@tanialibano

Quem tem fome tem pressa. E o flagelo é muito maior do que se pode imaginar.

De acordo com a agência Lusa, os portugueses usam cada vez mais as linhas de apoio em crise para relatar que não têm comida para pôr na mesa. Já o Banco Alimentar contra a Fome alerta para o facto de o surto de COVID-19 ter deixado muitas famílias que nunca tinham estado numa situação de pobreza em grandes dificuldades. 

Tânia Serrano, 30, não conseguiu ficar indiferente a esta realidade que conhece bem, por experiência própria. A organizadora de eventos passou oito anos fora de Portugal e viveu em diferentes países, incluindo Espanha, China, Inglaterra e, mais recentemente, a Indonésia. Esteve sempre muito ligada a causas sociais em todos eles, como voluntária. Em Bali, a empresa onde trabalhava foi à falência e deu por si sem dinheiro.

“Tive vergonha de pedir ajuda à minha família e, na altura, foram estranhos que me ajudaram”, conta-nos. “Eu sei perfeitamente o que é ter vergonha de pedir comida ou ter vergonha de pedir ajuda, porque custa-nos, às vezes, admitir que estamos a falhar”.

O regresso ao País coincidiu com o início do segundo confinamento. Sem oportunidades de trabalho na área de formação e inspirada pelo episódio vivido no Sudeste Asiático, Tânia decidiu ajudar os outros de alguma forma. Foi assim que nasceu a ideia de criar uma ação solidária para combater a fome das famílias portuguesas durante a pandemia.

Como foi o processo para dares vida a esta ideia? 

Foi tudo muito ao acaso. Eu já me tinha disponibilizado para ajudar pessoas em situações vulneráveis, através das redes sociais. Entretanto, reparei que um amigo estava a entregar bens alimentares a famílias e ofereci-me para ajudar. Ele ia entrar num reality show e eu acabei por ficar encarregue das entregas pendentes. A palavra passou de boca em boca e, de repente, tínhamos 46 pedidos e imensos donativos.

Qual é o balanço que fazes da primeira ação?

Foi incrível e, ao mesmo tempo, muito bonita. Recebi muita ajuda inesperada de amigos e familiares, e só consegui chegar a tanta gente por causa deles. Entreguei a maioria dos produtos alimentares na área da Grande Lisboa, mas também tinha amigos a mobilizarem-se em Bragança, em Viseu e no Porto. Em apenas quatro dias, conseguimos fazer chegar 22 cabazes a 33 famílias.

Entretanto, a ação escalou e, com essa ajuda preciosa de pessoas próximas, consegui fazer entregas em duas ocasiões a um total de 46 famílias. As coisas só acalmaram em meados de março passado, quando eu fiquei sem donativos.

O número de pedidos de ajuda que recebeste surpreendeu-te?

Bastante! Eu não estava à espera de receber as mensagens que recebi. Aliás, no segundo dia, eu só chorava. Recebi mensagens um bocado fortes com histórias de pessoas que não estavam a conseguir ajuda do Estado. Também percebi que as as associações não estavam a conseguir chegar a toda a gente, por conta do elevado número de pedidos.

Tenho a sorte de a minha mãe estar ligada à área da solidariedade social [Fátima Serrano, secretária-geral da Associação CrescerSer] e eu, pessoalmente, estou muito ligada ao Centro de Acolhimento Temporário Casa da Encosta. Foi através dessa casa que eu consegui ajuda com donativos e tornar esta ação mais credível. Foi uma ajuda enorme.

Sentes que ainda há muita vergonha em pedir ajuda?

Sim! Eu vi muitos casos de pessoas que até estavam bem e ficaram sem emprego. De repente, deixaram de conseguir dar aquilo a que estavam habituados aos filhos. É muito complicado aceitarem que estão nesta situação, especialmente com a pressão de não quererem mostrar aos filhos que estão a sofrer. 

Como é que a tua iniciativa se cruzou com o projeto #todasmerecemos?

Aconteceu em fevereiro passado. Na altura, fui contactada e conheci as pessoas por detrás deste projeto solidário, que é uma iniciativa das ativistas Joana Seixas, Joana Guerra Tadeu e Isabel Abreu e visa promover a vivência baseada em direitos e sustentabilidade da vida menstrual. A partir aí, surgiu a oportunidade de adicionarmos cabazes sustentáveis relacionados com este objetivo aos cabazes de comida. Neste momento, estou a tentar reunir donativos novamente para poder fazer uma nova ação solidária e acrescentar os cabazes doados pelo Todas Merecemos.

Como é que as pessoas podem contribuir?

Eu estou a apoiar-me muito na Casa da Encosta para receber donativos. As pessoas podem entregar bens alimentares – até preferimos assim – no centro de acolhimento ou, se assim o preferirem, também podem fazer uma transferência bancária diretamente para o NIB da Casa da Encosta.

Perante todas as dificuldades, qual é a tua motivação para continuares a fazer estas ações solidárias?

Eu não consigo ficar a olhar e dizer ‘temos de ajudar’; tenho de agir de alguma forma. Se eu sentir que posso fazer a diferença, por mais pequena que seja, vou tentar. Gostava de fazer mais pelo planeta e pelas pessoas, mas, neste momento, não consigo sozinha.

O que queres que as pessoas tenham em mente ao lerem este artigo?

Não sabemos o que se passa por detrás do sorriso de cada um e, obviamente, doar não é uma obrigação. As pessoas só devem ajudar se lhes fizer sentido e, por mais pequeno que seja o donativo, com certeza fará a diferença.

 

Palavras-chave

Mais no portal

Mais Notícias

Sede da PIDE, o último bastião do Estado Novo

Sede da PIDE, o último bastião do Estado Novo

As melhores imagens do NOS Alive 2024 para mais tarde recordar

As melhores imagens do NOS Alive 2024 para mais tarde recordar

'Táxi' voador movido a hidrogénio percorre mais de 800 quilómetros em voo de teste

'Táxi' voador movido a hidrogénio percorre mais de 800 quilómetros em voo de teste

25 peças para receber a primavera em casa

25 peças para receber a primavera em casa

15 festivais gastronómicos (para comer e beber bem) do Minho ao Algarve

15 festivais gastronómicos (para comer e beber bem) do Minho ao Algarve

Um dos sintomas de Covid-19 mais desvalorizado mas a que é preciso estar atento

Um dos sintomas de Covid-19 mais desvalorizado mas a que é preciso estar atento

VISÃO Júnior de junho de 2024

VISÃO Júnior de junho de 2024

Um novo estúdio em Lisboa para jantares, showcookings, apresentações de marcas, todo decorado em português

Um novo estúdio em Lisboa para jantares, showcookings, apresentações de marcas, todo decorado em português

Equipa do Técnico conquista segundo lugar em competição  de barcos elétricos

Equipa do Técnico conquista segundo lugar em competição de barcos elétricos

Ricardo de “Casados à Primeira Vista” conta os segredos da lua de Mel com Maria João

Ricardo de “Casados à Primeira Vista” conta os segredos da lua de Mel com Maria João

VOLT Live: vem aí um apoio europeu para a compra de veículos elétricos?

VOLT Live: vem aí um apoio europeu para a compra de veículos elétricos?

Ir a banhos: 10 piscinas de hotel para aproveitar o verão

Ir a banhos: 10 piscinas de hotel para aproveitar o verão

Kate Middleton recebida com ovação de pé em Wimbledon

Kate Middleton recebida com ovação de pé em Wimbledon

'Táxi' voador movido a hidrogénio percorre mais de 800 quilómetros em voo de teste

'Táxi' voador movido a hidrogénio percorre mais de 800 quilómetros em voo de teste

LG, Sony, TCL e Hisense: Testámos quatro televisores novos em folha

LG, Sony, TCL e Hisense: Testámos quatro televisores novos em folha

Sebastião da Gama - Carne e espírito na Arrábida

Sebastião da Gama - Carne e espírito na Arrábida

Meghan inspira-se no seu segundo vestido de casamento

Meghan inspira-se no seu segundo vestido de casamento

De Zeca Afonso a Adriano Correia de Oliveira. O papel da música de intervenção na revolução de 1974

De Zeca Afonso a Adriano Correia de Oliveira. O papel da música de intervenção na revolução de 1974

Albanês vivia há 11 anos em prédio de luxo em Lisboa. É um dos principais líderes da máfia dos Balcãs e tem uma pena por homicídio para cumprir em Itália

Albanês vivia há 11 anos em prédio de luxo em Lisboa. É um dos principais líderes da máfia dos Balcãs e tem uma pena por homicídio para cumprir em Itália

Eduardo antes de ser Lourenço

Eduardo antes de ser Lourenço

Canon renova linha de câmaras profissionais com EOS R1 e EOS R5 Mark II

Canon renova linha de câmaras profissionais com EOS R1 e EOS R5 Mark II

Em “A Promessa”: Tomás foge da clínica de reabilitação

Em “A Promessa”: Tomás foge da clínica de reabilitação

Mercado de smartphones cresce 6,5%. Samsung, Apple e Xiaomi estão à frente na 'corrida'

Mercado de smartphones cresce 6,5%. Samsung, Apple e Xiaomi estão à frente na 'corrida'

Homem do Leme: Artifícios

Homem do Leme: Artifícios

Cláudia Vieira fala-nos do seu visual festivaleiro

Cláudia Vieira fala-nos do seu visual festivaleiro

FARRA, em Elvas: Descobrir a cidade em 30 exposições

FARRA, em Elvas: Descobrir a cidade em 30 exposições

Portugal e a Lei de Restauro da Natureza

Portugal e a Lei de Restauro da Natureza

Doze anos depois, Leonor e Sofia de Espanha recriam momento histórico

Doze anos depois, Leonor e Sofia de Espanha recriam momento histórico

Solidão a longo prazo aumenta o risco de AVC, demonstra novo estudo

Solidão a longo prazo aumenta o risco de AVC, demonstra novo estudo

12 novas casas de banho funcionais, confortáveis e atraentes

12 novas casas de banho funcionais, confortáveis e atraentes

As subidas dos preços das casas explicadas em cinco gráficos

As subidas dos preços das casas explicadas em cinco gráficos

O futuro começou esta noite. Como foi preparado o 25 de Abril

O futuro começou esta noite. Como foi preparado o 25 de Abril

Biovance: primeiro fundo português de investimento em biotecnologia arranca com €51 milhões

Biovance: primeiro fundo português de investimento em biotecnologia arranca com €51 milhões

O visual roqueiro de Vanessa Oliveira no NOS Alive

O visual roqueiro de Vanessa Oliveira no NOS Alive

Teresa Guilherme defende Catarina Miranda e arrasa Cristina Ferreira:

Teresa Guilherme defende Catarina Miranda e arrasa Cristina Ferreira: "Não precisa ouvir isto da boca de uma apresentadora que não tem motivos para achar coisa nenhuma"

António Coutinho: “Não é uma transição energética. É uma revolução”

António Coutinho: “Não é uma transição energética. É uma revolução”

Cidades resilientes: a biodiversidade enquanto imperativo na era da crise climática

Cidades resilientes: a biodiversidade enquanto imperativo na era da crise climática

Pequeno satélite português já está no Espaço

Pequeno satélite português já está no Espaço

As férias paradisíacas de Fernanda Serrano na Sardenha, em Itália

As férias paradisíacas de Fernanda Serrano na Sardenha, em Itália

Pigmentarium: perfumaria de nicho inspirada na herança cultural da República Checa

Pigmentarium: perfumaria de nicho inspirada na herança cultural da República Checa

VISÃO Se7e: Passeios de barco e aquários para visitar em família 

VISÃO Se7e: Passeios de barco e aquários para visitar em família 

Depois dos Magnum, Unilever diz adeus às pessoas

Depois dos Magnum, Unilever diz adeus às pessoas

Quem disse que na casa de banho o papel de parede não entra?

Quem disse que na casa de banho o papel de parede não entra?

Medicamentos com semaglutido, como o Ozempic, que se popularizou para a perda de peso, associados a novo efeito secundário grave

Medicamentos com semaglutido, como o Ozempic, que se popularizou para a perda de peso, associados a novo efeito secundário grave

Os heróis portugueses que vão às Olimpíadas

Os heróis portugueses que vão às Olimpíadas

Parceria TIN/Público

A Trust in News e o Público estabeleceram uma parceria para partilha de conteúdos informativos nos respetivos sites