Foto Pexels/Ksenia Chernaya

Sim – e não. E não há nada de errado nisso. Andamos a dizer às crianças que elas são ‘especiais’ mas estaremos a criar gente verdadeiramente especial ou uma geração pouco habituada ao esforço?

O caso aconteceu no ano passado, e deu escândalo nos Estados Unidos. Na exclusiva escola privada de Wellesley, Massachusetts, quando, como é habitual, um dos professores subiu ao estrado para fazer o discurso de encerramento do ano, o texto não foi exatamente o que se esperaria.
Pais e filhos não estavam preparados para a bomba lançada pelo professor David McCullough, dirigindo-se aos alunos: “Vocês não são especiais. Vocês não têm nada de excecional. Vocês têm sido apaparicados, elogiados, protegidos, festejados e resguardados toda a vida. Vocês preferem palmadinhas nas costas ao verdadeiro esforço e ao verdadeiro resultado.”

Em estado de choque, a nação dedicou muitas páginas a debater a ‘lebre’ levantada pelo professor de inglês.
Afinal, depois de anos e anos a dizer às crianças que são ‘especiais’, agora voltam a não ser? No livro ‘A Armadilha da Autoestima’, a psicóloga Polly Eisendrath explica ‘a importância da normalidade’ e defende que o facto de os pais passarem a vida a dizer às crianças que são especiais está a torná-las egoístas, irrealistas e arrogantes, tudo porque os pais vivem no pavor de terem crianças ‘normais’.”

“É uma questão complexa”, reflete o psicólogo Richard Weissbourd, na revista ‘Psichology Today’. “É importante mostrar às crianças que de facto são especiais. Mas é perigoso fazer disto a base da educação. As crianças podem sentir que são melhores do que as outras, não em coisas particulares mas de um modo geral. Podem tornar-se frágeis, ansiosas e com muito medo de errar.” O desafio é, então, ajudar as crianças a perceberem e desenvolverem aquilo em que são boas, sem as tornar arrogantes nem vaidosas.

Aprender a perder
“Quando o meu filho estava no secundário, lembro-me de ir assistir a um dos espetáculos da banda lá da escola, que não era muito boa”, recorda o jornalista da CNN, LZ Granderson.
“Que é que achaste”, perguntou-me ele no fim. “Uma boa porcaria”, disse eu com um sorriso. “Somos mesmo maus, não somos?”, concordou ele. E desatámos os dois a rir-nos tanto que as lágrimas até nos caíam pela cara.” A cena levou o pai à reflexão sobre aquilo que dizia aos filhos. “Os pais não ajudam as crianças quando estão constantemente a dourar os falhanços para proteger os seus sentimentos.
Para aprender a ganhar, uma criança tem de aprender a perder.” E para aprender a perder têm de ganhar aquilo a que os nossos avós chamavam ‘estaleca’: “Se as crianças não conseguem lidar com a competição ou aprender a aceitar uma crítica, ou nunca se esforçarem por serem melhores porque os pais sem crer os programaram para acreditar que já são os melhores, mesmo quando não são, arriscam-se a ter a vida complicada.” Ou seja, os pais e professores devem inspirar nas crianças o prazer de aprender por aprender, viver por viver, ler por ler, sem ser pela preocupação de ter uma boa nota ou um elogio.
Enfim, o próprio jornalista assume que passa a vida a elogiar o filho, com um pequeno acrescento. “Digo sempre ao meu filho que ele é absolutamente fantástico para mim e para a mãe e para a família e amigos mas que todo o resto do planeta não se podia estar mais nas tintas. Isto não é cruel. É assim que as coisas são: toda a gente é especial para alguém, ninguém é especial para todos.”

A geração do Merecimento
Será que estamos a passar da geração do elogio à geração do esforço?
“A minha amiga Kristen contou-me hoje que tirou os filhos do clube de ténis”, conta a blogger americana Liz Gumbinner, do premiado blog ‘Mom-101’. “Explicação: até as equipas más recebiam um troféu, e essa não era a lição que ela queria passar aos filhos.” Liz concorda. “É fantástico receber um troféu, uma festa, um elogio. Mas têm de ser merecidos. Quero que os meus filhos aprendam a orgulhar-se do que fizeram, sem precisarem de alguém ao lado a dizer-lhes aquilo que são.” Claro que, nota Liz, a cultura da palmadinha nas costas está por todo o lado. Estamos a ficar viciados em ‘likes’, em gente que nos diz ‘Mas tu és fantáááááástica!’ nas redes sociais. Mas isso não é realista e não dá às crianças uma noção do seu merecimento.
A mesma opinião tem a autora do site www.popculturemom.com. “A geração entre os 10 e os 30 é ‘a geração do merecimento’: passaram a vida a ouvir que eram especiais sem fazerem nada de especial para isso.” Afirma que quer que a sua criança se sinta especial: “Mas ser especial é qualquer coisa que se merece, que se trabalha para ser. Não se é ‘especial’ automaticamente. Não quero, daqui a 25 anos, ser o tipo de mãe que diz que o filho não se aguenta no emprego porque o chefe ‘não o compreende’ ou ‘não se sente motivado’.”

Há elogios vazios?
Ao contrário do que se pensa, o mimo e a educação não se excluem, e as nossas ‘princesas’ podem muito bem ser educadas para darem o seu melhor.
O elogio e a recompensa continuam importantes armas educativas. “Poucos nos levantaríamos de manhã para trabalhar se não fôssemos pagos para o fazer”, nota a psicóloga Helena Águeda Marujo, autora do livro ‘A Família e o Sucesso Escolar’. “A educação de crianças e jovens autoconfiantes, responsáveis, seguros e felizes apoia-se mais no apontar do bom do que no corrigir do mau.” Mas é igualmente inútil elogiar indiscriminadamente, o que retira valor à recompensa: “Se o elogiarmos sobre tudo o que faz, não estamos a ser sinceros e não o ajudaremos a reconhecer que algumas áreas precisam realmente de melhorias.” Afinal, parece que há ‘elogios vazios’ tal como há calorias vazias: só têm açúcar, podem danificar o organismo e não alimentam… Mas tudo isto tem causas e consequências. Afinal, de onde vem a geração do ‘elogio vazio’ e que resultados pode ter?

Não seja escravo dos filhos
Não tivemos o discurso de Wellesley contra ‘os especiais’, mas tivemos uma outra ‘bomba’, lançada há uns tempos por Inês Teotónio Pereira, no jornal ‘I’: “Os filhos de hoje são uma espécie de hitlerzinhos sem bigode, uns verdadeiros déspotas domésticos. A época em que os filhos temiam os pais acabou, e assistimos agora a um período revolucionário doméstico em curso. Hoje, quem manda são os filhos. Os pais foram depostos e vivem sujeitos a uma espécie de escravatura.”

Autora do livro ‘A um metro do chão’ e mãe de seis filhos, Inês recorda como foi criticada por pais indignados, e reforça a sua linha de pensamento: “Temos hoje cada vez menos filhos, e desses a grande maioria são filhos únicos. Portanto, as crianças estão-se a tornar uma relíquia, um luxo e uma preciosidade, algo a ser protegido e mimado a todo o custo.” Ter filhos é agora algo racional, é uma escolha.

“Dantes, adaptava-se as circunstâncias às crianças. Hoje, antes de nascerem já têm o seu reino preparado.
Resultado, a vida dos pais torna-se um inferno porque ficam inseguros. Acham que os filhos são deles, e por isso as vidas deles são as nossas e os sucessos deles são os nossos. Vivemos na angústia de eles falharem ou não terem o que todos os outros têm.” Os filhos devem ter os seus próprios mundos, e os pais os deles. “Pessoas que deixam de viajar, de ir ao cinema, de estar com os amigos, porque não deixam o filho de 12 anos com ninguém…
Isto é uma loucura. Hoje, os pais vão à escola pedir contas aos professores, a culpa nunca é da criança.
Hoje, eles não aprendem a lidar com a frustração, não se magoam, ninguém os obriga a ir para a cama a horas certas, ninguém os obriga a esforço nenhum. Claro que a certa altura as pessoas ficam exaustas, quebram, literalmente fartam-se dos filhos.”

A própria já se recusou a ser motorista dos filhos. “Eles andavam todos no futebol, o que implicava treinos separados aos dias de semana e ao sábado. Tirei-os a todos. Ficaram tristíssimos, mas não dava mesmo.” Acompanhar os filhos às atividades não é bom? “É até ao ponto em que se torna uma escravidão”, defende Inês Teotónio Pereira. “A certa altura aquilo implica tanto esforço de parte a parte que deixa de ser uma alegria e uma brincadeira. O pai começa a ver o sucesso do menino como o seu sucesso e eu vejo treinos transformados em fanatismo onde as crianças não podem estar simplesmente a jogar pelo prazer de jogar. Estarem os pais a aplaudir a criança quando ela marca golo é uma frustração! Claro que é importante apoiá-los, mas mais importante que dar-lhes a mão é eles saberem que têm uma mão para agarrar. Ter lá sempre a mão é desrespeitá-los. A única coisa de que as crianças precisam é amor e carinho. Mais nada!”


AS CRIANÇAS MANDAM
Pelo menos, mandam na televisão: segundo um estudo do Discovery Kids feito no Brasil, 78% das crianças escolhem o que querem ver, e mesmo quando está a família toda em casa 91% das famílias assiste a um canal infantil.

412 CRIANÇAS ENTRE OS 10 E OS 12 ANOS FORAM ESTUDADAS PELA INVESTIGADORA CAROL DWECK. Conclusão: é preferível ajudá-las a lidar com os desafios e mesmo deixá-las falhar do que passar a vida a elogiá-las. Isto requer que pais e filhos aprendam a lidar com a ansiedade e o fracasso.

O que não elogiar: A inteligência, a beleza, a força.
O que elogiar: O esforço, a forma de resolver um problema, o que fez para lá chegar.

UM ELOGIO DEVE SER SEMPRE ESPONTÂNEO.
De outra forma, faz com que a criança, em vez de apoiada, se sinta julgada.
in Naturalchild.org


ABC DO ELOGIO
. Elogie especificamente. Deixe claro o que está a elogiar e porquê.
. Elogie quando o seu filho fez qualquer coisa fora do normal, não por fazer o que é o seu dever todos os dias.
. Seja genuína: as crianças percebem quando um elogio é a sério ou quando é vazio.
. Elogie o progresso não lhe diga que é um escritor fantástico, elogie apenas as 10 páginas que foi capaz de escrever.
. Seja realista: se ele canta pior que um garfo a riscar um prato, porque há de encorajar o sonho de ser cantor? Encoraje um sonho com mais pernas ou garganta para andar.
. Eleve a fasquia conforme o que a criança pode dar. Se pode dar mais do que 10, porquê ficar-se por aí?

Palavras-chave

Relacionados

Mais no portal

Mais Notícias

Thomas Kingston, marido de Lady Gabriella Windsor, morre aos 45 anos

Thomas Kingston, marido de Lady Gabriella Windsor, morre aos 45 anos

Brinquedos didáticos, livres e que estimulem a criatividade. Onde? Na Color Square

Brinquedos didáticos, livres e que estimulem a criatividade. Onde? Na Color Square

Apartamento em Cascais: sobriedade contemporânea

Apartamento em Cascais: sobriedade contemporânea

Exame de março: A economia que Pedro Nuno Santos e Luís Montenegro querem para Portugal

Exame de março: A economia que Pedro Nuno Santos e Luís Montenegro querem para Portugal

Venha conhecer o BYD Seal U

Venha conhecer o BYD Seal U

Artur Jorge: o exercício físico da poesia

Artur Jorge: o exercício físico da poesia

As Revoluções Francesas na VISÃO História

As Revoluções Francesas na VISÃO História

Os lugares desta História, com Isabel Stilwell: Filipe I de Portugal, por fim

Os lugares desta História, com Isabel Stilwell: Filipe I de Portugal, por fim

Em “Senhora do Mar”: Maria perde a virgindade com Pedro

Em “Senhora do Mar”: Maria perde a virgindade com Pedro

Cristina Ferreira partilha mais fotos com o namorado e fãs reagem: “O amor faz-lhe bem”

Cristina Ferreira partilha mais fotos com o namorado e fãs reagem: “O amor faz-lhe bem”

Vídeo mostra evolução da construção da cidade futurista The Line, na Arábia Saudita

Vídeo mostra evolução da construção da cidade futurista The Line, na Arábia Saudita

O herpes pode duplicar o risco de demência em idades mais avançadas

O herpes pode duplicar o risco de demência em idades mais avançadas

“A Madrugada que Eu Esperava”: Novas canções de Abril no Teatro Maria Matos

“A Madrugada que Eu Esperava”: Novas canções de Abril no Teatro Maria Matos

CDU contesta fim de cirurgias ao cancro da mama em várias unidades de saúde

CDU contesta fim de cirurgias ao cancro da mama em várias unidades de saúde

'O Principezinho': um livro que fica na memória

'O Principezinho': um livro que fica na memória

O Vento Assobiando nas Gruas, entrevista com Jeanne Waltz

O Vento Assobiando nas Gruas, entrevista com Jeanne Waltz

Em “Cacau”: Justino volta a andar e pede para salvarem Cacau

Em “Cacau”: Justino volta a andar e pede para salvarem Cacau

Powerbanks iS da iServices em teste: 'colam-se aos smartphones'

Powerbanks iS da iServices em teste: 'colam-se aos smartphones'

Vítor Matos é o chefe que mais brilha no Guia Michelin Portugal

Vítor Matos é o chefe que mais brilha no Guia Michelin Portugal

Na estreia de

Na estreia de "Duna: Parte Dois" em Nova Iorque, Zendaya volta a surpreender

Von der Leyen quer

Von der Leyen quer "decisões audazes e coragem política" para defesa europeia

Relação entre o comprimento do dedo indicador e do anelar ligada agora ao fornecimento de oxigénio em atletas profissionais

Relação entre o comprimento do dedo indicador e do anelar ligada agora ao fornecimento de oxigénio em atletas profissionais

Novo Dacia Spring: mais por menos

Novo Dacia Spring: mais por menos

Dos idos de Março 62 às eleições de Março 24

Dos idos de Março 62 às eleições de Março 24

Os Incoerentes: a história de movimento artístico à frente do seu tempo

Os Incoerentes: a história de movimento artístico à frente do seu tempo

Desfile de famosos na passadeira dos SAG Awards

Desfile de famosos na passadeira dos SAG Awards

Breve história da maquilhagem

Breve história da maquilhagem

Celebridades rendem-se às transparências no desfile de Saint Laurent

Celebridades rendem-se às transparências no desfile de Saint Laurent

De Madalena Palmeirim a Ty Segall: Quatro discos novos, colheita de 2024

De Madalena Palmeirim a Ty Segall: Quatro discos novos, colheita de 2024

VOLT Live: como aumentar a competitividade e concorrência no mercado do carregamento de veículos elétricos

VOLT Live: como aumentar a competitividade e concorrência no mercado do carregamento de veículos elétricos

Exame 478 - Março 2024

Exame 478 - Março 2024

Giorgio Armani propõe veludo, flores e infuências orientais para o próximo inverno

Giorgio Armani propõe veludo, flores e infuências orientais para o próximo inverno

Xiaomi Redmi Note 13 Pro+: topo de gama

Xiaomi Redmi Note 13 Pro+: topo de gama

Conforto e muita luz, num apartamento em São Paulo, Brasil

Conforto e muita luz, num apartamento em São Paulo, Brasil

Quando a cantiga foi uma arma

Quando a cantiga foi uma arma

IL deu a conhecer o

IL deu a conhecer o "melhor bitoque" de Lisboa e as Parcerias Público-Sociais. Mas a tinta verde e o referendo ao aborto ofuscaram-lhe a arruada

Sindicato dos Enfermeiros Portugueses marca greve para 15 de março

Sindicato dos Enfermeiros Portugueses marca greve para 15 de março

Encha a casa de verde, inspire-se na Natureza

Encha a casa de verde, inspire-se na Natureza

Dois novos efeitos secundários muito raros ligados a vacina contra a Covid-19 identificados em grande estudo mundial

Dois novos efeitos secundários muito raros ligados a vacina contra a Covid-19 identificados em grande estudo mundial

Costa disponibiliza segurança pessoal a líderes partidários após ataque a Montenegro

Costa disponibiliza segurança pessoal a líderes partidários após ataque a Montenegro

Kate estará disposta a perdoar Meghan se William lhe pedir isso

Kate estará disposta a perdoar Meghan se William lhe pedir isso

O avanço da sustentabilidade ambiental nas empresas

O avanço da sustentabilidade ambiental nas empresas

Boom Festival distinguido pela nona edição com prémio de sustentabilidade ambiental

Boom Festival distinguido pela nona edição com prémio de sustentabilidade ambiental

Na Escola Básica da Mata canta-se a liberdade!

Na Escola Básica da Mata canta-se a liberdade!

"O Chega copia matérias e campanhas do ADN. Estamos a ser roubados por quem tem mais poder"

Parceria TIN/Público

A Trust in News e o Público estabeleceram uma parceria para partilha de conteúdos informativos nos respetivos sites