Saiba mais sobre o mieloma múltiplo
Foto: Pexels/ SHVETS production

O mieloma múltiplo (MM) é uma doença maligna da medula óssea em que a célula afectada é o plasmócito, uma célula produzida pela medula óssea, pertencente à família dos linfócitos, responsáveis pela defesa do organismo através das imunoglobulinas. No MM há uma transformação maligna que leva à proliferação desordenada de um grupo desses plasmócitos, formando o que se designa por clone, que produzirá um determinado tipo de imunoglobulinas em excesso (a proteína monoclonal ou proteína M, que está presente nos doentes com MM).

A hiperproliferação destas células leva à infiltração da medula óssea e impede o desenvolvimento de outros elementos normais do sangue, inclusive, anticorpos normais. Esses plasmócitos anormais, também chamados de células do mieloma, podem por vezes formar um tumor único, no osso ou nas partes moles, designado por plasmocitoma solitário.

É uma doença pouco frequente. Surgem cerca de 3 novos casos/ano/100.000 habitantes no Ocidente. É a segunda neoplasia hematológica mais frequente e a incidência é cerca de 2 vezes superior na raça africana e menos frequente nos asiáticos. Em Portugal surgirão cerca de 500 a 700 novos casos em cada ano. A incidência é ligeiramente maior nos homens; é mais frequente a partir dos 60 anos, sendo a mediana de idade ao diagnóstico 69-70 anos, mas pode surgir em pessoas mais jovens.

A causa é desconhecida embora alguns estudos sugiram a obesidade e o excesso de peso como factores de risco. Existem algumas associações com certos produtos químicos ou elevadas doses de radiação. Não é uma doença hereditária mas estão descritos vários casos na mesma família, contudo; não sendo obrigatório estudar os familiares, será prudente que os familiares mais próximos façam pelo menos uma vez por ano uma electroforese das proteínas. Da mesma forma, também não é uma doença contagiosa.

Os tipos de mieloma são designados pela imunoglobulina monoclonal em presença: IgG, IgA, IgD, IgE e IgM, podendo a cadeia leve ser k ou λ. A evolução depende do tipo de imunoglobulina, das alterações genéticas e do estadio da doença.

Como acontece tudo isto, que efeito têm as células de mieloma? Para além deste efeito local na medula óssea, os plasmócitos produzem substâncias químicas (citocinas) que têm diversos efeitos, entre os quais a estimulação de células que reabsorvem o cálcio dos ossos (osteoclastos) e o bloqueio ou inibição das que regeneram o osso (osteoblastos), tornando os ossos mais frágeis e com maior probabilidade de fracturas ou de formação de lesões líticas.

Os ossos mais atingidos são o crânio, vértebras, costelas, bacia e ossos longos. As fracturas podem ser dolorosas e ao nível das vértebras podem comprimir e lesar os nervos, causando paralisia e/ou sensação de dormência. A perda de cálcio dos ossos leva ao seu aumento no sangue – hipercalcémia – que, em níveis muito elevados – pode conduzir a um agravamento da função renal e a alterações do estado de consciência.

O excesso de produção de cadeias leves livres (um dos componentes da proteína M) pode “entupir” o rim e levar a insuficiência renal, podendo esta ser assintomática, detectada apenas em análises ou, nos casos mais graves, levar a insuficiência renal com necessidade de hemodiálise. Em casos mais raros, a imunoglobulina produzida em excesso ou proteina M, pode tornar o sangue mais espesso, provocando alterações da circulação, particularmente a nível cerebral e cardíaco, hipertensão e lesões a nível do rim. Pode também causar lesões dos nervos periféricos – neuropatia – e alterações da coagulação.

O diagnóstico ocorre na grande maioria dos casos de forma acidental em análises de rotina, sendo o sintoma mais comum o cansaço devido à anemia, dores ósseas e quadros infeciosos frequentes como a pneumonia. Por vezes, o MM pode ser diagnosticado devido à ocorrência de fracturas espontâneas ou, mais raramente, pelo aparecimento de insuficiência renal súbita. Podem ainda surgir aumento da tensão arterial e insuficiência cardíaca, confusão mental ou alterações do comportamento no contexto da hiperviscosidade sanguínea. O envolvimento de nervos periféricos pode originar dor, diminuição da sensibilidade ou da força nos dedos das mãos e pés.

Depósitos de certos tipos de fragmentos de anticorpos nos rins ou outros orgãos podem levar à amiloidose, um distúrbio grave que pode surgir associado ao MM. Estas alterações clínicas constituem o chamado CRAB: C (cálcio aumentado), R (alterações renais), A (anemia), B (lesões ósseas, bone).

Apesar de se tratar de uma doença complexa, o diagnóstico inclui exames complementares de fácil acesso para um screening inicial. Todavia, o diagnóstico final deve ser aferido por um especialista em Hematologia com o apoio de outras especialidades pela multidisciplinaridade que a doença exige.

Além da história clínica completa, o diagnóstico passa pela realização de análises de sangue que incluam, além de um hemograma, função renal e cálcio; uma electroforese de proteínas, cadeias leves livres e imunofixação sérica que a ser positiva, confirma a existência de uma imunoglobulina monoclonal. Deverá ser realizada também uma urina de 24 horas com imunofixação urinária. Os exames de imagem são necessários para estudo das lesões ósseas para isso podem ser pedidos diferentes exames, como radiografias, TAC, PET ou ressonância magnética. O mielograma/biópsia óssea são exames invasivos que permitem quantificar a infiltração medular por plasmócitos anormais. Através destes exames é feito o estudo citogenético que dará o grau de risco da doença – alto risco ou risco standard – e, logo, o prognóstico.

Quanto ao tratamento, apesar de não existir nenhum tratamento que leve à cura prolongada, existem hoje múltiplas combinações terapêuticas de diferentes famílias farmacológicas, incluindo quimioterapia e anticorpos monoclonais e até as novas terapias celulares. O MM é actualmente uma doença oncológica com um comportamento de doença crónica, cuja história natural inclui períodos de resposta e recaida, exigindo diferentes terapêuticas ao longo da vida do doente. Estas terapêuticas são cada vez mais personalizadas, adaptando-se às características da doença mas também do doente com vista à sua sustentabilidade ao longo do tempo. Neste sentido, é importante perceber qual a reserva fisiológica do doente ou, se quisermos a matéria-prima a tratar, aferindo a sua condição cardiovascular, respiratória e, inclusive, os cuidados dentários previamente a qualquer tratamento.

Habitualmente a doença pode evoluir, desde uma fase sem sintomas, em que existe apenas aumento de uma imunoglobulina, que se designa gamapatia monoclonal de significado indeterminado (GMSI). Esta fase pode durar muitos anos, evoluindo, ou não, para a fase com sintomas de MM. Em alguns casos é detectada uma fase intermédia, com aumento dos plasmócitos e da proteína monoclonal, mas ainda sem sintomas – MM indolente ou smouldering. Os doentes com MM indolente não têm indicação terapêutica (tirando casos muito excepcionais). Trata-se de uma doença muito heterogénea: em alguns casos evolui muito lentamente, noutros pode ser mais agressivo e com várias complicações.

Os protocolos terapêuticos visam dois grandes grupos de doentes: elegíveis e não elegíveis para transplante de medula óssea, sendo que as combinações terapêuticas são também condicionadas por esta indicação de ser ou não transplantado. Até aos 65-70 anos – dependendo do estado geral do doente e das suas comorbilidades – pode ser proposta uma sequência de tratamentos que inclui 1 ou 2 transplantes autólogos de medula óssea.

Após alguns ciclos de tratamento prévio ao transplante, é realizada uma uma recolha de células estaminais através de uma veia do braço, capazes de reconstituir toda a medula óssea (aférese). Posteriormente, o doente é internado para ser feita uma quimioterapia de alta dose que eliminará muitos plasmócitos que possam ainda existir. Depois desta quimioterapia de alta dose, são dadas ao doente as células estaminais previamente colhidas, que reconstituirão toda a medula óssea. Enquanto a medula não está completamente reconstituída, o doente vai necessitar de transfusões e está mais sujeito a infeções. É um tratamento com uma mortalidade muito baixa, mas que só deve ser proposto a doentes sem comorbilidades importantes. O tratamento do plasmocitoma isolado é essencialmente com radioterapia.

A par de tudo isto, existe o tratamento de suporte e dos efeitos adversos: a dor, que deverá ser orientado pela Consulta da Dor; a anemia; as infeções; a insuficiência renal, que poderá passar pela diálise; a hipercalcémia e a neuropatia.

E se houver recaída ou não responder ao tratamento? Existem diversas alternativas de tratamento, com combinações diferentes de fármacos. Dependendo da qualidade da resposta do primeiro tratamento, do tempo livre de tratamento e das toxicidades das linhas terapêuticas já efectuadas, os medicamentos usados podem ser os mesmos ou diferentes. Nos últimos anos têm aparecido mais fármacos e mais combinações para o tratamento de MM que aumentaram a sobrevivência dos doentes em recaída. Recentemente, o tratamento com células CAR T e os fármacos biespecíficos com alvos moleculares muito precisos constituem as terapêuticas mais inovadoras, colocando cada vez mais a transplantação num lugar mais reservado.

Face à cronicidade da doença, é necessário não esquecer o suporte psicológico essencial aos doentes mas também cuidadores. Este poderá ser encontrado junto de profissionais de saúde treinados e familiarizados com as manifestações da doença mas também, junto das associações de doentes que têm um papel importantíssimo.

Os textos nesta secção refletem a opinião pessoal dos autores. Não representam a ACTIVA nem espelham o seu posicionamento editorial.

Palavras-chave

Relacionados

Mais no portal

Mais Notícias

Quando a cantiga foi uma arma

Quando a cantiga foi uma arma

Eco Rally Portugal: vitória para a dupla Michal Zdarsky e Jakub Nabelek

Eco Rally Portugal: vitória para a dupla Michal Zdarsky e Jakub Nabelek

Lugar reservado: seleção de 27 cadeiras e poltronas

Lugar reservado: seleção de 27 cadeiras e poltronas

Produção responsável a celebrar o Dia Mundial da Terra

Produção responsável a celebrar o Dia Mundial da Terra

A tua VISÃO Júnior de abril vale um bilhete para a Jumpyard!

A tua VISÃO Júnior de abril vale um bilhete para a Jumpyard!

O local na Noruega onde é

O local na Noruega onde é "proibido" morrer

A meio caminho entre o brioche e o folhado, assim são os protagonistas da Chez Croissant

A meio caminho entre o brioche e o folhado, assim são os protagonistas da Chez Croissant

No tempo em que havia Censura

No tempo em que havia Censura

Enfermeiros acusam ARS Norte de

Enfermeiros acusam ARS Norte de "mudar a meio do jogo" regras de concurso

Employer Branding: A chave para conquistar e reter talentos

Employer Branding: A chave para conquistar e reter talentos

As Revoluções Francesas na VISÃO História

As Revoluções Francesas na VISÃO História

Ventura foi o político com mais tempo de antena nas televisões em março. Esteve no ar mais 2h30 do que Montenegro

Ventura foi o político com mais tempo de antena nas televisões em março. Esteve no ar mais 2h30 do que Montenegro

Na estreia do seu novo filme, Zendaya surpreende na passadeira vermelha com vestido inspirado no ténis

Na estreia do seu novo filme, Zendaya surpreende na passadeira vermelha com vestido inspirado no ténis

Inspirados na Revolução: 30 sugestões para celebrar o 25 de Abril

Inspirados na Revolução: 30 sugestões para celebrar o 25 de Abril

Máxima dos Países Baixos recicla vestido pela terceira vez

Máxima dos Países Baixos recicla vestido pela terceira vez

Molas de cabelo: 15 versões do acessório-estrela da estação

Molas de cabelo: 15 versões do acessório-estrela da estação

Em “Cacau”: Vitória espanca Sal e cortam relações

Em “Cacau”: Vitória espanca Sal e cortam relações

iPhone 17 Pro já deverá ter processador de 2 nanómetros

iPhone 17 Pro já deverá ter processador de 2 nanómetros

Tesla introduz Model Y Long Range Tração traseira em Portugal

Tesla introduz Model Y Long Range Tração traseira em Portugal

Juan Vicente Piqueras, Caçador de instantes

Juan Vicente Piqueras, Caçador de instantes

Em “Cacau”: Tiago encontra Cacau depois de ela dar à luz e beija-a

Em “Cacau”: Tiago encontra Cacau depois de ela dar à luz e beija-a

25 imagens icónicas do momento que mudou o País

25 imagens icónicas do momento que mudou o País

“Juntos temos mais impacto”: conversa com Paz Braga

“Juntos temos mais impacto”: conversa com Paz Braga

Hotel Fortaleza do Guincho: Um clássico renovado

Hotel Fortaleza do Guincho: Um clássico renovado

Exame Informática TV nº 859: Veja dois portáteis 'loucos' e dois carros elétricos em ação

Exame Informática TV nº 859: Veja dois portáteis 'loucos' e dois carros elétricos em ação

Letizia estreia fato oversize em coral

Letizia estreia fato oversize em coral

Lucros das empresas da bolsa portuguesa saltam para níveis recorde

Lucros das empresas da bolsa portuguesa saltam para níveis recorde

Só na região Norte há 300 lobos ibéricos, um

Só na região Norte há 300 lobos ibéricos, um "predador de topo" - ICNF

Lisboa através dos tempos na VISÃO História

Lisboa através dos tempos na VISÃO História

Inspire-se no

Inspire-se no "look" de Maria Cerqueira Gomes

O reencontro emotivo de Joana e Judite em “Senhora do Mar”

O reencontro emotivo de Joana e Judite em “Senhora do Mar”

Especialista em linguagem corporal analisa evolução do relacionamento de William e Kate

Especialista em linguagem corporal analisa evolução do relacionamento de William e Kate

Artur Jorge: o exercício físico da poesia

Artur Jorge: o exercício físico da poesia

Juice Ultra 2: Uma nova forma de carregar carros elétricos

Juice Ultra 2: Uma nova forma de carregar carros elétricos

Matilde Breyner leva a filha a Nova Iorque

Matilde Breyner leva a filha a Nova Iorque

Identificados mais de 40.500 mosquitos em 2023, nenhum com vírus da dengue ou febre do Nilo

Identificados mais de 40.500 mosquitos em 2023, nenhum com vírus da dengue ou febre do Nilo

PAN diz que programa

PAN diz que programa "não é progressista" e pede diálogo ao executivo

Bar Alimentar: Este não é mais um restaurante italiano em Lisboa

Bar Alimentar: Este não é mais um restaurante italiano em Lisboa

Tesla introduz Model Y Long Range Tração traseira em Portugal

Tesla introduz Model Y Long Range Tração traseira em Portugal

Agência Espacial Europeia quer testar satélites em órbitas 'rasantes'

Agência Espacial Europeia quer testar satélites em órbitas 'rasantes'

Enfermeiros exigem ser uma prioridade do Governo

Enfermeiros exigem ser uma prioridade do Governo

Projeto de hidrogénio verde avança no Alentejo com investimento de 13,5ME

Projeto de hidrogénio verde avança no Alentejo com investimento de 13,5ME

As memórias de Manuel Alegre

As memórias de Manuel Alegre

Um novo estúdio em Lisboa para jantares, showcookings, apresentações de marcas, todo decorado em português

Um novo estúdio em Lisboa para jantares, showcookings, apresentações de marcas, todo decorado em português

XPENG: mais uma marca chinesa que chega a Portugal

XPENG: mais uma marca chinesa que chega a Portugal

Parceria TIN/Público

A Trust in News e o Público estabeleceram uma parceria para partilha de conteúdos informativos nos respetivos sites