Foto Pexels/Mikhail Nilov

Matamo-nos a arranjar companhia e atividades para os nossos filhos, mas nem todas as horas têm de ser ‘produtivas’. O tempo de não fazer nada também é educativo. E muito.

Mal eles fazem dois anos e já lhes arranjamos ‘encontros’ com amiguinhos (depois ficamos muito ofendidos porque eles não brincam uns com os outros, sem saber que aos dois anos ninguém brinca com ninguém). E o carrossel aumenta de velocidade à medida que a criança cresce. Ele é festas de anos ao fim de semana, ele é ballet, futebol, natação, inglês, piano, para aproveitar todas as horas em que ele está acordado para o tornar mais bem adaptado à selva em que vivemos.
Muitas vezes, a febre das atividades acaba por corresponder, simplesmente, a ter um sítio onde deixar as crianças. “Na maioria das vezes, mãe e pai trabalham. Por outro lado, estamos a ter filhos cada vez mais tarde e são cada vez mais filhos únicos”, explica a terapeuta Eunice Neta. “Isso implica também a ausência dos avós, que moram longe ou não têm capacidade para dar o apoio necessário. Resultado: a rede de apoio diminuiu e os pais precisam de contar com a escola, o centro de estudos, as férias de verão, o futebol. Mas aos fins de semana a vida social das crianças não pode sobrepor-se à vida social dos pais.”

Muitas vezes, a dedicação das mães às atividades das crianças corresponde àquilo a que em terapia familiar chamam uma crise previsível: “Os filhos vão servir de escape para uma relação de casal que não está a funcionar. Um dia, as crianças já não precisam dos pais e as pessoas veem-se a braços com uma relação moribunda porque durante anos se investiram exclusivamente nos filhos.”

OS PAIS NÃO SÃO ATLs

Outras vezes, sentimo-nos más mães porque as crianças não estão no futebol ou na música, como as outras. “Acreditamos que temos de preencher cada bocadinho da vida dos filhos”, nota a americana Kathy Pasek, autora do livro ‘Einstein Nunca usou Flashcards’ e professora na Temple University, em Filadélfia. Os pais querem dar aos filhos todas as vantagens que podem, sem perceber que muitas vezes isso não é o melhor que podem fazer por eles.” Ou seja: daqui a uns anos, vão ter um excelente pianista que não faz ideia de quem é, não aguenta dois minutos sozinho e nunca aprendeu a arte de conversar consigo mesmo.
Claro que não é uma classe de ballet ou de futebol que vai causar um curto-circuito na cabeça das crianças, e as atividades são úteis para as crianças se sentirem orgulhosas daquilo que podem conseguir. O importante é encontrar um equilíbrio e lembrar que os pais não são ATLs e não têm de andar sempre a inventar coisas para distrair os miúdos.

“Existe muita pressão social para termos crianças perfeitas, mas não existem supercrianças e também não existem crianças índigo”, (risos) lembra Eunice Neta. “Em primeiro lugar, as crianças não têm de fazer todas a mesma atividade porque não são todas iguais, em segundo, muitas destas atividades são altamente competitivas. As crianças precisam de tempo e espaço para serem espontâneas e explorarem o mundo.”

PARA QUE SERVE O TEMPO QUE NÃO SERVE PARA NADA

Portanto, se uma tarde ele não tiver nada que fazer, não se angustie: deixe-o aborrecer-se à grande e à portuguesa sem correr em seu auxílio.
“Existe o mito de que não fazer nada é uma perda de tempo, quando de facto é imensamente produtivo”, nota Kathy Pasek. “Nas horas ‘vazias’, as crianças exploram o mundo ao seu ritmo, descobrem interesses pessoais e desenvolvem ferramentas mentais que as ajudam a perceber como se tornarem felizes, como lidar com problemas, como levar a sua vida avante.” Ou seja, são obrigadas a puxar pela cabeça em vez de terem tudo pré-programado.
“Se nunca estamos sozinhos, não descobrimos quem somos”, explica Eunice. “Não temos tempo para construir a nossa identidade, para formular perguntas na nossa cabeça, para desenvolvermos essa qualidade tão importante que é a paciência e o não ter tudo já. Por isso é que muitas crianças começam a estar stressadas: porque os adultos também andam em stresse, e porque elas não têm tempo para descontrair e para aprender a entreter-se sozinhas.”

HÁ MUNDO PARA LÁ DOS GADGETS

Deixar uma criança ‘à solta’ no nosso mundo implica, na maioria das vezes, que ela se afunde em atividades eletrónicas. A nossa sociedade está a criar uma geração viciada em ecrãs, e a palavra vício não é usada metaforicamente. Os ipads, iphones e computadores estão pensados de maneira a produzir dopamina no cérebro, o que os torna tão viciantes que tudo o resto por comparação é aborrecido.” “Brincar com gadgets dos adultos é um absurdo”, nota Eunice Neta. “É mais importante uma criança ter uma tarefa doméstica do que ensiná-la a mexer num telemóvel, coisa que vai aprender mais tarde ou mais cedo. Antes disso, precisa de aprender a tomar banho, a vestir-se sozinha, a ajudar em casa de maneira a que a vida em família seja um verdadeiro trabalho de equipa em vez de serem os reis da casa. Isso é muito mais importante do que estar ao computador.”
Se ele se queixa de aborrecimento, dê-lhe atenção: ele pode simplesmente precisar de mais mimo e mais tempo a dois antes de ser deixado a um.
Que quer fazer hoje? Passar o dia todo de pijama, comer piza e ver filmes? Andar de bicicleta, visitar a avó? Ir à praia ver o pôr-do-sol antes de jantar? Tempo não programado em família é importante: “É melhor levar os miúdos ao parque e deixá-los brincar com os outros, sem grande supervisão, do que ir para o centro comercial”, nota Eunice. “As crianças precisam de andar à vontade, precisam de se constipar, de se sujar, de comer porcarias da rua, de apanhar coisas e comer coisas, até porque senão nunca vão saber que não o devem fazer.
A infância é uma fase mágica: descubram-na com eles.” E deixem que descubram sozinhos.
Quando o ‘depósito do amor’ estiver cheio, deixe-o entregue a si próprio (enfim, não o deixe sozinho em casa…). Ele descobrirá o que fazer (de preferência sem computadores nem telefones nem tablets).
E se ele se aborrecer uma ou outra tarde, lembre-se: o aborrecimento é altamente educativo.

S.O.S. ABORRECIDOS

Já não sabem que mais fazer? Invente um ‘jarro do aborrecimento’ e encha-o de papelinhos com ideias: fazer um jornal com palavras recortadas, puzzles, escrever uma carta ao Presidente; pôr música e dançar, mascarar-se de lobo/ rei/índio/princesa, fazer um vestido para a boneca, escrever um diário, aprender a tricotar, desenhar o retrato do gato…
Dê-lhe atenção durante algum tempo, dê-lhe algumas sugestões para se entreter e depois deixe-o entreter-se sozinho. De preferência sem gadgets.

Palavras-chave

Relacionados

Mais no portal

Mais Notícias

Roupa em segunda mão: As novas lojas de Lisboa e do Porto

Roupa em segunda mão: As novas lojas de Lisboa e do Porto

Miranda Sarmento: “Não é difícil pôr a economia portuguesa a crescer acima de 3%”

Miranda Sarmento: “Não é difícil pôr a economia portuguesa a crescer acima de 3%”

Mary Jane - de onde vêm e como usar estes sapatos

Mary Jane - de onde vêm e como usar estes sapatos

Francisco Assis: “O PS é um partido que valoriza a iniciativa privada, mas não vê o Estado como um empecilho”

Francisco Assis: “O PS é um partido que valoriza a iniciativa privada, mas não vê o Estado como um empecilho”

Vídeo mostra evolução da construção da cidade futurista The Line, na Arábia Saudita

Vídeo mostra evolução da construção da cidade futurista The Line, na Arábia Saudita

Georgina Rodríguez leva os filhos à Disneyland e derrete fãs

Georgina Rodríguez leva os filhos à Disneyland e derrete fãs

Logitech G Astro A50 X em análise: Tudo em um

Logitech G Astro A50 X em análise: Tudo em um

Romeo Beckham e Mia Reagan separados ao fim de cinco anos

Romeo Beckham e Mia Reagan separados ao fim de cinco anos

Esplanada, comida asiática e preços democráticos no Street Chow

Esplanada, comida asiática e preços democráticos no Street Chow

Celebridades assistem ao regresso da Dior aos anos 60

Celebridades assistem ao regresso da Dior aos anos 60

Bernardo Sousa explica tudo sobre amizade com Francisco Monteiro

Bernardo Sousa explica tudo sobre amizade com Francisco Monteiro

Conforto e muita luz, num apartamento em São Paulo, Brasil

Conforto e muita luz, num apartamento em São Paulo, Brasil

Exame Informática nº 344, março

Exame Informática nº 344, março

Em Lamaçães, a campanha faz-se com muita música!

Em Lamaçães, a campanha faz-se com muita música!

A Interdecoração está de volta à Exponor

A Interdecoração está de volta à Exponor

Desporto: 20 artigos para suar com estilo

Desporto: 20 artigos para suar com estilo

BE diz que Montenegro tem precisado de esconder candidatos da AD com ideias do Chega

BE diz que Montenegro tem precisado de esconder candidatos da AD com ideias do Chega

Kelly Bailey comenta a aquisição da nova habitação milionária: “Precisávamos de uma casa maior”. Veja as imagens!

Kelly Bailey comenta a aquisição da nova habitação milionária: “Precisávamos de uma casa maior”. Veja as imagens!

Observação de aves dinamiza turismo na pequena ilha do Corvo

Observação de aves dinamiza turismo na pequena ilha do Corvo

Black Trumpet: no reino encantado dos cogumelos

Black Trumpet: no reino encantado dos cogumelos

Giorgio Armani propõe veludo, flores e infuências orientais para o próximo inverno

Giorgio Armani propõe veludo, flores e infuências orientais para o próximo inverno

Quinta da Pacheca cinco estrelas. O luxo das coisas simples

Quinta da Pacheca cinco estrelas. O luxo das coisas simples

Celebridades rendem-se às transparências no desfile de Saint Laurent

Celebridades rendem-se às transparências no desfile de Saint Laurent

Dos idos de Março 62 às eleições de Março 24

Dos idos de Março 62 às eleições de Março 24

Apartamento em Cascais: sobriedade contemporânea

Apartamento em Cascais: sobriedade contemporânea

Alessandra Ambrósio usa camisola de futebol na Semana da Moda de Paris

Alessandra Ambrósio usa camisola de futebol na Semana da Moda de Paris

Lisboa através dos tempos na VISÃO História

Lisboa através dos tempos na VISÃO História

Crimes e detenções da PSP por causa do ambiente duplicaram em 2023 face a 2022

Crimes e detenções da PSP por causa do ambiente duplicaram em 2023 face a 2022

Os lugares desta História, com Isabel Stilwell: Filipe I de Portugal, por fim

Os lugares desta História, com Isabel Stilwell: Filipe I de Portugal, por fim

Alimentos ultraprocessados ligados a 32 efeitos negativos na saúde

Alimentos ultraprocessados ligados a 32 efeitos negativos na saúde

A transformação no segmento do Renting & Frotas

A transformação no segmento do Renting & Frotas

As Revoluções Francesas na VISÃO História

As Revoluções Francesas na VISÃO História

Apple descarta projeto de desenvolvimento de carro elétrico

Apple descarta projeto de desenvolvimento de carro elétrico

Tempos de Antena ‘Miúdos a Votos’: ‘O Principezinho’

Tempos de Antena ‘Miúdos a Votos’: ‘O Principezinho’

Tempos de Antena ‘Miúdos a Votos’: ‘Gravity Falls - Diário 3’

Tempos de Antena ‘Miúdos a Votos’: ‘Gravity Falls - Diário 3’

J. L. Barreto Guimarães, Poesia para médicos

J. L. Barreto Guimarães, Poesia para médicos

Meo oferece melhor preço do mercado na compra do excedente de energia

Meo oferece melhor preço do mercado na compra do excedente de energia

Poesia e estranheza

Poesia e estranheza

Passo a passo para pedir baixa na aplicação do SNS24

Passo a passo para pedir baixa na aplicação do SNS24

VOLT Live: como aumentar a competitividade e concorrência no mercado do carregamento de veículos elétricos

VOLT Live: como aumentar a competitividade e concorrência no mercado do carregamento de veículos elétricos

O luxo da viagem de Georgina com os filhos

O luxo da viagem de Georgina com os filhos

Venha conhecer o BYD Seal U

Venha conhecer o BYD Seal U

Sobe para 12 número de casos de sarampo em Portugal desde 11 de janeiro

Sobe para 12 número de casos de sarampo em Portugal desde 11 de janeiro

VISÃO SE7E: Entre vinhas renascidas, jantares com cariz social e compras sustentáveis

VISÃO SE7E: Entre vinhas renascidas, jantares com cariz social e compras sustentáveis

Quinta da Pacheca cinco estrelas. O luxo das coisas simples

Quinta da Pacheca cinco estrelas. O luxo das coisas simples

Parceria TIN/Público

A Trust in News e o Público estabeleceram uma parceria para partilha de conteúdos informativos nos respetivos sites