Caso BES: lesados avançam com mais de 150 recursos contra decisão de juíza

XPENG: mais uma marca chinesa que chega a Portugal

XPENG: mais uma marca chinesa que chega a Portugal

Parceria TIN/Público

A Trust in News e o Público estabeleceram uma parceria para partilha de conteúdos informativos nos respetivos sites