PATRÍCIA SANTOS PEDROSA
Arquiteta, professora (Arquitetura, UBI), investigadora (CIEG, ULisboa), ativista.
Co-fundadora e presidenta da associação Mulheres na Arquitectura

Em que momento percebeu que tinha de ser uma voz ativa pela igualdade de género?
Comecei a ter consciência das desigualdades e das agressões sofridas pelas raparigas e pelas mulheres muito cedo. Por um lado, através dos comentários como “uma menina não se porta assim”, “não faças essas coisas que são de rapaz”, que me empurravam permanentemente para o meu lugar nos estereótipos de género definidos e que chocavam comigo e me agrediam. Por outro lado, a primeira vez que na rua, ainda criança, ouvi um homem dizer que me fazia não sei o quê. Senti-me infinitamente violentada e tive nojo do meu corpo que, na minha cabeça de criança, era culpado do que me tinha acontecido. Só muito mais tarde saí do armário enquanto feminista e percebi que em todas estas situações (e em muitas outras) nada estava errado comigo (conosco). Que era e é o contexto sexista em que vivemos que se atravessa em todas as esferas das vidas das mulheres, em qualquer idade e contexto, e nos atinge de modos mais ou menos visíveis, mas sempre violentos. Como as injustiças sempre me perturbaram, agir tornou-se o único caminho.

Por que sentiu necessidade de fundar a associação Mulheres na Arquitectura?
A Mulheres na Arquitectura surgiu em 2017 para responder à consciência que 9 mulheres tinham de que nem a profissão tratava de igual modo mulheres e homens, nem as cidades e a arquitetura estavam pensadas e construídas tendo em conta as necessidades, aspirações e direitos de mulheres, raparigas e meninas. Ou seja, nós aprendemos a projetar, projetamos e construímos os espaços em que habitamos pensado num suposto neutro, um falso neutro, que, na verdade, reproduz uma ideia de indivíduo que exclui parte significativa da população. É nessa linha cruzada, entre espaço (arquitetónico ou urbano) e direitos das mulheres, que nos colocamos.

As mulheres têm de ser duas vezes mais competentes que os homens para serem consideradas para um posto?
A matriz de avaliação que as mulheres estão sujeitas, nas suas vidas pessoais e profissionais, é muito mais dura e exigente do que a que avalia os homens; o chamado duplo padrão. Quando observamos os nossos percursos, surge muitas vezes a perceção de que nunca somos ou fazemos o suficiente. Porque fomos sociabilizadas para uma enorme autocrítica, por um lado, mas também porque sabemos e vamos experimentando um contexto que nos diz que precisamos fazer mais, fazer melhor ou não estamos à altura. Se juntarmos isto à persistente carga, em horas e energia, que a esfera dos cuidados nos exige, percebemos porque, por exemplo, as questões da saúde mental das mulheres são um assunto fundamental. E a ficção romântica de que somos supermulheres é só um modo de a sociedade patriarcal nos empurrar para a exaustão e aplaudir o nosso cansaço.

As mulheres continuam a ser mais escrutinadas nos seus cargos que os homens?
Desde um ponto de vista empírico, e porque um estudo aprofundado na área da arquitetura ainda está por realizar, eu diria que sim. As narrativas profissionais que vamos ouvindo, de diversas gerações, indicam, por defeito, que as mulheres ainda estão debaixo de maior e mais duro escrutínio. E esto acontece por parte dos pares, dos outros profissionais com quem trabalhamos ou clientes.

Que livro todas as mulheres (e homens) deviam ler?
São seguramente muitos e a escolha é muito difícil. Talvez escolhesse A Criação do Patriarcado (The Creation of Patriarchy, 1986), da Gerda Lerner, porque voltei a ele recentemente e porque é importante para percebemos onde estamos e de onde vimos neste longo processo coletivo onde as mulheres são e foram contruídas como “a outra” e seres de segunda linha.

Que livro sobre igualdade de género que mais a marcou?
As vozes das mulheres trazem-nos, quando viscerais, muito para aprendermos sobre a condição das mulheres e a luta pelos seus direitos. Eu proporia as Novas Cartas Portuguesas, de Maria Isabel Barreno, Maria Teresa Horta e Maria Velho da Costa, de 1972. É um mergulho intenso e duro no que éramos, o país e a violência patriarcal, mas que ainda continua profundamente relevante e atual em algumas partes. As 3 Marias levam-nos a uma dimensão de liberdade e opressão sobre nós, os nossos corpos e a nossa existência que continua a inquietar-me.

Uma artista plástica que admire muito
O trabalho da Paula Rego tem uma violência que reconheço como parte da existência e das experiências de vida das mulheres. Faz-me sentir ao espelho do que somos e da sociedade patriarcal em que vivemos. A dureza do que nos conta é a dureza que muitas de nós sentem ou sentiram em algum momento. Descarna e expõe a agressividade sofrida pelas mulheres e que insistimos socialmente em polir e esconder.

A maior conquista das mulheres portuguesas
A maior conquista das mulheres portuguesas foi a democracia e o 25 de Abril de 1974. As mulheres estiveram profundamente envolvidas na luta antifascista, das estudantes às operárias, com elevados custos para elas e para as suas famílias. A democracia trouxe, finalmente, o direito de as mulheres serem cidadãs por inteiro.

E aquela que é urgente reclamarmos?
A luta que precisamos continuar a travar é a concretização e ampliação dos direitos das mulheres que a democracia implicou. Mas, como vimos noutros contextos, não tomar por garantido nenhum direito. Quando se instalam os conservadorismos no Poder os direitos das mulheres são dos primeiros a sofrerem ataques, como temos visto, por exemplo, com o direito à interrupção voluntária da gravidez.

A citação para emoldurar
Porque a autonomia é fundamental para se ser, viver e se transcender, e apesar de aparentar ser óbvio, não o é, escolho a Virginia Woolf: “a woman must have money and a room of her own if she is to write [sing, act, design, be, etc.]”. A Room of One’s Own, 1929

 Uma arquiteta inspiradora
É muito difícil escolher só uma, talvez a Lia Antunes, mas todas as mulheres com quem tenho trabalhado na MA são inspiradoras: lutadoras, generosas, inteligentes e integras. Todas as jovens mulheres com quem me cruzo no ativismo e no ensino são uma enorme fonte de inspiração: capazes, questionadoras, obstinadas e enormemente lutadoras.

A sua maior luta no dia-a-dia
Lutar pelos direitos das mulheres e das raparigas, construir redes de apoio e luta e procurar não baixar a guarda e resistir sempre. Lutar todos os dias pelo nosso direito a existir com dignidade, com direitos e sem medo pode ser desesperante e frustrante, mas não desistir é fundamental.

Uma injustiça que a tenha deixado indignada
É difícil escolher uma quando todos os dias existem milhares de mulheres, raparigas e meninas violadas, agredidas, excisadas, casadas à força, assassinadas, prostituídas, traficadas, silenciadas, forçadas a serem o que não são para sobreviveram.

Palavras-chave

Mais no portal

Mais Notícias

Exame 35 anos: venha discutir a Economia e celebrar o nosso aniversário

Exame 35 anos: venha discutir a Economia e celebrar o nosso aniversário

Aromas de verão para a casa

Aromas de verão para a casa

Os melhores momentos do Trooping the Colour, marcado pelo regresso de Kate

Os melhores momentos do Trooping the Colour, marcado pelo regresso de Kate

Os 500 anos de Camões

Os 500 anos de Camões

O futuro da banca é inteligente

O futuro da banca é inteligente

Vídeo: A festa final de 'Miúdos a Votos' na Gulbenkian

Vídeo: A festa final de 'Miúdos a Votos' na Gulbenkian

Novo estudo científico revela que o cérebro tenta prever o futuro enquanto se encontra em repouso

Novo estudo científico revela que o cérebro tenta prever o futuro enquanto se encontra em repouso

Georgina Rodríguez em Fátima com os filhos e CR7 no pensamento

Georgina Rodríguez em Fátima com os filhos e CR7 no pensamento

Os festivais de verão

Os festivais de verão

Moda: 20 cestas para usar no dia a dia

Moda: 20 cestas para usar no dia a dia

Onde ficar em Lisboa: Torel Palace

Onde ficar em Lisboa: Torel Palace

Carros elétricos chineses deverão ficar mais caros

Carros elétricos chineses deverão ficar mais caros

Não precisa de ser um maratonista – bastam poucos minutos para alterar o metabolismo

Não precisa de ser um maratonista – bastam poucos minutos para alterar o metabolismo

Apresentação da nova coleção de moda de praia

Apresentação da nova coleção de moda de praia

Entre no jogo de copos

Entre no jogo de copos

Sónia assume desilusão e choque por Daniel a enganar em “Casados à Primeira Vista”

Sónia assume desilusão e choque por Daniel a enganar em “Casados à Primeira Vista”

"O Homem dos Teus Sonhos" - ou quando Nicholas Cage não nos sai da cabeça

25 peças para receber a primavera em casa

25 peças para receber a primavera em casa

Betano entra em campo com patrocínios do Euro 2024 e Copa América 2024

Betano entra em campo com patrocínios do Euro 2024 e Copa América 2024

Os nomes estranhos das fobias ainda mais estranhas

Os nomes estranhos das fobias ainda mais estranhas

Os nossos vinhos são os melhores do mundo

Os nossos vinhos são os melhores do mundo

George, Charlotte e Louis, os protagonistas do Trooping the Colour

George, Charlotte e Louis, os protagonistas do Trooping the Colour

"O que é verdadeiramente desafiante é as marcas saberem o que leva as pessoas às lojas e o que funciona online". Leah Johns em entrevista

Exame Informática nº 347, junho

Exame Informática nº 347, junho

Os planos da Stellantis para criar um ecossistema de software para os carros

Os planos da Stellantis para criar um ecossistema de software para os carros

Quis Saber Quem Sou: Será que

Quis Saber Quem Sou: Será que "ainda somos os mesmos e vivemos como os nossos pais?"

Vídeo: Um encontro com Alice Vieira, a 'contadora de histórias'

Vídeo: Um encontro com Alice Vieira, a 'contadora de histórias'

Portugal esgota hoje os recursos deste ano e começa a usar os de 2025

Portugal esgota hoje os recursos deste ano e começa a usar os de 2025

Implante cerebral ajuda sobrevivente de AVC que perdeu a fala a comunicar de forma bilingue

Implante cerebral ajuda sobrevivente de AVC que perdeu a fala a comunicar de forma bilingue

Estivemos no Azores Eco Rallye

Estivemos no Azores Eco Rallye

Vídeo: Vê aqui o espetáculo de 'Miúdos a Votos' 2024

Vídeo: Vê aqui o espetáculo de 'Miúdos a Votos' 2024

Adoçante comum presente em pastilhas elásticas e até pastas dentífricas associado a duplicação do risco de AVC e enfarte

Adoçante comum presente em pastilhas elásticas e até pastas dentífricas associado a duplicação do risco de AVC e enfarte

Mulheres confiantes antecipam o verão em fim de tarde à beira-mar

Mulheres confiantes antecipam o verão em fim de tarde à beira-mar

SIC obrigada a apagar imagens de Daniel e Sónia em “Casados à Primeira Vista”

SIC obrigada a apagar imagens de Daniel e Sónia em “Casados à Primeira Vista”

iOS 18: Que novidades chegam ao sistema operativo do iPhone?

iOS 18: Que novidades chegam ao sistema operativo do iPhone?

O futuro começou esta noite. Como foi preparado o 25 de Abril

O futuro começou esta noite. Como foi preparado o 25 de Abril

Casimiro de Brito - Entre o caos e o canto

Casimiro de Brito - Entre o caos e o canto

20 anos depois, o que há de novo no Rock in Rio Lisboa

20 anos depois, o que há de novo no Rock in Rio Lisboa

Navegando rumo ao futuro digital do oceano

Navegando rumo ao futuro digital do oceano

19 sítios para ver os jogos do Euro 2024 (e torcer pela Seleção Nacional)

19 sítios para ver os jogos do Euro 2024 (e torcer pela Seleção Nacional)

Sonos Ace em teste: Qualidade e conforto premium

Sonos Ace em teste: Qualidade e conforto premium

Quem tinha mais poderes antes do 25 de Abril: o Presidente da República ou o Presidente do Conselho?

Quem tinha mais poderes antes do 25 de Abril: o Presidente da República ou o Presidente do Conselho?

Maria João e Elisabete divertem-se após saírem de “Casados à Primeira Vista”

Maria João e Elisabete divertem-se após saírem de “Casados à Primeira Vista”

Vinhos, surf e gastronomia no Oeste: Roteiro pelo que há de melhor na região

Vinhos, surf e gastronomia no Oeste: Roteiro pelo que há de melhor na região

Vencedores e vencidos do 25 de Abril na VISÃO História

Vencedores e vencidos do 25 de Abril na VISÃO História

Parceria TIN/Público

A Trust in News e o Público estabeleceram uma parceria para partilha de conteúdos informativos nos respetivos sites