Foto Pexels/Gustavo Fring

Não foi só Picasso que passou pelo ‘período rosa’: a Beatriz tem 5 anos e uma mãe desesperada: “Ela só veste coisas cor-de-rosa, do mais kitsch”, queixa-se a mãe.
“Tudo o que tenha folhos e flores é bom, mas em cor-de-rosa é ainda melhor.” Uma explicação vem das etapas comportamentais estabelecidas pelos psicólogos e que indicam que até aos 7 anos as crianças estão convencidas de que são os sinais exteriores que indicam o sexo. Uma menina acha que tem de se vestir ‘de menina’ de cor-de-rosa, folhos e laços para que os outros saibam que ela é uma menina. E nesta idade, distinguir-se dos rapazes faz parte do desenvolvimento da sua identidade: através do cor-de-rosa, ela afirma ‘eu sou uma rapariga’.
A indústria não perdeu tempo a aliar-se à psicologia, e em qualquer hipermercado se encontra um corredor cor-de-rosa onde todos os brinquedos se apressam a dizer às meninas que sim, são raparigas. Ou aquilo que se convencionou que uma rapariga deve ser. “Li milhares de livros dedicados à cultura da adolescência”, afirma a jornalista americana Susie Orenstein, autora do livro ‘Cinderella Ate My Daughter’ (‘A Cinderela comeu a minha filha’). “Mas ninguém me explicava esta cultura das rapariguinhas, desde os 2 anos até aos 10, para me ajudar a decifrar o impacto que estas imagens tinham nelas, e o que elas absorviam sobre aquilo que a cultura do marketing acha que elas devem ser e comprar.” Os rapazes também têm o seu estereótipo, mas, afirmam os psicólogos, não é tão invasivo nem tão óbvio como o mundo criado para as meninas.

Vender às meninas
O hábito de vestir as meninas de cor-de-rosa e os rapazes de azul nem sempre existiu. No tempo dos nossos trisavós, as crianças vestiam-se de branco até aos 7 anos, porque era mais prático, e ainda não estávamos na altura em que alguns pais temiam que vestir uma criança da cor ‘errada’ tivesse graves consequências sexuais no futuro.
E na altura o azul era considerada uma cor delicada e feminina (afinal, de que cor é o manto da Virgem Maria?) A mania de distinguir as meninas dos meninos só surgiu depois da Primeira Guerra, com o fabrico em série.
Nos anos 80, as mães feministas decretaram que o cor-de-rosa era sexista. Resultado: uma quantidade atual de mães esfomeadas de cor-de-rosa que projetam nas filhas a saudade do que elas não tiveram. Também por isso é que algumas meninas se recusam a vestir qualquer coisa cor-de-rosa: percebem que é aquilo que a mãe ou outro tipo de poder… lhes quer impor…
A moda do azul e cor-de-rosa voltou em grande com os testes pré-natais. E – adivinhem lá – mais uma vez o mercado está por trás de tudo. Os pais com dinheiro podiam dar-se ao luxo de comprar um enxoval todo em rosa, e recomeçar tudo no filho seguinte em azul, se fosse rapaz. “Quanto mais se individualiza a roupa, mais se vende”, explica a historiadora americana Jo Paoletti, autora do livro ‘Azul e Cor de Rosa: Separando os Rapazes das Raparigas na América’).
Portanto, o consumismo pegou numa fase natural de algumas meninas e empolou-a, vendendo às meninas pequenas, e cada vez mais pequenas, aquilo que lhes interessava que elas comprassem, em imagens cada vez mais estandardizadas e artificiais: “E as meninas pensam, por exemplo, que aquilo que as torna meninas é o facto de terem cabelo comprido e vestidos”, afirma Paoletti.

E quando elas preferem azul?
Mas o facto de lhes quererem vender cor-de-rosa nem sempre significa que elas queiram comprar. Embora muitas meninas adorem tules e frufrus, outras nunca passam por esta fase. E isto também não é nenhum drama.
Há quem já afirme que esta obsessão com o cor-de-rosa é tóxica, que fecha as meninas numa ideia de feminilidade totalmente desadequada e que marginaliza as que não se enquadram neste quadro idílico e monocromático: por muito que se adore o cor-de-rosa, temos o direito de excluir outras cores do seu mundo? Mas também há quem defenda que negar o cor-de-rosa a uma menina é desrespeitar a sua feminilidade. Um estudo afirma mesmo que as meninas esfomeadas de rosa eram as que tinham mães mais inseguras da sua feminilidade.
Mas o principal é isto: não é uma cor que vai marcar uma criança, e a ‘fase rosa’ pode ser irritante mas não tem consequências graves na vida das crianças. “O efeito de todo este cor-de-rosa é temporário e insignificante”, afirma o psicólogo inglês Michael Gurian, em www.news.bbc.co.uk.com.”E não tóxico e duradouro como se teme.” Explica Gurian: cada pessoa é composta por quatro princípios básicos: género, talentos, personalidade e capacidade para lidar com o trauma.
E a única coisa que pode mudar profundamente alguma destas coisas é um trauma sério. Por exemplo, uma rapariga não se torna anorética por ver imagens de modelos magras. Mas essas imagens podem afetá-la se já houver qualquer outro desequilíbrio que a predisponha a isso.

Princesas ao poder
Mesmo que o rosa não cause traumas e que a Semana da Moda não provoque anorexia na maioria das pessoas, estes mundos artificiais podem criar sentimentos de inadequação quando não nos sentimos confortáveis na nossa pele.
Conclusão: se tem uma filha, não a deixe ver demasiada televisão. Mas compre-lhe um vestido cor-de-rosa, se ela pedir. Afinal, um bocadinho de cor-de-rosa na vida nunca impediu nenhuma mulher de se tornar engenheira, advogada, cirurgiã ou polícia.
E daqui a nada vai tê-la a dizer que o cor-de-rosa é para os bebés, e a querer vestir-se de… preto.

Cor-de-rosa é para rapazes?
Precisamente porque o cor-de-rosa, durante a infância e adolescência, é visto não como uma cor mas como uma afirmação (‘sou uma rapariga’), não será comum que o seu filho de 6 anos lhe peça para ir para a escola de cor-de-rosa. Mas há uma crescente moda, entre os rapazes mais velhos, de usar mais cores, inclusive o cor-de-rosa, como reivindicação do seu direito à criatividade e individualidade… Afinal, o rosa também pode ser um exercício de liberdade.

Palavras-chave

Relacionados

Mais no portal

Mais Notícias

Breve história da maquilhagem

Breve história da maquilhagem

Na estreia de

Na estreia de "Duna: Parte Dois" em Nova Iorque, Zendaya volta a surpreender

A Interdecoração está de volta à Exponor

A Interdecoração está de volta à Exponor

Bosch e Microsoft querem usar IA para tornar estradas mais seguras

Bosch e Microsoft querem usar IA para tornar estradas mais seguras

Letizia exibe novo corte de cabelo

Letizia exibe novo corte de cabelo

Mais de 90% das pessoas acima dos 50 anos são portadoras do vírus da zona, o que pode ter consequências devastadoras

Mais de 90% das pessoas acima dos 50 anos são portadoras do vírus da zona, o que pode ter consequências devastadoras

As Revoluções Francesas na VISÃO História

As Revoluções Francesas na VISÃO História

Costa disponibiliza segurança pessoal a líderes partidários após ataque a Montenegro

Costa disponibiliza segurança pessoal a líderes partidários após ataque a Montenegro

Os Incoerentes: a história de movimento artístico à frente do seu tempo

Os Incoerentes: a história de movimento artístico à frente do seu tempo

A transformação no segmento do Renting & Frotas

A transformação no segmento do Renting & Frotas

Quase metade das pessoas com doença rara não é seguida em centros de referência

Quase metade das pessoas com doença rara não é seguida em centros de referência

Artur Jorge: o exercício físico da poesia

Artur Jorge: o exercício físico da poesia

CDU contesta fim de cirurgias ao cancro da mama em várias unidades de saúde

CDU contesta fim de cirurgias ao cancro da mama em várias unidades de saúde

O avanço da sustentabilidade ambiental nas empresas

O avanço da sustentabilidade ambiental nas empresas

Vila Galé Collection São Miguel: Um hotel sob o signo das ilhas

Vila Galé Collection São Miguel: Um hotel sob o signo das ilhas

Apple descarta projeto de desenvolvimento de carro elétrico

Apple descarta projeto de desenvolvimento de carro elétrico

Apartamento em Cascais: sobriedade contemporânea

Apartamento em Cascais: sobriedade contemporânea

Kate estará disposta a perdoar Meghan se William lhe pedir isso

Kate estará disposta a perdoar Meghan se William lhe pedir isso

Tempos de Antena ‘Miúdos a Votos’: ‘O Estranhão’

Tempos de Antena ‘Miúdos a Votos’: ‘O Estranhão’

Thomas Kingston, marido de Lady Gabriella Windsor, morre aos 45 anos

Thomas Kingston, marido de Lady Gabriella Windsor, morre aos 45 anos

Saccharum Resort, na terra do ouro branco

Saccharum Resort, na terra do ouro branco

Portugal integra projeto para aproveitar hidrogénio verde para transportes públicos

Portugal integra projeto para aproveitar hidrogénio verde para transportes públicos

Celebridades rendem-se às transparências no desfile de Saint Laurent

Celebridades rendem-se às transparências no desfile de Saint Laurent

Brinquedos didáticos, livres e que estimulem a criatividade. Onde? Na Color Square

Brinquedos didáticos, livres e que estimulem a criatividade. Onde? Na Color Square

PR diz que ataques com tinta por ativistas climáticos perderam eficácia

PR diz que ataques com tinta por ativistas climáticos perderam eficácia

Atualização de software da Tesla corrige problemas de bateria no frio extremo

Atualização de software da Tesla corrige problemas de bateria no frio extremo

Em “Senhora do Mar”: Maria perde a virgindade com Pedro

Em “Senhora do Mar”: Maria perde a virgindade com Pedro

IL deu a conhecer o

IL deu a conhecer o "melhor bitoque" de Lisboa e as Parcerias Público-Sociais. Mas a tinta verde e o referendo ao aborto ofuscaram-lhe a arruada

Francisco Assis: “O PS é um partido que valoriza a iniciativa privada, mas não vê o Estado como um empecilho”

Francisco Assis: “O PS é um partido que valoriza a iniciativa privada, mas não vê o Estado como um empecilho”

A dieta que afugenta a apneia do sono

A dieta que afugenta a apneia do sono

Quando a cantiga foi uma arma

Quando a cantiga foi uma arma

"O Chega copia matérias e campanhas do ADN. Estamos a ser roubados por quem tem mais poder"

Penélope Cruz deslumbra na passadeira dos SAG Awards

Penélope Cruz deslumbra na passadeira dos SAG Awards

Quinta da Pacheca cinco estrelas. O luxo das coisas simples

Quinta da Pacheca cinco estrelas. O luxo das coisas simples

Xiaomi Redmi Note 13 Pro+: topo de gama

Xiaomi Redmi Note 13 Pro+: topo de gama

Apple descarta projeto de desenvolvimento de carro elétrico

Apple descarta projeto de desenvolvimento de carro elétrico

De Madalena Palmeirim a Ty Segall: Quatro discos novos, colheita de 2024

De Madalena Palmeirim a Ty Segall: Quatro discos novos, colheita de 2024

Os lugares desta História, com Isabel Stilwell: Filipe I de Portugal, por fim

Os lugares desta História, com Isabel Stilwell: Filipe I de Portugal, por fim

A VISÃO Se7e desta semana - edição 1617

A VISÃO Se7e desta semana - edição 1617

Poesia e estranheza

Poesia e estranheza

Porque existem anos bissextos?

Porque existem anos bissextos?

Em “Cacau”: Anita descobre que Filó não é mãe de Cacau

Em “Cacau”: Anita descobre que Filó não é mãe de Cacau

O Vento Assobiando nas Gruas, entrevista com Jeanne Waltz

O Vento Assobiando nas Gruas, entrevista com Jeanne Waltz

Novo Dacia Spring: mais por menos

Novo Dacia Spring: mais por menos

Em “Senhora do Mar”: Alex é espancado e Paula descobre toda a verdade

Em “Senhora do Mar”: Alex é espancado e Paula descobre toda a verdade

Parceria TIN/Público

A Trust in News e o Público estabeleceram uma parceria para partilha de conteúdos informativos nos respetivos sites