Estas quatro mulheres são a prova de que o que não nos mata torna-nos realmente mais fortes. Cancro, desemprego, infertilidade e divórcio puxaram-nas para baixo mas elas não se deixaram afundar.

“O humor tem sido o meu grande aliado contra o cancro”
Ana, 48 anos, descobriu que tinha cancro de mama numa mamografia de rotina e submeteu-se a uma mastectomia.

“Ao princípio, o choque. O resultado da biopsia era positivo: tinha cancro de mama. A seguir, um remoinho de emoções estranhas, o medo à mistura, e uma vontade imensa de lutar. Instinto de sobrevivência? Acredito que sim. É verdade que o diagnóstico ‘favorável’ detetado numa mamografia de rotina, o tumor era pequeno, bem diferenciado e sensível ao estrogénio e progesterona alçou o estado de espírito e ajudou a ultrapassar de forma quase estoica análises e mais análises e outros exames com nomes assustadores, até à operação. Não ter de fazer rádio nem quimioterapia foi também importante. Mas tem sido o humor o grande aliado da minha condição de mastectomizada. Acreditando piamente que não adianta ter pena de mim própria, tento rir-me dos obstáculos e achar graça às situações, como comprar novos sutiãs, biquínis e T-shirts (com decotes menos ousados), ou comer sementes de linhaça ao pequeno-almoço. E, quando todos os dias o despertador do telemóvel toca à mesma hora, lembrando-me que tenho de tomar uma pastilha durante os próximos cinco anos, sinto-me sobretudo viva.”

“Perdi o emprego mas ganhei uma vida”
Teresa, 43 anos, ficou desempregada quando o projeto onde trabalhava há 10 anos chegou ao fim.


“Quando soube que o projeto iria acabar e o meu futuro próximo era ser mais um número entre os milhares de desempregados, fiquei naturalmente assustada. Ao longo de 23 anos de carreira nunca acreditei que isto me pudesse acontecer é daquelas coisas que achamos sempre que só acontecem aos outros. Mas a verdade é que só me considerei desempregada durante as primeiras duas semanas. A partir daí, fui aproveitando as oportunidades que foram surgindo e hoje sinto-me francamente melhor do que antes. O meu rendimento foi reduzido para 1/3 do que ganhava antes, mas sou mais feliz. Trabalho como freelancer e, apesar da instabilidade que esta ‘opção à força’ implica, percebi que se viver apenas um dia de cada vez, consigo sentir-me melhor que nunca. O meu trabalho é hoje mais diversificado e interessante, só tenho responsabilidade sobre o meu trabalho e não sobre uma equipa, como acontecia anteriormente, e posso gerir o meu tempo.
A minha vida é completamente diferente. Na maioria dos dias, trabalho mais do que antes, mas posso ir buscar o meu filho à escola, fazer um bolo a meio da tarde, e alimento-me melhor e tenho muito menos stress. Acho que perdi um emprego mas ganhei uma vida, ainda que tenha muito menos dinheiro para gastar.”

“A infertilidade não é o fim do mundo”
Patrícia, 40 anos, esteve mais de 10 anos à espera de uma gravidez que nunca aconteceu. Tardou, mas finalmente o filho chegou pelo meio da adoção.

“Quando, depois de muita expectativa, ansiedade e desgosto, percebemos que estávamos perante a dificuldade de ter filhos biológicos, resolvemos, ao fim de 12 anos de casados, avançar com a adoção. No dia em que recebi a notícia que o meu filho já estava à minha espera, foi para mim uma alegria que não consigo descrever. Passou-se um mês – uma eternidade – até o vermos pela primeira vez. E a emoção foi maior quando nos chamou logo por Mãe e Pai! Foram três anos desde que metemos o processo até que o trouxemos para casa. E com toda esta espera aprendemos que o tempo ajuda a superar muita coisa; só temos é que não perder a esperança, pois para quase tudo na vida existe um remédio. Não ter um filho biológico não é, nem pouco mais ou menos, o fim do mundo, pelo contrário: acolhermos uma criança que não foi gerada por nós e que ficou privada nos primeiros anos de vida, do carinho e amor dos pais torna-nos mais afetivos, sensíveis e, acima de tudo, mais completos! Hoje agradeço a Deus todos os dias pelo filho que nos deu, é o filho que sempre desejámos.”

“O divórcio não foi o fim, foi um começo”
Tatiana, 43 anos, ganhou uma nova vida quando, ao fim de nove anos de casada, o marido decidiu que queria ser feliz… com outra pessoa.

“Primeiro, o medo de não ter dinheiro suficiente para sustentar a casa, para as necessidades básicas dos filhos, de perder os amigos (os nossos amigos eram os amigos dele), o receio da solidão… Aos poucos, comecei a dar valor ao facto de ter tempo para mim, um fim de semana de 15 em 15 dias e uma noite por semana sem filhos. Comecei a ouvir música clássica e jazz, que o meu ex-marido odiava, tinha tempo para fazer uma máscara ao cabelo, ler, ir ao Facebook e fazia programas sozinha: ia ao cinema, a exposições de pintura, recitais, ao ginásio, uma série de interesses que tinha antes de me casar e que perdi em prol de um ‘bom casamento’… Isto é, anulei-me durante os nove anos em que estivemos casados e não tinha consciência disso.
Precisava urgentemente de fazer amigos novos. Participei em vários workshops para elevar a minha auto-estima e senti a necessidade de fazer amizade com outras mulheres. No final do primeiro ano, tinha mais dez amigas novas, jantávamos juntas à quarta-feira (o dia das mães divorciadas), íamos a festas, ao teatro, a mais workshops, havia sempre programa…descobri que as mulheres são mais solidárias e amigas do que a fama que nos persegue. Quando, um ano depois, o meu ex quis voltar, tinha deixado de gostar dele e não quis abdicar das minhas conquistas, tinha construído uma vida nova onde já não havia espaço para ele.”

Palavras-chave

Relacionados

Mais no portal

Mais Notícias

Em “Senhora do Mar”: Joana perdoa Manuel por a ter traído

Em “Senhora do Mar”: Joana perdoa Manuel por a ter traído

Famosos brilham na reabertura de loja de luxo em Cascais

Famosos brilham na reabertura de loja de luxo em Cascais

25 concertos para cantar Abril

25 concertos para cantar Abril

João Abel Manta, artista em revolução

João Abel Manta, artista em revolução

Celebrar a Liberdade no imenso palco do Festival Dias da Dança

Celebrar a Liberdade no imenso palco do Festival Dias da Dança

Portugal visto pelos estrangeiros

Portugal visto pelos estrangeiros

Revelado o destino de lua-de-mel de Dânia Neto

Revelado o destino de lua-de-mel de Dânia Neto

Estivemos no Oeiras Eco-Rally ao volante de dois Peugeot (e vencemos uma etapa)

Estivemos no Oeiras Eco-Rally ao volante de dois Peugeot (e vencemos uma etapa)

25 imagens icónicas do momento que mudou o País

25 imagens icónicas do momento que mudou o País

Parcerias criativas, quando a arte chega à casa

Parcerias criativas, quando a arte chega à casa

Luísa Beirão: “Há dez anos que faço programas de ‘detox’”

Luísa Beirão: “Há dez anos que faço programas de ‘detox’”

Capitão Salgueiro Maia

Capitão Salgueiro Maia

Sebastião Bugalho é o cabeça de lista da AD às europeias

Sebastião Bugalho é o cabeça de lista da AD às europeias

Os nomes estranhos das fobias ainda mais estranhas

Os nomes estranhos das fobias ainda mais estranhas

Casas sim, barracas não. Quando o pai de Marcelo Rebelo de Sousa ajudou os ocupantes do Bairro do Bom Sucesso

Casas sim, barracas não. Quando o pai de Marcelo Rebelo de Sousa ajudou os ocupantes do Bairro do Bom Sucesso

Lisboa através dos tempos na VISÃO História

Lisboa através dos tempos na VISÃO História

Caras Decoração: escolhas conscientes para uma casa mais sustentável

Caras Decoração: escolhas conscientes para uma casa mais sustentável

Sonos lançar uma aplicação “totalmente renovada”

Sonos lançar uma aplicação “totalmente renovada”

Ensaio ao Renault Scenic E-Tech, o elétrico com autonomia superior a 600 km

Ensaio ao Renault Scenic E-Tech, o elétrico com autonomia superior a 600 km

Corsair M75 Wireless: 29 gramas fazem a diferença?

Corsair M75 Wireless: 29 gramas fazem a diferença?

Amazon já ‘emprega’ 750 mil robôs. E tem menos 100 mil trabalhadores humanos

Amazon já ‘emprega’ 750 mil robôs. E tem menos 100 mil trabalhadores humanos

Duas em cada cinco mulheres dizem que prescindiam de um ano de vida para alcançar o corpo ou a aparência ideal

Duas em cada cinco mulheres dizem que prescindiam de um ano de vida para alcançar o corpo ou a aparência ideal

Supremo rejeita recurso da Ordem dos Enfermeiros para tentar levar juíza a julgamento

Supremo rejeita recurso da Ordem dos Enfermeiros para tentar levar juíza a julgamento

Teste em vídeo ao Volkswagen ID.7 Pro

Teste em vídeo ao Volkswagen ID.7 Pro

A gestão aos gestores

A gestão aos gestores

Rir é com ela!

Rir é com ela!

Passatempo: ganha convites para 'A Grande Viagem 2: Entrega Especial'

Passatempo: ganha convites para 'A Grande Viagem 2: Entrega Especial'

25 peças para receber a primavera em casa

25 peças para receber a primavera em casa

As férias de Georgina e Cristiano Ronaldo com os filhos

As férias de Georgina e Cristiano Ronaldo com os filhos

Tempo de espera para rede de cuidados continuados aumentou em 2022

Tempo de espera para rede de cuidados continuados aumentou em 2022

Fed e BCE em direções opostas?

Fed e BCE em direções opostas?

Charlene e Alberto do Mónaco apadrinham torneio de

Charlene e Alberto do Mónaco apadrinham torneio de "rugby"

Regantes de Campilhas querem reforçar abastecimento de água e modernizar bloco de rega

Regantes de Campilhas querem reforçar abastecimento de água e modernizar bloco de rega

Zendaya surpreende com visual ousado

Zendaya surpreende com visual ousado

Dânia Neto abre o álbum de casamento:

Dânia Neto abre o álbum de casamento: "Bolha de amor"

Exame Informática TV nº 859: Veja dois portáteis 'loucos' e dois carros elétricos em ação

Exame Informática TV nº 859: Veja dois portáteis 'loucos' e dois carros elétricos em ação

Chief Innovation Officer? E por que não Chief Future Officer?

Chief Innovation Officer? E por que não Chief Future Officer?

GNR apreende 42 quilos de meixão em ação de fiscalização rodoviária em Leiria

GNR apreende 42 quilos de meixão em ação de fiscalização rodoviária em Leiria

A reinvenção das imagens

A reinvenção das imagens

Tarifário da água no Algarve abaixo da média nacional é erro crasso -- ex-presidente da APA

Tarifário da água no Algarve abaixo da média nacional é erro crasso -- ex-presidente da APA

Conheça os ténis preferidos da Família Real espanhola produzidos por artesãs portuguesas

Conheça os ténis preferidos da Família Real espanhola produzidos por artesãs portuguesas

Ordem dos Médicos vai entregar a ministra

Ordem dos Médicos vai entregar a ministra "seis prioridades para próximos 60 dias"

Antù: Um lugar aberto a várias artes no Porto

Antù: Um lugar aberto a várias artes no Porto

40 empresas portuguesas marcam presença na 62ª edição do Salão do Móvel de Milão

40 empresas portuguesas marcam presença na 62ª edição do Salão do Móvel de Milão

Quis Saber Quem Sou: Será que

Quis Saber Quem Sou: Será que "ainda somos os mesmos e vivemos como os nossos pais?"

Parceria TIN/Público

A Trust in News e o Público estabeleceram uma parceria para partilha de conteúdos informativos nos respetivos sites