Terminou o primeiro fim de semana de concertos do Rock in Rio naquela que foi a estreia do evento no Parque Tejo. Depois de uma história bonita do festival na Quinta da Bela Vista, era com expectativa e curiosidade que aguardava esta nova edição. Depois de dois dias vividos de forma intensa, já há muito que tenho a dizer.

Começo por destacar a beleza da vista do novo recinto. Estar a assistir a um concerto com o rio e a Ponte Vasco da Gama como cenário é um grande privilégio – e super instagramável, algo importante para todos os que querem tirar uma boa foto do palco do concerto que mais esperavam.

Notou-se uma grande preocupação com a logística dos festivaleiros, nomeadamente no que toca às indicações para os shuttles que levam ao recinto. Existem muitos membros do staff  do Rock in Rio constantemente a fornecerem indicações, o que demonstra que houve noção de que as pessoas se poderiam sentir um tanto ou quanto perdidas neste novo recinto.

E… ficou por aqui a minha análise mais positiva à mudança de localização do evento. Uma alteração destas, depois de tantos anos num local que já se tinha tornado tão familiar para tantos festivaleiros, iria sempre precisar de ser um grande upgrade para agradar à maioria, e não foi isso que aconteceu. 

Filas, filas e mais filas. Não esqueço que no Parque da Bela Vista havia sempre imensas filas para tudo e mais alguma coisa – especialmente para os brindes – mas nunca imaginei que estes aglomerados se tornassem ainda mais intensos. O espaço tem maior dimensão, assegura a organização, mas quem está lá sente o contrário. Se na Bela Vista as filas pareciam percorrer um espaço mais amplo e pouco dificultavam a mobilidade de quem queria apenas passar, desta vez não é isso que acontece. Há filas ao lado de filas e ao lado de outras filas. Passar de um ponto para o outro do recinto é estar constantemente a pedir “por favor” e “desculpe” para conseguir dar um passo. Quem lê isto pode imaginar que se trata de algo que acontece à noite, hora de maior afluência, mas isto acontece em plena tarde, altura que deveria ser descontraída, o que já provoca algum stresse.

A movimentação não é fluída e existe a sensação que se está a ser engolido por um mar de pessoas. Isso sente-se ao percorrer o recinto em qualquer ponto, especialmente quando um concerto termina e começa outro num palco ao lado. É ver uma verdadeira massa humana a movimentar-se, e nós muitas vezes somos levados por ela porque, por acaso, estávamos ali e é melhor ir com a corrente do que lutar contra ela.

Um festival que em anos anteriores tanto foi apreciado pelas famílias, agora pode ficar um pouco aquém das expectativas, especialmente dos mais novos. Se na Bela Vista havia espaços para sentar na relva ou descontrair à sombra das árvores do recinto, desta vez isso tornou-se mais complicado. O chão de terra com alguma gravilha não é convidativo e as sombras nem vê-las. Não existem mesmo sombras e isso causou alguns incómodos neste fim de semana, que nem sequer foi marcado por temperaturas elevadas – mas o próximo já será. 

Ainda sobre os mais pequeninos, vi muitos desiludidos por não conseguirem sequer ter um vislumbre do palco principal. Nem às cavalitas dos pais. A Bela Vista tem um anfiteatro natural que acaba por ser um grande auxílio para quem ficava mais atrás a assistir aos concertos, mas desta vez, quem não consegue furar a massa de milhares de pessoas fica sem qualquer possibilidade de sequer ver um ecrã. Os strands que rodeiam o Palco Mundo também cortam em muito a visibilidade. Além disso, o som é condicionado pela orientação do vento e altera-se consoante a sua vontade – algo mais sentido na primeira noite com Scorpions, mas com a segunda a ficar manchada pelo corte que houve no início do espetáculo de Ed Sheeran.

Nas minhas movimentações pelo recinto, eram muitos os comentários que ouvia aqui e ali de pessoas a queixarem-se da disposição do espaço. Quem quis ver os concertos do Palco Galp após de um espetáculo no Palco Mundo muitas vezes viu-se prejudicado por não conseguir chegar ao local por ficar preso no meio da multidão devido à forma como a enorme tenda VIP – enorme mesmo, está gigantesca – corta o acesso a quem está no terreno. Na zona de restauração, mal há espaço para movimentos e ainda menos para se encontrar lugar para comer e tentar desfrutar da refeição.

Já falei do serviço de shuttles que transporta os festivaleiros de pontos específicos até à entrada do festival e da preocupação de se dar indicações, mas quem recorrer a este serviço tem de ter paciência pois vai passar algum tempo em… filas. A solução da organização não é má, mas seriam necessários mais transportes em horas de maior afluência. 

Se do primeiro para o segundo dia já se notaram mudanças de logística para responder às queixas dos festivaleiros, quero acreditar que no próximo fim de semana haverá situação ainda mais ágeis. Ainda assim, não acredito que todos os problemas sejam resolvidos, especialmente devido à grande afluência ao evento e ao caos humano que isso provoca.

Agora respondendo à pergunta do título, Rock in Rio no Parque Tejo ou na Bela Vista, cito uma frase que ouvi de muitas pessoas com que me cruzei nestes dias: “Minha rica Bela Vista”. 

Palavras-chave

Relacionados

Mais no portal

Mais Notícias

25 peças para receber a primavera em casa

25 peças para receber a primavera em casa

15 festivais gastronómicos (para comer e beber bem) do Minho ao Algarve

15 festivais gastronómicos (para comer e beber bem) do Minho ao Algarve

Ideias para decorar com riscas

Ideias para decorar com riscas

Um novo estúdio em Lisboa para jantares, showcookings, apresentações de marcas, todo decorado em português

Um novo estúdio em Lisboa para jantares, showcookings, apresentações de marcas, todo decorado em português

Equipa do Técnico conquista segundo lugar em competição  de barcos elétricos

Equipa do Técnico conquista segundo lugar em competição de barcos elétricos

Nestes cinco hotéis pode ir de férias com o seu amigo patudo

Nestes cinco hotéis pode ir de férias com o seu amigo patudo

Cinema: Mais um verão com Ingmar Bergman

Cinema: Mais um verão com Ingmar Bergman

Exposição solar: O problema dos UVA

Exposição solar: O problema dos UVA

Kiwi contra um dos mais dolorosos efeitos secundários da quimioterapia. O

Kiwi contra um dos mais dolorosos efeitos secundários da quimioterapia. O "método inovador" criado por investigadores portugueses

VOLT Live: vem aí um apoio europeu para a compra de veículos elétricos?

VOLT Live: vem aí um apoio europeu para a compra de veículos elétricos?

Georgina Rodriguez partilha imagens das férias com Cristiano Ronaldo e os filhos

Georgina Rodriguez partilha imagens das férias com Cristiano Ronaldo e os filhos

Em “A Promessa”: Laura emociona-se ao ver Tomás a ser internado à força

Em “A Promessa”: Laura emociona-se ao ver Tomás a ser internado à força

Albanês vivia há 11 anos em prédio de luxo em Lisboa. É um dos principais líderes da máfia dos Balcãs e tem uma pena por homicídio para cumprir em Itália

Albanês vivia há 11 anos em prédio de luxo em Lisboa. É um dos principais líderes da máfia dos Balcãs e tem uma pena por homicídio para cumprir em Itália

O regresso público de Meghan e Harry ensombrado por polémica

O regresso público de Meghan e Harry ensombrado por polémica

Juros altos por mais tempo?

Juros altos por mais tempo?

Famosos brilham na passadeira vermelha da festa da TVI

Famosos brilham na passadeira vermelha da festa da TVI

Portugal e a Lei de Restauro da Natureza

Portugal e a Lei de Restauro da Natureza

Equipa do Técnico conquista segundo lugar em competição  de barcos elétricos

Equipa do Técnico conquista segundo lugar em competição de barcos elétricos

Princesa Leonor triunfa num romântico e sedutor vestido de renda em azul-marinho

Princesa Leonor triunfa num romântico e sedutor vestido de renda em azul-marinho

Curtas de Vila do Conde - Um festival que dá cartas

Curtas de Vila do Conde - Um festival que dá cartas

A meio caminho entre o brioche e o folhado, assim são os protagonistas da Chez Croissant

A meio caminho entre o brioche e o folhado, assim são os protagonistas da Chez Croissant

Rumo a Sul: 7 passeios de barco, do Alqueva à Ria Formosa

Rumo a Sul: 7 passeios de barco, do Alqueva à Ria Formosa

VISÃO Júnior de junho de 2024

VISÃO Júnior de junho de 2024

Animais que nos fazem rir!

Animais que nos fazem rir!

"Cada vez que olharmos para uma tela do Cargaleiro, pensamos que ele ainda fala connosco"

Investigadores da Universidade de Lisboa recebem apoio para estudar doenças raras em Portugal

Investigadores da Universidade de Lisboa recebem apoio para estudar doenças raras em Portugal

Curtas Vila do Conde: Um festival em grande

Curtas Vila do Conde: Um festival em grande

Biovance: primeiro fundo português de investimento em biotecnologia arranca com €51 milhões

Biovance: primeiro fundo português de investimento em biotecnologia arranca com €51 milhões

Em “A Promessa”: Miguel vinga-se de Helena e droga-a com a ajuda de Laura

Em “A Promessa”: Miguel vinga-se de Helena e droga-a com a ajuda de Laura

O futuro começou esta noite. Como foi preparado o 25 de Abril

O futuro começou esta noite. Como foi preparado o 25 de Abril

Cidades resilientes: a biodiversidade enquanto imperativo na era da crise climática

Cidades resilientes: a biodiversidade enquanto imperativo na era da crise climática

VOLT Live: vem aí um apoio europeu para a compra de veículos elétricos?

VOLT Live: vem aí um apoio europeu para a compra de veículos elétricos?

15 festivais gastronómicos (para comer e beber bem) do Minho ao Algarve

15 festivais gastronómicos (para comer e beber bem) do Minho ao Algarve

Giorgio Armani celebra o seu 90.º aniversário

Giorgio Armani celebra o seu 90.º aniversário

Adélia Prado - Uma voz entre o quotidiano e o transcendente

Adélia Prado - Uma voz entre o quotidiano e o transcendente

Adia várias vezes o alarme de manhã? O problema que pode estar por detrás da

Adia várias vezes o alarme de manhã? O problema que pode estar por detrás da "mania"

Vencedores e vencidos do 25 de Abril na VISÃO História

Vencedores e vencidos do 25 de Abril na VISÃO História

Mangualde fabrica primeiros elétricos

Mangualde fabrica primeiros elétricos "made in" Portugal e vai bater recorde de produção

Os municípios que dão cartas nas exportações

Os municípios que dão cartas nas exportações

12 novas casas de banho funcionais, confortáveis e atraentes

12 novas casas de banho funcionais, confortáveis e atraentes

Os alfaiates de violinos

Os alfaiates de violinos

Sustentabilidade: Este mar que se esgota

Sustentabilidade: Este mar que se esgota

Meghan inspira-se no seu segundo vestido de casamento

Meghan inspira-se no seu segundo vestido de casamento

Sede da PIDE, o último bastião do Estado Novo

Sede da PIDE, o último bastião do Estado Novo

12 novas casas de banho funcionais, confortáveis e atraentes

12 novas casas de banho funcionais, confortáveis e atraentes

Parceria TIN/Público

A Trust in News e o Público estabeleceram uma parceria para partilha de conteúdos informativos nos respetivos sites