Pela calada, ‘A breve vida das flores’ (Valérie Perrin, Presença) tem-se tornado um dos bestsellers do ano também em Portugal, repetindo o sucesso que tem feito por outras paragens. E se isto hoje em dia é dizer muito de um livro, quanto mais um livro que tem como protagonista a guarda de um cemitério numa aldeia francesa.

E perguntam vocês: o que é que pode acontecer de interessante à guarda de um cemitério numa aldeia francesa? Por fora, pouco. Por dentro, tanto que a certa altura ficamos com aquela sensação que temos em todos os bons livros, sejam passados numa aldeia francesa ou num castelo na Escócia, não há mais nada a dizer no mundo, escuso de ler mais livros.

Então, a história. Pronto, estamos outra vez mal porque não há maneira de vos contar a ‘história’ sem vos estragar a experiência com, como dizem os ingleses, ‘spoilers’ (literalmente ‘estragadores’). Se vos disser que é sobre a luta do amor contra a morte, também não angario muitos clientes. Portanto, o que é que vos posso dizer: Violette, 50 anos, um casamento disfuncional pelas costas e uma tragédia a que sobreviveu a muito custo, vive sozinha na sua casa ao pé das campas. Uma madrugada, bate-lhe à porta um homem com um pedido: deixar as cinzas da mãe na campa de um desconhecido.

O livro desdobra-se em passado e presente, entre o que perdemos e o que podemos ainda ganhar, entre o sofrimento e a recuperação, à medida que Violette reconstrói o puzzle da sua tragédia pessoal e percebe que talvez as coisas não se tenham passado como pensa e que tudo tenha sido muito diferente.

Sei que por esta altura estão vocês a pensar ‘olha outro resumo que não conta nada’ mas se lerem o livro vão agradecer-me por não vos ter contado mais. Basta dizer que é um dos livros mais bem escritos que nos tem chegado nos últimos tempos. Até entra uma velha portuguesa, que todos os verões oferece à protagonista mais uma boneca com traje típico (“E existem centenas de trajes típicos em Portugal” alarma-se Violette a certa altura), e que é responsável por uma das boas gargalhadas que damos ao longo do livro (não passamos o tempo todo a chorar, embora às vezes nos apeteça muito).

Boas notícias: é um livro redentor, no sentido em que, por muito que se tenha sofrido, e por muito que nada possa apagar a marca do sofrimento na nossa vida, nunca é tarde para ser feliz. E isso, nos tempos que correm, é redenção suficiente.

Picuinhice: quem traduziu o título do francês ‘Changer l’eau des fleurs’ podia pelo menos, se o original era pouco sugestivo, ter evitado a dupla cacofonia ‘ve-vi’ (breve-vida) ‘da-das’ (vida das), que soa tão tão mal. Porque não ‘A vida breve das flores’? Mas enfim. São picuinhices de leitora, mas quando se tem em mãos um livro tão poético não custava ser mais sensível a estas coisas. Agora vão ler e depois digam qualquer coisa.

‘A Breve vida das flores’ – Valérie Perrin, Ed. Presença, E19,90

Palavras-chave

Mais no portal

Mais Notícias

Uma turma com muita poesia

Uma turma com muita poesia

Beatrice Borromeo e Pierre Casiraghi, os príncipes de Cannes

Beatrice Borromeo e Pierre Casiraghi, os príncipes de Cannes

Salgueiro Maia, o herói a contragosto

Salgueiro Maia, o herói a contragosto

Vida lá fora: já tem o seu chapéu de sol?

Vida lá fora: já tem o seu chapéu de sol?

Auditoras falharam a identificar 75% dos colapsos de empresas

Auditoras falharam a identificar 75% dos colapsos de empresas

Quis Saber Quem Sou: Será que

Quis Saber Quem Sou: Será que "ainda somos os mesmos e vivemos como os nossos pais?"

Flashbacks e outras visões de futuro no novo projeto do agrupamento Sete Lágrimas

Flashbacks e outras visões de futuro no novo projeto do agrupamento Sete Lágrimas

Como identificar as vespas asiáticas - uma espécie perigosa para abelhas e humanos

Como identificar as vespas asiáticas - uma espécie perigosa para abelhas e humanos

A diversidade e a necessidade de “rebentar a bolha”

A diversidade e a necessidade de “rebentar a bolha”

Um novo estúdio em Lisboa para jantares, showcookings, apresentações de marcas, todo decorado em português

Um novo estúdio em Lisboa para jantares, showcookings, apresentações de marcas, todo decorado em português

As imagens da lua de mel de Inês e Paulo de “Casados à Primeira Vista”

As imagens da lua de mel de Inês e Paulo de “Casados à Primeira Vista”

"Casados à Primeira Vista": Inês confessa sobre Paulo: "Damos as mãos até hoje"

O segredo dos vasos decorativos

O segredo dos vasos decorativos

Há mar e mar, há ser e há proclamar

Há mar e mar, há ser e há proclamar

VISÃO Se7e: Terraços, brunches e outras farturas

VISÃO Se7e: Terraços, brunches e outras farturas

Desfile de famosos na festa Chopard em Cannes

Desfile de famosos na festa Chopard em Cannes

"Swifties": Até onde vão os maiores fãs de Taylor Swift em Portugal

O problema dos ultraprocessados consumidos por crianças entre os 3 e os 6 anos

O problema dos ultraprocessados consumidos por crianças entre os 3 e os 6 anos

Jl 1399

Jl 1399

De Zeca Afonso a Adriano Correia de Oliveira. O papel da música de intervenção na revolução de 1974

De Zeca Afonso a Adriano Correia de Oliveira. O papel da música de intervenção na revolução de 1974

15 de maio: Dia Internacional da Família

15 de maio: Dia Internacional da Família

Huawei MatePad Pro 13.2: fino e leve

Huawei MatePad Pro 13.2: fino e leve

Tarifário da água no Algarve abaixo da média nacional é erro crasso -- ex-presidente da APA

Tarifário da água no Algarve abaixo da média nacional é erro crasso -- ex-presidente da APA

Google quer ligar África e Austrália com um cabo submarino

Google quer ligar África e Austrália com um cabo submarino

Romantismo na passadeira vermelha de Cannes

Romantismo na passadeira vermelha de Cannes

Cupra Born VZ: 0 aos 100 km/h em 5,6 segundos

Cupra Born VZ: 0 aos 100 km/h em 5,6 segundos

Nasceu Olivia, a primeira filha de Gonçalo Paciência e Priscilla Tollini

Nasceu Olivia, a primeira filha de Gonçalo Paciência e Priscilla Tollini

Novo Dacia Spring já pode ser encomendado em Portugal

Novo Dacia Spring já pode ser encomendado em Portugal

VOLT Live: O estudo que prova que os 100% elétricos são a opção mais económica para as empresas

VOLT Live: O estudo que prova que os 100% elétricos são a opção mais económica para as empresas

Desfile de famosos na festa Chopard em Cannes

Desfile de famosos na festa Chopard em Cannes

O fracasso da AIMA, a frustração dos imigrantes e a inércia do Governo

O fracasso da AIMA, a frustração dos imigrantes e a inércia do Governo

Vencedores do passatempo 'IF - Amigos Imaginários'

Vencedores do passatempo 'IF - Amigos Imaginários'

Renata Andrade não larga Alexandre após expulsão do “Big Brother”

Renata Andrade não larga Alexandre após expulsão do “Big Brother”

Sede da PIDE, o último bastião do Estado Novo

Sede da PIDE, o último bastião do Estado Novo

GNR apreende 42 quilos de meixão em ação de fiscalização rodoviária em Leiria

GNR apreende 42 quilos de meixão em ação de fiscalização rodoviária em Leiria

Sete terraços para ir beber um copo e petiscar, de Lisboa a Cascais

Sete terraços para ir beber um copo e petiscar, de Lisboa a Cascais

Pigmentarium: perfumaria de nicho inspirada na herança cultural da República Checa

Pigmentarium: perfumaria de nicho inspirada na herança cultural da República Checa

Zendaya e Tom Holland de mãos dadas, em Londres

Zendaya e Tom Holland de mãos dadas, em Londres

Em Paris, um apartamento haussmaniano com paleta contemporânea

Em Paris, um apartamento haussmaniano com paleta contemporânea

Cientistas identificam proteínas que podem ser sinal de desenvolvimento de cancro sete anos antes do diagnóstico

Cientistas identificam proteínas que podem ser sinal de desenvolvimento de cancro sete anos antes do diagnóstico

xAI de Elon Musk quer tornar o chatbot Grok multimodal

xAI de Elon Musk quer tornar o chatbot Grok multimodal

No Porto, a Casa Armanda Passos mostra obras inéditas da artista

No Porto, a Casa Armanda Passos mostra obras inéditas da artista

As fotografias do Vietname de Paula Guimarães em mostra na Art Room

As fotografias do Vietname de Paula Guimarães em mostra na Art Room

20% das mortes por anafilaxia devem-se a picadas de insetos

20% das mortes por anafilaxia devem-se a picadas de insetos

Quem é que estava na entrada e autorizou a menina a sair?

Quem é que estava na entrada e autorizou a menina a sair?

Parceria TIN/Público

A Trust in News e o Público estabeleceram uma parceria para partilha de conteúdos informativos nos respetivos sites