Getty

Filipa + Pekel
Portugal e Brasil

Já foi há mais de 15 anos que Filipa Frias, responsável pela comunicação e marketing digital de marcas do mercado de beleza profissional, e Pekel (alcunha pelo qual Nuande Silva é conhecido), chef de sushi e fundador do Moa Sushi em Cascais, se conheceram. “Foi um amor à primeira vista mas com os pés bem assentes na terra. Assim que nos conhecemos houve logo uma faísca e passados poucos dias começou a nascer um amor que esperamos seja para a vida toda. A nossa receita é levar a vida um dia de cada vez, deixamos tudo acontecer com muita calma e sem pressa. A nossa amizade é o mais importante e sem isso não existe uma base sólida para o nosso amor. Quando nos conhecemos, o Pekel já vivia em Portugal há uns anos com a mãe e os irmãos. Quando começámos a pensar em algo mais ‘sério’ já estávamos há mais de ano e meio juntos. O facto de sermos de culturas diferentes não foi importante na altura, hoje sabemos que com paciência e flexibilidade tudo se resolve. Nós somos muito diferentes, temos mesmo dificuldade em encontrar características comuns, é o verdadeiro caso de ‘os opostos atraem-se’, e acabámos por adotar características um do outro. Adoro a descontração face à vida, a positividade, o viver o dia de hoje sem olhar para trás ou demasiado para o futuro. O Pekel adotou características minhas, o gosto de estar em família, o passear e explorar o mundo, o equilíbrio entre os momentos de trabalho e de descanso. Apesar de Pekel não gostar do frio do inverno, ainda assim nunca pensámos em ir para o Brasil, ele adora o nosso país, tem cá o seu negócio, eu trabalho aqui, temos cá os nossos filhos, a Carolina (nome da música do Seu Jorge, o cantor preferido do meu marido) e o Bernardo (nome do melhor amigo do meu marido no Brasil, o surfista Bernardo Pigmeu). É claro que ele tem saudades do seu país, é normal, ouvimos música brasileira, vemos filmes e séries do Brasil, vamos a um bom restaurante brasileiro quase todas as semanas, e cá em casa feijão e arroz é aquele prato que está sempre disponível. O irmão do Pekel também vive cá, o que é ótimo, a mãe está na Suécia e está sempre a visitar-nos – menos agora com a pandemia –, a irmã está no Brasil e no ano passado fomos ter com ela, o plano era para ir este ano também mas não vai dar, embora com o Facetime possamos matar as saudades.”

*************************************************************************************************

Jessica + Jorge
Chile e Portugal

Jessica e Jorge (amor luso-chileno)

Jorge Salvador conheceu Jessica Lira numa festa de aniversário de um amigo em comum, em 2008, em Santiago do Chile, para onde tinha ido uns anos antes através do programa de estágios InonContacto, para o qual se tinha candidatado como gestor. Foi com a intenção de ficar seis meses e acabou por ficar 10 anos. “A nossa história de amor começou no momento e lugar onde menos esperávamos, mas tivemos química imediata, o que se traduziu numa animada conversa durante quase toda a noite. Passada uma semana, durante a qual trocámos alguns sms, convidei a Jessica para vir jantar a minha casa e provar um prato típico português, bacalhau com natas… o único que eu sabia fazer (risos). Passado algum tempo começámos a namorar e vimos que tínhamos muito em comum e um projeto de vida semelhante, apesar das nossas geografias e culturas serem diferentes. Essas diferenças, aliás, foram um fator de atração e de vontade de nos conhecermos melhor. Em 2010 ficámos noivos e no ano seguinte, em outubro, casámo-nos no Chile. Aí ficámos até 2016, altura em que embarcámos numa nova aventura em Cabo Verde. Desde o início que falámos na possibilidade de termos de sair do Chile devido ao meu trabalho, e Jessica, que é engenheira, sempre se mostrou disponível para me acompanhar. Por motivos laborais, voltámos a Portugal para viver, país que Jessica já conhecia como turista. Como boa sul-americana, Jessica é extrovertida, prática e otimista, uma das coisas que a incomoda nos portugueses é sermos um pouco pessimistas e por vezes não valorizarmos o país que temos. Mas adora a nossa simpatia e bom humor, e é grande apreciadora de fado e da nossa gastronomia. A única coisa má de viver em Portugal é estar a 10.000km da família e amigos. Tentamos manter a ligação ao Chile através das plataformas digitais e redes sociais. Também cozinhamos pratos típicos chilenos e às vezes compramos as empanadas chilenas que se podem encontrar em Lisboa.  A nossa vida tornou-se mais completa com o nascimento da nossa filha Leonor e queremos que ela tenha contacto com ambas as culturas, por isso eu falo só em português com ela, e a mãe em espanhol, cantando-lhe canções infantis chilenas e preparando comida típica do Chile. O melhor dos dois mundos.”

 

***********************************************************************************************

Hortense + Won
Portugal e Coreia do Sul

Quando se fala com Chong Song Won é impossível não ficar impressionado com a alegria com que fala de viver em Portugal. Atualmente com 71 anos, Won vive no nosso país há 48. Veio para cá em 1972, perdeu-se de amores por Hortense e já não saiu “deste país maravilhoso, e do Caramulo, onde moro desde que cheguei. Vim com 23 anos, a convite de um empresário desta região que tinha um dos aviários mais modernos da Península Ibérica. Naquela altura, a Coreia era um país devastado pela guerra civil, e os jovens como eu tentavam emigrar para melhorar as suas condições de vida. Era técnico de sexagem, uma atividade que existia na Coreia e no Japão e era muito requisitada por vários países em todo o mundo. Trata-se de fazer a separação, à nascença, entre pintos de sexo masculino e feminino. Vim eu e outro amigo coreano, não sabíamos uma palavra de português mas o povo português recebeu-nos muito bem. Já estava cá há 3 anos quando conheci a Hortense, que era enfermeira no IPO em Lisboa mas tinha-se deslocado ao Caramulo para visitar uma amiga, também enfermeira no IPO, que estava com tuberculose e fazia tratamentos no Sanatório que havia aqui no Caramulo naquela altura. Foi assim que nos conhecemos, através dessa amiga. Casámos e em 1977 tivemos a primeira filha, em 79 a segunda e o 3.º filho em 1982. E já não fazia sentido sair de Portugal, não é?” Hortense é pragmática quando fala nas diferenças culturais, “qual é o casal que não tem os seus conflitos, nós também tivemos os nossos, mas sempre conseguimos ultrapassar as diferenças culturais. Uma das coisas que mais admiro no meu marido é a sua capacidade de trabalho, aliás, uma coisa que os meus filhos herdaram. No final dos anos 70, a sexagem começou a tornar-se menos importante e o meu marido resolveu procurar outras fontes de rendimento, é incapaz de estar quieto, ainda hoje é assim. Foi então que abriu a nossa fábrica de compotas, Won, que ainda existe. É pequena, mas não fabricamos só as compotas Won, fornecemos para as marcas Próvida e Cem Porcento. Foi ele que se lembrou de fazer compotas com uma técnica milenar coreana em que se produz geleia de milho a partir de farinha de milho e cevada germinada. É uma pessoa muito viva, que gosta de receber bem os seus conterrâneos e as pessoas gostam muito dele.” Por causa da pandemia, as viagens até à Coreia do Sul para visitar a família estão suspensas, mas “falamos por telefone. Tive a sorte de receber os meus pais há uns anos, quando eram vivos. Podem ter ficado tristes por eu não voltar para a Coreia, mas perceberam que a minha vida é aqui. Sabe que fizeram um inquérito na TV coreana, em que perguntaram qual era o país do mundo que gostavam de viver? A maioria respondeu Portugal! Eu concordo, é bonito, tem praias maravilhosas e é seguro. A Coreia é um país muito bonito mas tem problemas, é o segundo país do mundo com mais suicídios entre os mais velhos, e a saúde e a educação são muito caras. Vou matando saudades com os telefonemas e com comida, aqui em casa é 70% gastronomia portuguesa, 30% coreana. Às vezes também vamos a restaurantes coreanos quando visitamos os nossos filhos em Lisboa”, remata Won.

**********************************************************************************************

 

Rebecca + João
Países Baixos e Portugal

Temos de começar por dizer que Rebecca é uma holandesa muito portuguesa porque nasceu em Portimão, filha de mãe neerlandesa e pai inglês. Ali viveu até aos 11 anos, altura em que a família regressou aos Países Baixos, tendo vivido ali até aos 25. Com um diploma em Gestão Hoteleira na mão e com muitas saudades do ensolarado Portugal, voltou para o Algarve, onde ficou durante cerca de um ano, para seguir até à capital, onde o seu caminho se cruza com o de João, lisboeta, licenciado em Gestão com especialização em marketing, e que resolveu lançar-se no ramo da hotelaria há mais de uma década. “Conhecemo-nos há 10 anos numa entrevista de emprego, cheia de sorrisos, na qual fui contratada. Não acreditamos nisso de amor à primeira vista, houve um click sim, logo no início, e depois começámos a trabalhar e a passar muito tempo juntos e foi aí que o amor cresceu. Ao princípio o meu português era muito mauzinho, esqueci-me de muito vocabulário, apesar de todos aqueles anos que aqui passei, por isso falávamos um com o outro em inglês, agora já só falamos português um com o outro. Acho que o facto de sermos de culturas diferentes enriqueceu a nossa relação, complementamo-nos muito bem, o João é mais latino e eu trago uma visão mais direta ao assunto. Ir viver para os Países Baicos nunca nos passou pela cabeça, e o João ainda menos, adora o calor e a cultura latina, tem cá o seu trabalho, e eu vim para cá morar, e agora temos 2 filhos, a Sara e o Duarte, que são uma perfeita mistura da cultura holandesa com a portuguesa… bem, mais portuguesa que holandesa (risos). Adoramos viver em Portugal, a cultura, a comida, o clima, é um país onde se vive bem, muito seguro e com a possibilidade de fazer inúmeras atividade outdoor. E eu gosto muito de viver em Lisboa, perto de tudo. Podes, a cada dia, sair para outras localidades e todas são muito diferentes, parece que estamos num país diferente. Só tenho é uma coisa a apontar, as coisas aqui funcionam de forma muito lenta, a burocracia… Muito de vez em quando tenho saudades dessa parte do norte da Europa mas aqui as pessoas são mais simpáticas, embora menos abertas que os neerlandeses, os portugueses são mais reservados, o que nem sempre é uma coisa má, mas às vezes sinto falta de uma maneira de comunicar mais ‘direta’. Para matar saudades vou aos Países Baixos ou a família ou os amigos vêm cá.”

*Artigo publicado originalmente na revista ACTIVA em setembro de 2020

Palavras-chave

Relacionados

Mais no portal

Mais Notícias

Desfile de chapéus reais nas corridas de cavalos de Ascot

Desfile de chapéus reais nas corridas de cavalos de Ascot

Adoçante comum presente em pastilhas elásticas e até pastas dentífricas associado a duplicação do risco de AVC e enfarte

Adoçante comum presente em pastilhas elásticas e até pastas dentífricas associado a duplicação do risco de AVC e enfarte

A relação surpreendente entre o desempenho cognitivo das mulheres e a menstruação

A relação surpreendente entre o desempenho cognitivo das mulheres e a menstruação

No regresso aos vestidos e às sandálias, Letizia usa fitas cinesiológicas

No regresso aos vestidos e às sandálias, Letizia usa fitas cinesiológicas

ESG Talks: “O Alqueva veio resolver muitos problemas que tínhamos na região”

ESG Talks: “O Alqueva veio resolver muitos problemas que tínhamos na região”

Mariana arrasa Daniel após “traição” em “Casados à Primeira Vista”

Mariana arrasa Daniel após “traição” em “Casados à Primeira Vista”

Claude: novo modelo já supera o GPT-4o em alguns testes

Claude: novo modelo já supera o GPT-4o em alguns testes

Moda: 20 cestas para usar no dia a dia

Moda: 20 cestas para usar no dia a dia

ATL para desportistas e aventureiros

ATL para desportistas e aventureiros

Mulheres confiantes antecipam o verão em fim de tarde à beira-mar

Mulheres confiantes antecipam o verão em fim de tarde à beira-mar

Jl 1401

Jl 1401

Criador do Orkut tem planos para abrir a rede social da felicidade

Criador do Orkut tem planos para abrir a rede social da felicidade

Entre no jogo de copos

Entre no jogo de copos

Inster será o 100% elétrico mais acessível da Hyundai

Inster será o 100% elétrico mais acessível da Hyundai

Salgueiro Maia, o herói a contragosto

Salgueiro Maia, o herói a contragosto

"O Amor Segundo Dalva": Um filme sobre crescer antes de tempo

Um Jardim de Verão na Fundação Gulbenkian com concertos e filmes gratuitos

Um Jardim de Verão na Fundação Gulbenkian com concertos e filmes gratuitos

Alpine A290: elétrico, tecnológico… e endiabrado

Alpine A290: elétrico, tecnológico… e endiabrado

ATL para artistas

ATL para artistas

Como as poeiras do Saara podem ajudar a impedir furacões

Como as poeiras do Saara podem ajudar a impedir furacões

João Paulo Esteves da Silva - O piano e todas as margens

João Paulo Esteves da Silva - O piano e todas as margens

Kiwi contra um dos mais dolorosos efeitos secundários da quimioterapia. O

Kiwi contra um dos mais dolorosos efeitos secundários da quimioterapia. O "método inovador" criado por investigadores portugueses

Vencedores e vencidos do 25 de Abril na VISÃO História

Vencedores e vencidos do 25 de Abril na VISÃO História

JL 1400

JL 1400

Óculos de sol: 35 modelos para usar agora e sempre

Óculos de sol: 35 modelos para usar agora e sempre

O carinhoso gesto de William com os pais de Kate nas famosas corridas de Ascot

O carinhoso gesto de William com os pais de Kate nas famosas corridas de Ascot

Guia de essenciais de viagem para a sua pele

Guia de essenciais de viagem para a sua pele

VISÃO Se7e: Aproveitar os dias e noites de verão

VISÃO Se7e: Aproveitar os dias e noites de verão

ESG Talks: “A ciência, a tecnologia e a inovação são sempre fundamentais”

ESG Talks: “A ciência, a tecnologia e a inovação são sempre fundamentais”

Num dos próximos quatro anos, o planeta deverá mesmo exceder 1,5ºC de aumento de temperatura

Num dos próximos quatro anos, o planeta deverá mesmo exceder 1,5ºC de aumento de temperatura

Campos de férias: será que o meu filho sobrevive?

Campos de férias: será que o meu filho sobrevive?

De Zeca Afonso a Adriano Correia de Oliveira. O papel da música de intervenção na revolução de 1974

De Zeca Afonso a Adriano Correia de Oliveira. O papel da música de intervenção na revolução de 1974

10

10 "looks" de Letizia com ténis

Investigadores testam bússola quântica no metropolitano de Londres

Investigadores testam bússola quântica no metropolitano de Londres

Pigmentarium: perfumaria de nicho inspirada na herança cultural da República Checa

Pigmentarium: perfumaria de nicho inspirada na herança cultural da República Checa

A meio caminho entre o brioche e o folhado, assim são os protagonistas da Chez Croissant

A meio caminho entre o brioche e o folhado, assim são os protagonistas da Chez Croissant

Em “A Promessa”: Maria faz acordo com António para tirar Nuno da prisão

Em “A Promessa”: Maria faz acordo com António para tirar Nuno da prisão

Caras Decoração de junho: celebrar o bom tempo e a vida ao ar livre

Caras Decoração de junho: celebrar o bom tempo e a vida ao ar livre

ESG Talks: “Temos de valorizar o ambiente e os ecossistemas”

ESG Talks: “Temos de valorizar o ambiente e os ecossistemas”

Golpe do

Golpe do "abate do porco": Como estes esquemas internacionais estão a arruinar vidas

Em “Senhora do Mar”: Manuel impede que Alex rapte Júlia antes de morrer

Em “Senhora do Mar”: Manuel impede que Alex rapte Júlia antes de morrer

Os telemóveis que vão deixar de poder ter WhatsApp já nos próximos dias

Os telemóveis que vão deixar de poder ter WhatsApp já nos próximos dias

Carros elétricos chineses deverão ficar mais caros

Carros elétricos chineses deverão ficar mais caros

Portugal esgota hoje os recursos deste ano e começa a usar os de 2025

Portugal esgota hoje os recursos deste ano e começa a usar os de 2025

A La Redoute Intérieurs apresentou a sua nova coleção em Paris

A La Redoute Intérieurs apresentou a sua nova coleção em Paris

Parceria TIN/Público

A Trust in News e o Público estabeleceram uma parceria para partilha de conteúdos informativos nos respetivos sites