139970731.jpg

Se nos últimos tempos tem a sensação que o cancro é cada vez mais comum, levando inclusivamente a mortes mais precoces, saiba que isso não é fruto de atenção selectiva, muito menos da sua imaginação.

As doenças oncológicas duplicaram nos últimos trinta anos do século vinte e estima-se que tripliquem até 2030, atingindo cerca de 15 milhões de pessoas.

Claro que o aumento da esperança média de vida contribui para estes números, já que há mais tempo para um cancro se desenvolver, sobretudo aqueles que têm maior incidência na velhice, como o da próstata. Mas a principal causa não é esta, até porque os cancros afectam cada vez mais pessoas jovens. “Não é por acaso que antigamente fazíamos os primeiros rastreios do cancro da mama aos 45 e agora estamos a fazer aos 40. A tendência é para fazê-lo cada vez mais cedo, porque começam a aparecer muitas mulheres na casa dos 20 com cancros destes”, revela o oncologista José Manuel Silva Couto, do IPO de Coimbra.

Também não podemos apontar o dedo aos factores genéticos, que, segundo o coordenador da Unidade de Oncologia da Cuf Descobertas João Paulo Fernandes, estão na origem de apenas 10% dos casos de cancro. Restam os factores ambientais, que aparecem cada vez mais como os verdadeiros culpados. Se é assim, o que é que andamos a fazer de errado?

Uma doença dos tempos modernos

Há um cancro adormecido em todos nós. É assim que o médico David Servan-Schreiber começa o livro que se converteu em best-seller e onde conta a sua própria história, desde que descobriu que tinha um tumor cerebral (‘Anti-Cancro – Um novo estilo de vida’, Caderno Editora). Ao mesmo tempo que usava a medicina convencional para curar o seu tumor, David Servan-Schreiber procurava respostas em todos os ramos da ciência para os mistérios do funcionamento do sistema imunitário, nomeadamente as razões da sua debilidade nos tempos modernos.

Encontrou três factores-chave que desenvolve no livro: a alimentação, as toxinas ambientais e os factores psicológicos.

Não são propriamente novidade, mas o certo é que, apesar de os oncologistas referirem o estilo de vida e a alimentação como elementos importantes na prevenção do cancro, fazem-no de uma forma genérica. “Evitar o tabaco e o excesso de álcool, fazer uma alimentação mediterrânica e exercício físico regularmente.” Não há nada parecido com um aconselhamento nutricional anticancro para os doentes oncológicos.

A falta de estudos conclusivos, feitos em larga escala com humanos, relativamente ao poder anticancerígeno dos alimentos é uma das razões apontadas. Talvez porque são caros e suportar investigações sobre as virtudes dos brócolos não traga uma recompensa financeira directa aos financiadores farmacêuticos habituais, sugere Servan-Schreiber. Quanto às toxinas ambientais – os milhares de químicos com que convivemos desde a industrialização -, o seu efeito é cumulativo e pode surgir décadas depois, o que torna difícil estabelecer a relação causa-efeito. Apesar disso, alguns estudos começam a fornecer pistas sobre o caminho a seguir que não devíamos ignorar

Comer para prevenir

A epidemia de cancro, como lhe chama Schreiber, começou depois da Segunda Guerra Mundial, quando se deram alterações cruciais nos processos agrícolas, nomeadamente com a exposição a um grande número de químicos que não existiam até então.

O processamento industrial dos alimentos e a utilização em massa do açúcar refinado alterou por completo os hábitos alimentares, favorecendo o aparecimento do cancro. Assegura que alimentarmo-nos melhor, reduzindo o açúcar, por exemplo, pode fazer a diferença. A falta de provas conclusivas leva a maioria dos médicos a considerar este tipo de aconselhamento especulativo. Como Nuno Costa, oncologista da Novartis Oncology, que assegura não haver estudos credíveis que o justifiquem. Muito menos relativamente ao açúcar. “No cancro são conhecidas algumas vias que envolvem a ‘desregulação’ dos açúcares.

Aceita-se que a obesidade contribui para o risco de cancro da mama, por exemplo, porque está demonstrado que é nas células adiposas que a ‘gordura’ é transformada em estrogénios que, quando em excesso, podem facilitar (mas não causar) o aparecimento do cancro da mama hormonodependente. Mas nem todos dependem desta via metabólica para aparecer. Nem está provado que a redução do açúcar tenha efeitos na prevenção do cancro”, diz.

 

Os conselhos de Schreiber, para prevenir o cancro são:

• Elimine o açúcar e farinhas refinadas. Em 1830 comíamos cerca de 5kg de açúcar por ano. Em finais do século XX já estávamos nos 70kg/ano. Schreiber aconselha uma redução drástica destes açúcares como forma de dificultar o aparecimento de cancro.

• Evite comer doces entre as refeições. Bolos, bolachas e refrigerantes são alguns alimentos com elevado índice glicémico, que provocam picos de insulina, fazendo subir rapidamente os níveis de açúcar no sangue. Isto acontece sobretudo se consumidos fora das refeições.

• Prefira arroz e pão integrais e consuma mais legumes e leguminosas (feijão, ervilhas, lentilhas) de índice glicémico mais baixo.

• Reduza os lacticínios e a carne de animais alimentados com ração. O nosso equilíbrio fisiológico depende muito do equilíbrio entre os ómega 6 e ómega 3 – e, portanto, da alimentação, já que o corpo humano não é capaz de produzi-los. Este equilíbrio alterou-se nos últimos 50 anos, quando passámos a alimentar o gado com milho, trigo e soja – muito ricos em ómega 6, mas pobres em ómega 3 – em vez de pasto, diz Schreiber. Acontece que este excesso de ómega 6 estimula os processos inflamatórios do organismo que, por sua vez, favorecem o aparecimento de alguns cancros, nomeadamente os relacionados com processos inflamatórios crónicos, como o do colo do útero, estômago, cólon e fígado. Basicamente, “as células cancerosas alastram segregando substâncias que criam uma inflamação local que estimula ainda mais o seu crescimento”.

Ao contrário do que acontece nas infecções normais, em que a produção de substâncias inflamatórias pára quando o tecido está reparado, no cancro, esta produção é contínua, acabando por bloquear o funcionamento do sistema imunitário. Podemos ajudar o organismo, promovendo o equilíbrio entre ómega 6 e 3, o que passa por limitar carne e lacticínios de animais alimentados com ração de milho, trigo e soja e aumentar as fontes de ómega 3, como peixes gordos (salmão, sardinhas, anchovas, cavala), abacate e nozes

Combater a poluição invisível

Lidamos todos os dias com uma quantidade gigantesca de químicos inexistentes há um par de décadas. Basta ver que a produção anual de químicos sintéticos aumentou de um milhão de toneladas em 1930 para 200 milhões actualmente. Muitos são disruptores endócrinos, isto é, têm o condão de imitar as hormonas, um problema quando se sabe que há muitos cancros hormonodependentes. E estão em todo o lado: herbicidas, pesticidas, plásticos, e até nos produtos domésticos e de beleza. Não podemos evitá-los a todos, mas por isso mesmo é cada vez mais importante assumir responsabilidade pelo que consumimos, saber de onde vem, o que contém, aprender a ler os rótulos. A boa notícia é que, mesmo com químicos, um sistema imunitário forte consegue neutralizar os maiores perigos.

Um duelo com o sistema imunitário

O organismo produz constantemente células defeituosas, e este é o ponto de partida dos tumores, mas também está equipado com um mecanismo que detecta e controla essas células, impedindo-as de se multiplicarem: o nosso sistema imunitário. Se uma em cada quatro pessoas morre de cancro, três não chegam a desenvolvê-lo graças à actuação das suas defesas naturais.

Um bom exemplo é a comparação da taxa de cancro da próstata no Ocidente e no Oriente. É muito menor no Oriente, no entanto, a próstata dos asiáticos que morrem antes dos 50 de outras causas revela a mesma quantidade de microtumores pré-cancerosos dos ocidentais, o que parece indicar que algo no seu estilo de vida evitou esse desenvolvimento. Por outro lado, a taxa de cancro dos japoneses que vêm viver para o Ocidente torna-se igual na segunda geração, o que leva a crer que há algo no nosso estilo de vida que enfraquece as nossas defesas.

Os tumores agressivos que deixam de evoluir sem explicação aparente continuam a espantar os cientistas. “O corpo consegue agrupar as defesas e neutralizar o avanço do cancro”, explica o oncologista José Manuel Couto. Parece que qualquer factor pode ser crucial na promoção de um tumor. Neste duelo vence o mais forte. “O problema é que temos cada vez mais factores perturbadores do nosso sistema imunitário.”

Palavras-chave

Relacionados

Mais no portal

Mais Notícias

Caso das gémeas: Mãe das crianças diz que não sabe como a história da doença das filhas chegou a Nuno Rebelo de Sousa

Caso das gémeas: Mãe das crianças diz que não sabe como a história da doença das filhas chegou a Nuno Rebelo de Sousa

Navegando rumo ao futuro digital do oceano

Navegando rumo ao futuro digital do oceano

Jl 1401

Jl 1401

Sede da PIDE, o último bastião do Estado Novo

Sede da PIDE, o último bastião do Estado Novo

Celebrações do 10.º aniversário do reinado de Felipe VI e Letizia encerram com espetáculo público

Celebrações do 10.º aniversário do reinado de Felipe VI e Letizia encerram com espetáculo público

ATL para cientistas

ATL para cientistas

De Zeca Afonso a Adriano Correia de Oliveira. O papel da música de intervenção na revolução de 1974

De Zeca Afonso a Adriano Correia de Oliveira. O papel da música de intervenção na revolução de 1974

Os ténis fabricados no Porto de que a rainha Letizia precisa depois da lesão no pé

Os ténis fabricados no Porto de que a rainha Letizia precisa depois da lesão no pé

Comer em Lisboa: restaurante Kabuki

Comer em Lisboa: restaurante Kabuki

No regresso aos vestidos e às sandálias, Letizia usa fitas cinesiológicas

No regresso aos vestidos e às sandálias, Letizia usa fitas cinesiológicas

O restaurante português que conquistou Georgina Rodriguez

O restaurante português que conquistou Georgina Rodriguez

A meio caminho entre o brioche e o folhado, assim são os protagonistas da Chez Croissant

A meio caminho entre o brioche e o folhado, assim são os protagonistas da Chez Croissant

ERP à medida de todas as empresas

ERP à medida de todas as empresas

EXAME 481 - Junho de 2024

EXAME 481 - Junho de 2024

Um novo estúdio em Lisboa para jantares, showcookings, apresentações de marcas, todo decorado em português

Um novo estúdio em Lisboa para jantares, showcookings, apresentações de marcas, todo decorado em português

ATL para artistas

ATL para artistas

AlmaLusa Comporta: Arrozais à vista

AlmaLusa Comporta: Arrozais à vista

Moda: 20 cestas para usar no dia a dia

Moda: 20 cestas para usar no dia a dia

VISÃO Se7e: Aproveitar os dias e noites de verão

VISÃO Se7e: Aproveitar os dias e noites de verão

A relação surpreendente entre o desempenho cognitivo das mulheres e a menstruação

A relação surpreendente entre o desempenho cognitivo das mulheres e a menstruação

Carros elétricos chineses deverão ficar mais caros

Carros elétricos chineses deverão ficar mais caros

João Paulo Esteves da Silva - O piano e todas as margens

João Paulo Esteves da Silva - O piano e todas as margens

Recorde a vida do príncipe William no dia em que celebra 42 anos

Recorde a vida do príncipe William no dia em que celebra 42 anos

Alpine A290: elétrico, tecnológico… e endiabrado

Alpine A290: elétrico, tecnológico… e endiabrado

ESG Talks: “O Alqueva veio resolver muitos problemas que tínhamos na região”

ESG Talks: “O Alqueva veio resolver muitos problemas que tínhamos na região”

ATL para desportistas e aventureiros

ATL para desportistas e aventureiros

Dior apresenta coleção Cruise Collection 2025

Dior apresenta coleção Cruise Collection 2025

A La Redoute Intérieurs apresentou a sua nova coleção em Paris

A La Redoute Intérieurs apresentou a sua nova coleção em Paris

Novo estudo científico revela que o cérebro tenta prever o futuro enquanto se encontra em repouso

Novo estudo científico revela que o cérebro tenta prever o futuro enquanto se encontra em repouso

Em “A Promessa”: Laura impede que Helena maltrate Miguel

Em “A Promessa”: Laura impede que Helena maltrate Miguel

Os planos da Stellantis para criar um ecossistema de software para os carros

Os planos da Stellantis para criar um ecossistema de software para os carros

Os 500 anos de Camões

Os 500 anos de Camões

Quem tinha mais poderes antes do 25 de Abril: o Presidente da República ou o Presidente do Conselho?

Quem tinha mais poderes antes do 25 de Abril: o Presidente da República ou o Presidente do Conselho?

Os nossos vinhos são os melhores do mundo

Os nossos vinhos são os melhores do mundo

Zona: Três mitos sobre esta doença que pode ser incapacitante

Zona: Três mitos sobre esta doença que pode ser incapacitante

Criador do Orkut tem planos para abrir a rede social da felicidade

Criador do Orkut tem planos para abrir a rede social da felicidade

Mariana arrasa Daniel após “traição” em “Casados à Primeira Vista”

Mariana arrasa Daniel após “traição” em “Casados à Primeira Vista”

Os telemóveis que vão deixar de poder ter WhatsApp já nos próximos dias

Os telemóveis que vão deixar de poder ter WhatsApp já nos próximos dias

Jantar fora à segunda-feira? É no Sea Me – Peixaria Moderna

Jantar fora à segunda-feira? É no Sea Me – Peixaria Moderna

ESG Talks:

ESG Talks: "Nós somos muito rápidos a criar legislação e depois pouco rápidos a operacionalizá-la"

Como as poeiras do Saara podem ajudar a impedir furacões

Como as poeiras do Saara podem ajudar a impedir furacões

Investigadores testam bússola quântica no metropolitano de Londres

Investigadores testam bússola quântica no metropolitano de Londres

"O que é verdadeiramente desafiante é as marcas saberem o que leva as pessoas às lojas e o que funciona online". Leah Johns em entrevista

Entre no jogo de copos

Entre no jogo de copos

Pigmentarium: perfumaria de nicho inspirada na herança cultural da República Checa

Pigmentarium: perfumaria de nicho inspirada na herança cultural da República Checa

Parceria TIN/Público

A Trust in News e o Público estabeleceram uma parceria para partilha de conteúdos informativos nos respetivos sites