Foto: Pexels/Bruno Feitosa

Alopecia é o termo médico usado para classificar toda a queda de cabelo. Importa perceber se os fios que perdemos mais abundantemente no outono fazem parte do processo normal de regeneração ou se acentuam um problema já existente e que é preciso diagnosticar para travar a sua progressão. Falámos com duas médicas dermatologistas especialistas na área de tricologia – que se dedica ao estudo e tratamento do cabelo e couro cabeludo, Paula Quirino e Filipa Osório, para nos explicarem quais são as alopecias mais comuns nas mulheres, os sinais de alerta e que tratamentos existem.

Estamos na estação do ano em que o cabelo cai
mais frequentemente. O que é normal e o que não é?
Paula Quirino:
No outono é normal que caia mais cabelo. Se o normal é que caia 50 e de repente começa a cair 150 cabelos por dia, mas nascerem 150 iguais, não tem problema nenhum. Outra coisa é se dos 150 que nascem, 50 são mais fininhos. Se ao longo dos anos vai-se percebendo que tem menor densidade de cabelo, isso já revela um problema. No fundo, interessa é saber se o volume total do cabelo é mantido ou não, se o elástico com que costuma prender o cabelo tem de dar mais uma volta.
Filipa Osório: As pessoas têm a noção do que é o seu normal, de quanto é esperado cair, as alturas do ano em que cai mais… Se essa queda se torna sustentável ao longo do ano, é claro que deve ir a uma consulta. E sobretudo, se há uma rarefação progressiva, em que as pessoas começam a ver a risca onde se faz a partição do cabelo mais alargada e se começa a ver couro cabeludo à transparência, é sinal que há um problema.

Que tipos de alopecias (queda de cabelo) existem?
PQ
: Nós costumamos dividir as alopecias em dois grandes grupos: as não cicatriciais e as cicatriciais. As primeiras são mais frequentes, podem ser transitórias e têm o potencial de serem total ou parcialmente reversíveis. As segundas são muito raras mas mais graves, isto é, a pessoa perde o cabelo e este não volta a nascer.

Dentro dessas mais frequentes, como se caracterizam as que mais afetam as mulheres?
PQ:
Há três tipos de alopecias não cicatriciais: os eflúvios telogénicos, a alopecia androgenética e a alopecia areata. Cerca de 90% das consultas de queda de cabelo nos dermatologistas são estes três casos.

O que são os eflúvios telogénicos?
PQ: São aquelas quedas de cabelo em que este cai e volta a nascer, às vezes mesmo sem tratamento, no entanto, convém sempre consultar um especialista. Podem ser sazonais, acontecem sobretudo no outono, ou no pós-parto (4 meses depois de nascer o bebé)… as pessoas que tiveram covid também se queixaram de queda de cabelo superior ao normal.
FO: Podem acontecer com maior intensidade também após uma febre, uma doença severa, um stresse emocional, uma cirurgia, situações em que há alterações da tiroide, dietas, e até alguns medicamentos podem aumentar esta percentagem de cabelos que estão em fase de queda.

E a alopecia androgenética, o que é?
FO: É o que vulgarmente chamamos de calvície e é de longe o motivo mais frequente de consulta em tricologia, tanto nos homens como nas mulheres. Aos 70 anos, cerca de 50% das mulheres e 80% dos homens caucasianos têm alopecia androgenética, portanto é um diagnóstico bastante frequente. Nas mulheres há uma perda de densidade no topo da cabeça, o cabelo fica mais ‘ralinho’ nessa zona.
PQ: Neste caso há uma predisposição genética para que o cabelo enfraqueça na zona frontal. O ciclo de cabelo é normal, os cabelos caem normalmente e voltam a nascer, só que alguns deles, no topo da cabeça, nascem mais finos, e assim vai havendo uma redução da densidade do cabelo ao longo da vida. A diferença entre o homem e a mulher é que os homens começam a ficar com entradas e também uma perda na coroa; no caso da mulher não existem entradas, salvo raríssimas exceções, há é uma redução da densidade capilar, o cabelo pode ficar muito fino mas mantém sempre a linha de implantação frontal que não recua.

E, finalmente, no que consiste a alopecia areata?
FO: Trata-se do aparecimento súbito de peladas, de áreas circulares sem cabelo que podem assumir uma extensão maior nos casos mais graves, e que podem surgir no couro cabeludo, nas sobrancelhas, ou, no caso dos homens, na barba também. A grande maioria de mulheres e homens que aparecem nas consultas com este tipo de problemas ficam melhores quando fazem os tratamentos.
PQ: É uma doença autoimune em que há uma inflamação que se gera à volta do folículo piloso e faz com que, de um dia para o outro, os cabelos caiam. Além do stresse, causa número um, associa-se muitas vezes a pessoas que tenham eczema atópico ou que têm doenças da tiroide.

Um dos problemas que mais afeta as mulheres é a diminuição de densidade do cabelo no topo da cabeça.

Falaram de alopecias mais raras mas mais graves…
FO: São as alopecias cicatriciais, que são irreversíveis. No fundo gera-se uma inflamação à volta do folículo piloso, que leva à substituição desta raiz por uma cicatriz e por isso a raiz fica destruída, não volta a nascer. O lúpus eritematoso, que é uma doença que pode afetar vários órgãos, nomeadamente na pele, pode causar manchas na pele do couro cabeludo, causando queda de cabelo.
PQ: Há também a alopecia frontal fibrosante, que apesar de ser rara vê-se cada vez mais em consulta. É uma alopecia que parece uma bandolete. É mais frequente nas mulheres, sobretudo perto da menopausa. O cabelo vai recuando, desde a zona preauricular e frontal, ficando progressivamente sem cabelo. Nestes casos não há hipótese de reverter o processo, e não se sabe qual é a causa. Há várias teorias que têm a ver com alguns componentes de cosméticos, incluindo protetores solares, questões hormonais, mas nada está provado.

Quais são os sintomas dessas alopecias cicatriciais?
PQ: Um sinal de alerta é quando os pelos das sobrancelhas caem. Após 1-2 anos começa a cair o cabelo. Deve procurar logo o médico para se tentar jogar por antecipação, porque, a partir do momento que o cabelo cai, não se consegue inverter a situação.
FO: Prurido deve alertar as pessoas para ir a uma consulta para perceber se é só uma dermatite seborreica, que é frequente e causa comichão, ou não.

A calvície feminina é mais comuns nas mulheresque têm um familiar com o mesmo problema?
FO: É uma doença multifatorial, ou seja, pode ter um papel genético e influência de fatores ambientais. Sabemos que 80% dos doentes tem pelo menos um familiar em primeiro grau afetado, seja do lado do pai como do lado da mãe. Relativamente aos fatores ambientais, não se sabe o que pode estar na génese ou no agravamento da calvície.

Pode aparecer na juventude?
PQ: Sim, tenho cada vez mais jovens de 18-20 anos com alopecias androgenéticas.
FO: Os casos mais graves podem surgir logo a seguir à puberdade, no boom hormonal.

Que tratamentos existem para a alopecia?
PQ: Na generalidade dos casos, como são quedas transitórias autorresolutivas, as ampolas ou suplementos que se compram nas farmácias vão resultar. Mas há muitas pessoas que têm uma patologia e não sabem e andam anos ‘entretidas’ a ver se estes produtos resultam. Só vão a uma consulta numa fase tardia da doença. Mas mesmo nestes casos há muitos tratamentos que resultam bem, embora quanto mais cedo começar a tratar, melhor o resultado.
FO
: Os tratamentos variam conforme o tipo de queda, mas o objetivo de todos é diminuir a quantidade de cabelo que cai e aumentar a densidade, o que acontece na maioria dos casos da alopecia não cicatricial. No fundo, nós estamos a falar de substâncias tópicas que se vão aplicar no couro cabeludo, como o minoxidil. Podemos recorrer também, conforme o caso, a tratamentos de natureza hormonal, como a espironolactona, a finasterida, a imunossupressores se forem situações inflamatórias… é um mundo. Existem outros tratamentos feitos em contexto de clínica, mas a mensagem a transmitir é que há uma possibilidade de melhoria na grande maioria dos doentes, sobretudo nas alopecias não cicatriciais.

Palavras-chave

Relacionados

Mais no portal

Mais Notícias

A relação surpreendente entre o desempenho cognitivo das mulheres e a menstruação

A relação surpreendente entre o desempenho cognitivo das mulheres e a menstruação

"O que é verdadeiramente desafiante é as marcas saberem o que leva as pessoas às lojas e o que funciona online". Leah Johns em entrevista

Oficina do Cego: Aprender as artes gráficas, da serigrafia à tipografia

Oficina do Cego: Aprender as artes gráficas, da serigrafia à tipografia

Os 500 anos de Camões

Os 500 anos de Camões

Fernanda Serrano: “Agora até tenho tempo para mim e é o meu maior luxo”

Fernanda Serrano: “Agora até tenho tempo para mim e é o meu maior luxo”

JL 1400

JL 1400

Nikon Z6 III anunciada com sensor de imagem inédito

Nikon Z6 III anunciada com sensor de imagem inédito

Os planos da Stellantis para criar um ecossistema de software para os carros

Os planos da Stellantis para criar um ecossistema de software para os carros

FlexiSpot E7 Pro em teste: Ora de pé, ora sentado

FlexiSpot E7 Pro em teste: Ora de pé, ora sentado

Salgueiro Maia, o herói a contragosto

Salgueiro Maia, o herói a contragosto

Entre no jogo de copos

Entre no jogo de copos

Aromas de verão para a casa

Aromas de verão para a casa

Os festivais de verão

Os festivais de verão

Quem tinha mais poderes antes do 25 de Abril: o Presidente da República ou o Presidente do Conselho?

Quem tinha mais poderes antes do 25 de Abril: o Presidente da República ou o Presidente do Conselho?

Letizia e Felipe VI celebram 10 anos de reinado

Letizia e Felipe VI celebram 10 anos de reinado

O futuro começou esta noite. Como foi preparado o 25 de Abril

O futuro começou esta noite. Como foi preparado o 25 de Abril

Presta atenção! Já ouviste falar de contrafação?

Presta atenção! Já ouviste falar de contrafação?

Sete livros infantis para levar na mala das férias

Sete livros infantis para levar na mala das férias

Emoção e paixão no casamento de Ivo e David em “Casados à Primeira Vista”

Emoção e paixão no casamento de Ivo e David em “Casados à Primeira Vista”

Guia de essenciais de viagem para a sua pele

Guia de essenciais de viagem para a sua pele

A importância da Formação de Executivos

A importância da Formação de Executivos

Toda a verdade: Produção impediu Sónia de desistir de “Casados à Primeira Vista”

Toda a verdade: Produção impediu Sónia de desistir de “Casados à Primeira Vista”

Alexandra e Flávio de

Alexandra e Flávio de "Casados à Primeira Vista" juntos nos Santos Populares: "Viemos namorar"

19 sítios para ver os jogos do Euro 2024 (e torcer pela Seleção Nacional)

19 sítios para ver os jogos do Euro 2024 (e torcer pela Seleção Nacional)

Os nossos vinhos são os melhores do mundo

Os nossos vinhos são os melhores do mundo

Kia EV9 GT-Line AWD em testes: A referência nos grandes SUV

Kia EV9 GT-Line AWD em testes: A referência nos grandes SUV

Exame 35 anos: venha discutir a Economia e celebrar o nosso aniversário

Exame 35 anos: venha discutir a Economia e celebrar o nosso aniversário

Vídeo: A festa final de 'Miúdos a Votos' na Gulbenkian

Vídeo: A festa final de 'Miúdos a Votos' na Gulbenkian

NATO investe mil milhões de euros em robótica, Inteligência Artificial e fábricas no Espaço

NATO investe mil milhões de euros em robótica, Inteligência Artificial e fábricas no Espaço

Carros elétricos chineses deverão ficar mais caros

Carros elétricos chineses deverão ficar mais caros

A VISÃO Se7e desta semana - edição 1633

A VISÃO Se7e desta semana - edição 1633

Navegando rumo ao futuro digital do oceano

Navegando rumo ao futuro digital do oceano

Kiwi contra um dos mais dolorosos efeitos secundários da quimioterapia. O

Kiwi contra um dos mais dolorosos efeitos secundários da quimioterapia. O "método inovador" criado por investigadores portugueses

Requintado jantar assinala inauguração da nova exposição de Joana Vasconcelos na Boutique Dior, em Lisboa

Requintado jantar assinala inauguração da nova exposição de Joana Vasconcelos na Boutique Dior, em Lisboa

Caiu do céu, mas Portugal mereceu

Caiu do céu, mas Portugal mereceu

Quis Saber Quem Sou: Será que

Quis Saber Quem Sou: Será que "ainda somos os mesmos e vivemos como os nossos pais?"

A caminho de Paris, Charlene e Alberto II recebem a Chama Olímpica no principado do Mónaco

A caminho de Paris, Charlene e Alberto II recebem a Chama Olímpica no principado do Mónaco

Os ténis fabricados no Porto de que a rainha Letizia precisa depois da lesão no pé

Os ténis fabricados no Porto de que a rainha Letizia precisa depois da lesão no pé

Nikon Z6 III anunciada com sensor de imagem inédito

Nikon Z6 III anunciada com sensor de imagem inédito

Zona: Três mitos sobre esta doença que pode ser incapacitante

Zona: Três mitos sobre esta doença que pode ser incapacitante

25 peças para receber a primavera em casa

25 peças para receber a primavera em casa

Vídeo: Vê aqui o espetáculo de 'Miúdos a Votos' 2024

Vídeo: Vê aqui o espetáculo de 'Miúdos a Votos' 2024

Comer em Lisboa: restaurante Kabuki

Comer em Lisboa: restaurante Kabuki

Portugal esgota hoje os recursos deste ano e começa a usar os de 2025

Portugal esgota hoje os recursos deste ano e começa a usar os de 2025

Dior apresenta coleção Cruise Collection 2025

Dior apresenta coleção Cruise Collection 2025

Parceria TIN/Público

A Trust in News e o Público estabeleceram uma parceria para partilha de conteúdos informativos nos respetivos sites