@endlesslyloveclub

Podemos manter-nos jovens de espírito e de corpo, mas infelizmente não podemos parar o avançar da idade, e esta é o factor de risco maior para doenças como a demência e Alzheimer. Aos 85 anos, e acima desta idade, cerca de um terço das pessoas apresenta sinais de demência. Há quem apresente sinais de demência ou Alzheimer logo aos 65 anos e isso significa que a doença começou a instalar-se 35 a 45 anos antes. “Geralmente, não pensamos na demência quando entramos na primavera da vida, mas devíamos, porque isso é de facto uma oportunidade assinalável”, refere Sanjay Gupta. Na verdade, qualquer idade é boa para começar a travar o declínio cognitivo e esse passo deve incidir sobretudo numa mudança de estilo de vida: acabar com o sedentarismo, o tabaco, a alimentação à base de açúcares e gorduras, o abuso de álcool, o isolamento social, noites em claro e falta de atividades mentalmente estimulantes. Para ter uma vida melhor, autónoma, uma mente lúcida durante muitos e longos anos deve dar prioridade aos 5 pilares da saúde cerebral: mexer-se, aprender, relaxar, alimentar-se bem e conviver. 

1. Praticar exercício físico. Deve estar no topo das suas prioridades porque está provado cientificamente que faz bem ao cérebro: ajuda a reparar as células cerebrais e mantém-nos alerta. Os cientistas estudaram vários atletas master – que começam a praticar exercício físico depois dos 35-40 anos – e concluíram que os benefícios são imensos, nunca é tarde para obter benefícios da prática desportiva. O ideal é combinar treinos aeróbios (caminhada vigorosa, por exemplo) com anaeróbios (treino de força), pelo menos 150 minutos por semana. Se tem um trabalho sedentário, levante-se e mexa-se 2 minutos a cada hora.

2. Manter atividades intelectualmente estimulantes. Pessoas que se reformam cedo e não ocupam o seu tempo com atividades desafiantes e que lhes deem prazer correm o risco não só de maior risco de demência como de ficarem com depressão. É por isso importante estimular o nosso cérebro de diferentes formas, seja a aprender xadrez, uma língua estrangeira, a cozinhar, a tocar um instrumento, uma nova técnica em artes plásticas, escrever a história da sua vida (não se importe se não merece o Nobel, o importante é esforçar-se por se lembrar e expressar aquilo que sente e viveu) e claro, ler livros. Fazer palavras cruzadas é bom, mas não é suficiente porque o cérebro tem de ser desafiado para criar a tal reserva cognitiva que nos vai manter lúcidas por mais tempo. Tente variar com outras atividades, seja sudoku, puzzles, aumentando o grau de dificuldade. O cérebro atinge a maturidade máxima aos 25 anos, mas atinge o pico em relação às várias capacidades cognitivas em diferentes idades. Independentemente da idade, existe (quase) sempre a possibilidade de melhorarmos em alguns aspetos, e “um caso extremo são as capacidades de vocabulário, que podem atingir o auge pelos 70 anos”, destaca o neurocirurgião.

3. Dormir bem. A falta crónica de horas de sono tem uma consequência grave: risco elevado de demência, depressão, problemas de aprendizagem e de memória, doença cardíaca, hipertensão, obesidade, diabetes e cancro. “O sono é a coisa mais eficaz para restaurar o cérebro e corpo. Contrariamente à crença popular, não é um estado de inatividade neural, é uma fase essencial que afeta todos os sistemas, do imunitário ao coração e metabolismo”.

4. Fazer uma alimentação saudável. Não seria de esperar outra coisa, não é? Também o nosso cérebro gosta é de comidinha cheia de vitaminas e sais minerais. Há estudos científicos que comprovam que se incluirmos no menu peixe, cereais integrais, vegetais frescos, frutos vermelhos, leguminosas, azeite, frutos secos e sementes, e excluirmos alimentos ricos em açúcar, gorduras saturadas e gorduras trans, podemos evitar o declínio da memória, proteger e potencializar o desempenho do cérebro. Não é à toa que chamam aos intestinos o segundo cérebro.

5. Ter vida social. Um tema que, desde o início da pandemia, é uma preocupação para os profissionais da saúde mental. Somos seres sociais, por isso precisamos de conviver uns com os outros. Um estudo de 2015 revela que “uma rede social diversificada pode melhorar a plasticidade do cérebro e ajudar a manter as capacidades cognitivas”, alerta Sanjay Gupta. Tente estar com pessoas que tenham interesses iguais aos seus, a fazer voluntariado com animais, a praticar um desporto, ou na militância política. O convívio e o sentimento de pertença são benéficos!

Excerto do artigo “Mente Sã e Cérebro São” da edição 375 da revista Activa.

Palavras-chave

Mais no portal

Mais Notícias

ATL para artistas

ATL para artistas

Sirius Aviation mostra eVTOL movido a hidrogénio líquido

Sirius Aviation mostra eVTOL movido a hidrogénio líquido

O futuro começou esta noite. Como foi preparado o 25 de Abril

O futuro começou esta noite. Como foi preparado o 25 de Abril

Num dos próximos quatro anos, o planeta deverá mesmo exceder 1,5ºC de aumento de temperatura

Num dos próximos quatro anos, o planeta deverá mesmo exceder 1,5ºC de aumento de temperatura

ESG Talks: “Temos de valorizar o ambiente e os ecossistemas”

ESG Talks: “Temos de valorizar o ambiente e os ecossistemas”

Em “A Promessa”: Helena e Tomás recusam-se a jantar com Miguel

Em “A Promessa”: Helena e Tomás recusam-se a jantar com Miguel

"O que é verdadeiramente desafiante é as marcas saberem o que leva as pessoas às lojas e o que funciona online". Leah Johns em entrevista

19 sítios para ver os jogos do Euro 2024 (e torcer pela Seleção Nacional)

19 sítios para ver os jogos do Euro 2024 (e torcer pela Seleção Nacional)

Em “A Promessa”: Laura e Maria descobrem que Nuno está à beira da morte

Em “A Promessa”: Laura e Maria descobrem que Nuno está à beira da morte

Desfile de chapéus reais nas corridas de cavalos de Ascot

Desfile de chapéus reais nas corridas de cavalos de Ascot

Família real da Bélgica celebra mais uma vitória no Europeu de 2024

Família real da Bélgica celebra mais uma vitória no Europeu de 2024

Kiwi contra um dos mais dolorosos efeitos secundários da quimioterapia. O

Kiwi contra um dos mais dolorosos efeitos secundários da quimioterapia. O "método inovador" criado por investigadores portugueses

Vencedores do passatempo 'Gru - O Maldisposto 4'

Vencedores do passatempo 'Gru - O Maldisposto 4'

Quem tinha mais poderes antes do 25 de Abril: o Presidente da República ou o Presidente do Conselho?

Quem tinha mais poderes antes do 25 de Abril: o Presidente da República ou o Presidente do Conselho?

Os ténis fabricados no Porto de que a rainha Letizia precisa depois da lesão no pé

Os ténis fabricados no Porto de que a rainha Letizia precisa depois da lesão no pé

Os festivais de verão

Os festivais de verão

Onde ficar em Lisboa: Torel Palace

Onde ficar em Lisboa: Torel Palace

Sirius Aviation mostra eVTOL movido a hidrogénio líquido

Sirius Aviation mostra eVTOL movido a hidrogénio líquido

Caras Decoração de junho: celebrar o bom tempo e a vida ao ar livre

Caras Decoração de junho: celebrar o bom tempo e a vida ao ar livre

A meio caminho entre o brioche e o folhado, assim são os protagonistas da Chez Croissant

A meio caminho entre o brioche e o folhado, assim são os protagonistas da Chez Croissant

Quis Saber Quem Sou: Será que

Quis Saber Quem Sou: Será que "ainda somos os mesmos e vivemos como os nossos pais?"

"O Amor Segundo Dalva": Um filme sobre crescer antes de tempo

Nova app MyHyundai até vai mostrar vídeos das intervenções técnicas

Nova app MyHyundai até vai mostrar vídeos das intervenções técnicas

Inster será o 100% elétrico mais acessível da Hyundai

Inster será o 100% elétrico mais acessível da Hyundai

Zona: Três mitos sobre esta doença que pode ser incapacitante

Zona: Três mitos sobre esta doença que pode ser incapacitante

Receita de Tarte de maçã sem glúten, por Fabiana Pragier

Receita de Tarte de maçã sem glúten, por Fabiana Pragier

Duarte Appleton e Vicente Gil: Dois jovens irreverentes atentos às tendências

Duarte Appleton e Vicente Gil: Dois jovens irreverentes atentos às tendências

Restrições ao consumo de água no Algarve vão ser aliviadas

Restrições ao consumo de água no Algarve vão ser aliviadas

Manuel morre em “Senhora do Mar” mas Afonso Pimentel promete voltar

Manuel morre em “Senhora do Mar” mas Afonso Pimentel promete voltar

Sede da PIDE, o último bastião do Estado Novo

Sede da PIDE, o último bastião do Estado Novo

João Paulo Esteves da Silva - O piano e todas as margens

João Paulo Esteves da Silva - O piano e todas as margens

ATL para desportistas e aventureiros

ATL para desportistas e aventureiros

ESG Talks: “Só temos um cenário: fazer aquilo que nos for possível”

ESG Talks: “Só temos um cenário: fazer aquilo que nos for possível”

Guia de essenciais de viagem para a sua pele

Guia de essenciais de viagem para a sua pele

Dar as boas-vindas ao verão

Dar as boas-vindas ao verão

Kia EV9 GT-Line AWD em testes: A referência nos grandes SUV

Kia EV9 GT-Line AWD em testes: A referência nos grandes SUV

IDC: 15% dos pagamentos internacionais serão liquidados em tempo real até 2026

IDC: 15% dos pagamentos internacionais serão liquidados em tempo real até 2026

ESG Talks:

ESG Talks: "Nós somos muito rápidos a criar legislação e depois pouco rápidos a operacionalizá-la"

Apple adia lançamento do seu sistema de IA na Europa

Apple adia lançamento do seu sistema de IA na Europa

Festivais de música erudita a não perder este mês

Festivais de música erudita a não perder este mês

Joana Vasconcelos: “Quando trabalho, o ritmo é intenso, sou imparável”

Joana Vasconcelos: “Quando trabalho, o ritmo é intenso, sou imparável”

São João: 12 ideias para celebrar a noite mais longa do Porto

São João: 12 ideias para celebrar a noite mais longa do Porto

Realeza e celebridades britânicas rendidas ao estilo floral, em Ascot

Realeza e celebridades britânicas rendidas ao estilo floral, em Ascot

Exposição solar: O problema dos UVA

Exposição solar: O problema dos UVA

Como somar vida aos anos

Como somar vida aos anos

Parceria TIN/Público

A Trust in News e o Público estabeleceram uma parceria para partilha de conteúdos informativos nos respetivos sites