Getty

Foi em Paris, no evento internacional Green Beauty Garnier, dedicado à sustentabilidade, que a Garnier lançou o debate, num painel que reuniu vários nomes reconhecidos mundialmente pela voz (e não só) ativa que têm nestas matérias: Sébastien Bohler, neurocientista, Joycelyn Longdon, ativista ambiental, Michelle Thew, CEO da Cruelty Free International, e Andrew Almack, fundador da Plastics for Change. Moderada pela atriz, empresária e ativista ambiental Stephanie Suganami Shepherd, a conversa contou ainda com o testemunho de Adrien Koskas, Garnier Global President, e abordou questões como a mudança de hábitos, a confiança dos consumidores, o fenómeno greenwashing, a educação ambiental, entre muitas outras. Aqui ficam os principais contributos dos oradores.

Sébastien Bohler, neurocientista

Sébastien Bohler, à esquerda

“O cérebro humano é muito poderoso. Há uma zona específica do nosso cérebro que nos permite visionar o futuro e estar conscientes das consequências do que fazemos agora. É uma parte inteligente do nosso cérebro. Mas há uma outra parte, muito mais antiga, que surgiu há milhares de anos, que guia as nossas ações do dia a dia, dá-nos motivação para agir e recompensa-nos com prazer, com uma molécula chamada dopamina, cada vez que agimos de determinadas maneiras. Os comportamento específicos que são recompensados com prazer e dopamina por este cérebro reptiliano são os que foram benéficos para a nossa sobrevivência no passado. Por isso, estamos conscientes dos problemas ambientais mas no nosso dia a dia procuramos prazer e dopamina, e a maior parte das vezes isso passa por minimizar os nossos esforços, não por mudar os nossos hábitos. É muito difícil sair desta lógica. Temos que encontrar truques para reeducar o nosso cérebro.

Ter mensagens educativas em campanhas de publicidade tem duas vantagens: mostrar como podemos alterar os nossos comportamentos e dar coragem às pessoas para iniciar essa mudança. É muito difícil agirmos para alterar um comportamento se sentirmos que estamos sozinhos, é muito mais fácil se sentirmos que outras pessoas estão igualmente a assumir esse compromisso.

Nós, humanos, somos todos colaboradores condicionais, ou seja, somos capazes de fazer imensos sacrifícios desde que tenhamos a garantia de que outras pessoas estão a fazer o mesmo.

Desejar mudar requer a libertação de dopamina e talvez se virmos pessoas que são consideradas bem sucedidas a reduzir o tempo do banho, por exemplo….. É por isso importante ter celebridades, influencers, envolvidos neste tipo de mensagens para fazer com que o nosso cérebro faça esse tipo de conexões. 

Outra região do nosso cérebro gera o sentimento de confiança, porque a confiança é a base das relações humanas e dos grupos sociais e o que permitiu aos humanos viverem juntos e sobreviverem em condições inóspitas durante séculos. O sentimento de confiança é gerado com base em ações passadas. Esta a razão pela qual as acções passadas contam. Para as grandes empresas o jogo é agora muito difícil, porque a suas ações passadas no que respeita à sustentabilidade são negativas. É preciso mudar isto, alterando as ações de uma forma repetida e confiável e isso não acontece do dia para a noite. É preciso tempo. Existe uma forma de acelerar esta mudança, talvez procurando a aprovação de pessoas que servem como uma espécie de garantia: pessoas em que confiamos, que têm uma reputação de honestidade e que podem testemunhar de que vale a pena confiar em determinada empresa.” 

Joycelyn Longdon, ativista ambiental

Joycelyn Longdon

“É preciso uma mudança cultural. O grupo de pessoas que estão associadas a uma identidade sustentável pode não corresponder às aspirações pessoais e à idealização de sucesso da maioria. E é preciso passar a mensagem de que a responsabilidade pela mudança é de todos nós.

É prejudicial quando as marcas fazem grandes promessas e aumentam as vendas com base nessas promessas, e na verdade não as cumprem. Os consumidores sentem-se traídos e isso compromete a boa vontade das pessoas – ou seja, sentem que tentaram fazer a coisa certa e não funcionou e que precisam de perder demasiado tempo a pesquisar para tomarem boas decisões. As empresas têm a responsabilidade de facilitar a vida aos consumidores. É importante que as marcas sejam transparentes. A confiança ganha-se com o tempo, não é instantânea, e as marcas têm de se comprometer a longo prazo, de mostrar de que não se trata apenas de uma moda.

A ideia é que as pessoas façam a escolha certa, mesmo aquelas que não sabem que a estão a fazer. Nem todas as pessoas se preocupam com o ambiente, mas não podemos esperar por elas para alterar comportamentos.

Se os produtos da Garnier se tornarem desejáveis, mesmo as pessoas que não percebem nada de sustentabilidade vão comprá-los e é aqui que as empresas desempenham um papel tão importante.”

Adrien Koskas, Garnier Global President

Adrien Koskas, ao centro

“É preciso fazer com que os produtos sustentáveis sejam mais desejados. As pessoas acham que por serem naturais não funcionam. Esse é um dos objetivos da Garnier: ter mais fórmulas naturais e sustentáveis, com um impacto melhor no planeta, mas sem comprometer a eficácia, a sensorialidade e o prazer.

As pessoas têm de continuar a desejar os produtos, a ficar feliz com eles, pelo que acrescentam às suas vidas mas também porque têm um impacto melhor no planeta. Isso é realmente o que nos motiva.

Outros dos pontos importantes é a amplificação da voz, precisamos de dizer às pessoas que é uma questão de consciência e quanto mais conseguirmos amplificar esta mensagem mais pessoas agirão. 

Podemos fazer sempre mais. O desafio é enorme e estabelecer uma relação de confiança com os consumidores é muito importante. Quando criámos o pioneiro sistema de avaliação de sustentabilidade na beleza, fizemo-lo com cientistas e de uma forma muito objetiva. Temos produtos com uma classificação A e B, temos produtos que são D e E. Assumimos isso perante os consumidores. Claro que o nosso objetivo é melhorar os produtos que são D e E, alterando as fórmulas e as embalagens. Todos os anos publicamos um relatório de sustentabilidade que é auditado por empresas independentes. Há coisas que conseguiremos fazer e outras que não. 

Avaliámos qual a maior parte da nossa pegada de carbono e apurámos que o nosso maior impacto está na fase de utilização dos nosso produtos, na quantidade de água necessária para fazer espuma e enxaguar. E foi por isso que desenvolvemos algumas novas mensagens como ‘um minuto a menos no duche traduz-se na poupança de 10 litros de água’. Todos ganham: ganhamos porque o impacto no planeta é menor e porque poupamos dinheiro – e hoje a inflação é algo muito presente na mente dos consumidores. Em muitos países, as pessoas esperam que as marcas tenham um papel mais importante na educação do que os governos.” 

Michelle Thew, CEO da Cruelty Free International

Michelle Thew

“Há duas décadas, quando comecei, era difícil ser-se ‘cruelty free’. Tínhamos de atravessar a cidade para ir a uma loja que tivesse esses produtos – e havia uma ou duas marcas a fazer o que estava certo. Tínhamos de decidir entre a marca que adorávamos e os valores que defendíamos.

Há 20 anos eu teria atravessado três cidades para comprar produtos ‘cruelty free’ mas reconheço que não sou a maioria das pessoas.

E agora todas as pessoas podem fazer essas escolhas no seu dia a dia. Trazer uma marca como a Garnier para este espaço, com um compromisso ‘cruelty free’, significa que, independentemente de onde fizermos as compras, podemos fazer as escolhas certas. 

Fundámos o programa Leaping Bunny para aumentar a confiança dos consumidores. As pessoas preocupam-se com os testes em animais e as empresas responderam com uma grande variedade de mensagen, nem todas credíveis. Já perdi a conta ao número de formas, tamanhos e cores dos coelhinhos que já vi nas embalagens desenhados pelas próprias marcas e que não têm significado. Para resolver esta confusão desenvolvemos este programa e já temos cerca de mil marcas a nível internacional. E goza de um grande nível de confiança porque requer trabalho. A Garnier, para ter a aprovação do programa, não teve apenas de declarar que não testa em animais. Trata-se de uma cadeia de fornecimento rigorosa. Pedimos para irem ao nível da matéria prima, para a Garnier isso significa rastrear cerca de 3 mil ingredientes, 500 fornecedores, isso leva muitos meses… E no que toca à transparência, significa estarem disponíveis para auditorias regulares. Dizemos às marcas para não declarem que nunca testaram em animais – porque a maioria fê-lo – mas para serem honestos relativamente ao caminho que querem fazer. 

A educação é crucial para o nosso trabalho. Fazemos imenso trabalho diretamente com os consumidores, para os educar relativamente às escolhas que podem fazer, e isso está a tornar-se cada vez mais fácil porque os consumidores têm agora mais alternativas. Mas isto não se limita às ações dos consumidores, nós como organização temos de amplificar estas vozes: levámos 8 milhões de vozes às Nações Unidas, como forma de pressão para uma resolução global para acabar com a testagem em animais nos cosméticos. E trabalhamos diretamente com as marcas. Há uma década, o debate sobre os testes em animais era visto como cidadãos e consumidores de um lado e marcas que faziam coisas horríveis aos animais do outro. Mas este diálogo mudou de forma fantástica e agora muito do nosso trabalho é trabalhar com grandes marcas, amplificar as suas vozes e as dos cidadãos. É importante educar os consumidores mas é também importante trabalhar com as marcas, com os governos e com instituições globais para implementar as mudanças, porque nem sempre a ação dos consumidores é suficiente.” 

Andrew Almack, fundador da Plastics for Change

Andrew Almack

É um pouco frustrante ver o impacto das alterações climáticas num país como a índia. O argumento do aquecimento global de 1,5 graus não está a ressoar na cabeça das pessoas.

Para mim o que é fonte de inspiração são os coletores de lixo, especialmente na Índia, onde 4 milhões de pessoas saem todos os dias para apanhar todo o tipo de resíduos plásticos – eles não estão a falhar nos seus objetivos de sustentabilidade! E fazem isto independentemente do cenário macroeconómico – se há uma recessão, uma guerra, covid. 

A Plastic for Change foi fundada com a missão de utilizar o desperdício plástico como recurso, para eliminar a pobreza e criar oportunidades de uma vida melhor. Ao ter um parceiro como a Garnier conseguimos ter uma cadeia de abastecimento completa e garantir a rastreabilidade. E vivemos numa era muito entusiasmante onde podemos aproveitar a tecnologia e rastrear através da transparência digital. 

A educação é muito importante e a ideia de uma parceria com a Garnier é poder aproveitar a voz da Garnier para agitar consciências. Especialmente no setor das ONG, onde o orçamento para marketing é tão reduzido… É importante aumentar a consciência do impacto dos coletores de lixo e do seu papel na economia circular – mais de 50% do plástico que entra na economia circular global vem dos coletores de lixo informais das economias emergentes – e é muito bom ver marcas como a Garnier a tornar isso mais visível.” 

Fotos: divulgação

Palavras-chave

Relacionados

Mais no portal

Mais Notícias

Vida lá fora: já tem o seu chapéu de sol?

Vida lá fora: já tem o seu chapéu de sol?

Quem é que estava na entrada e autorizou a menina a sair?

Quem é que estava na entrada e autorizou a menina a sair?

Louis Vuitton junta Roger Federer e Rafael Nadal nos Alpes Italianos

Louis Vuitton junta Roger Federer e Rafael Nadal nos Alpes Italianos

Cientistas identificam proteínas que podem ser sinal de desenvolvimento de cancro sete anos antes do diagnóstico

Cientistas identificam proteínas que podem ser sinal de desenvolvimento de cancro sete anos antes do diagnóstico

O fracasso da AIMA, a frustração dos imigrantes e a inércia do Governo

O fracasso da AIMA, a frustração dos imigrantes e a inércia do Governo

Planeta continuou a aquecer em abril apesar da diminuição do El Niño

Planeta continuou a aquecer em abril apesar da diminuição do El Niño

Blue Origin de Jeff Bezos volta ao Espaço após pausa de dois anos

Blue Origin de Jeff Bezos volta ao Espaço após pausa de dois anos

Cor e elegância marcam os

Cor e elegância marcam os "looks" do primeiro fim de semana de Cannes

Galeria privada: como transformar as paredes

Galeria privada: como transformar as paredes

NÃO ME MAGOAS MAIS

NÃO ME MAGOAS MAIS

Jl 1399

Jl 1399

VISÃO Se7e: À solta nos museus e no caos criativo de Pedro Cabrita Reis

VISÃO Se7e: À solta nos museus e no caos criativo de Pedro Cabrita Reis

Em “Senhora do Mar”: Teresa conta a Manuel que Rafael é filho deles

Em “Senhora do Mar”: Teresa conta a Manuel que Rafael é filho deles

As escolhas das celebridades na passadeira vermelha no segundo dia de Cannes

As escolhas das celebridades na passadeira vermelha no segundo dia de Cannes

“Ainda existe um problema de auto confiança das mulheres no mundo do trabalho”

“Ainda existe um problema de auto confiança das mulheres no mundo do trabalho”

Receita de Bolo de banana com cobertura de chocolate negro

Receita de Bolo de banana com cobertura de chocolate negro

"A Rússia e a China estão agora mais alinhadas do que em qualquer outro momento desde a década de 1950"

A Biblioteca de Autores Portuenses abriu numa escola onde todos podem entrar

A Biblioteca de Autores Portuenses abriu numa escola onde todos podem entrar

Tesla continua a dominar vendas de elétricos em Portugal

Tesla continua a dominar vendas de elétricos em Portugal

Quis Saber Quem Sou: Será que

Quis Saber Quem Sou: Será que "ainda somos os mesmos e vivemos como os nossos pais?"

14 ideias para fazer no Dia Internacional e Noite dos Museus

14 ideias para fazer no Dia Internacional e Noite dos Museus

Google Pixel 8a: ‘Económico’ sem ser o parente pobre

Google Pixel 8a: ‘Económico’ sem ser o parente pobre

Tarifário da água no Algarve abaixo da média nacional é erro crasso -- ex-presidente da APA

Tarifário da água no Algarve abaixo da média nacional é erro crasso -- ex-presidente da APA

De Zeca Afonso a Adriano Correia de Oliveira. O papel da música de intervenção na revolução de 1974

De Zeca Afonso a Adriano Correia de Oliveira. O papel da música de intervenção na revolução de 1974

André Villas-Boas, o aristocrata tímido que lidera o Futebol Clube do Porto

André Villas-Boas, o aristocrata tímido que lidera o Futebol Clube do Porto

“Eh Lá Fora!”

“Eh Lá Fora!”

Médico australiano livre de cancro no cérebro graças a tratamento inovador desenvolvido pelo próprio

Médico australiano livre de cancro no cérebro graças a tratamento inovador desenvolvido pelo próprio

Tâmara Castelo: divulgadas novas fotos do seu casamento

Tâmara Castelo: divulgadas novas fotos do seu casamento

Tesla volta aos cortes e avança com nova ronda de despedimentos

Tesla volta aos cortes e avança com nova ronda de despedimentos

OMS atualiza lista de bactérias que ameaçam saúde humana por resistirem aos antibióticos

OMS atualiza lista de bactérias que ameaçam saúde humana por resistirem aos antibióticos

VOLT Live: O estudo que prova que os 100% elétricos são a opção mais económica para as empresas

VOLT Live: O estudo que prova que os 100% elétricos são a opção mais económica para as empresas

Letizia e Felipe VI assinalam 20 anos de casamento com uma sessão de fotos em família

Letizia e Felipe VI assinalam 20 anos de casamento com uma sessão de fotos em família

25 peças para receber a primavera em casa

25 peças para receber a primavera em casa

GNR apreende 42 quilos de meixão em ação de fiscalização rodoviária em Leiria

GNR apreende 42 quilos de meixão em ação de fiscalização rodoviária em Leiria

Passatempo: ganha convites duplos para 'IF - Amigos Imaginários'

Passatempo: ganha convites duplos para 'IF - Amigos Imaginários'

Em “Senhora do Mar”: Joana impede que Abel espanque Pedro

Em “Senhora do Mar”: Joana impede que Abel espanque Pedro

Quartos: 5 novas camas para boas noites de sono

Quartos: 5 novas camas para boas noites de sono

Especialista acredita que desvendou o mistério da paisagem atrás de Mona Lisa

Especialista acredita que desvendou o mistério da paisagem atrás de Mona Lisa

A diversidade e a necessidade de “rebentar a bolha”

A diversidade e a necessidade de “rebentar a bolha”

15 de maio: Dia Internacional da Família

15 de maio: Dia Internacional da Família

Salgueiro Maia, o herói a contragosto

Salgueiro Maia, o herói a contragosto

“Big Brother”: A reação de Catarina Miranda à chegada de Francisco Monteiro à gala

“Big Brother”: A reação de Catarina Miranda à chegada de Francisco Monteiro à gala

Um novo estúdio em Lisboa para jantares, showcookings, apresentações de marcas, todo decorado em português

Um novo estúdio em Lisboa para jantares, showcookings, apresentações de marcas, todo decorado em português

G1 é um novo robô humanoide com vários truques (flexíveis) na manga

G1 é um novo robô humanoide com vários truques (flexíveis) na manga

O futuro começou esta noite. Como foi preparado o 25 de Abril

O futuro começou esta noite. Como foi preparado o 25 de Abril

Parceria TIN/Público

A Trust in News e o Público estabeleceram uma parceria para partilha de conteúdos informativos nos respetivos sites