Foto Pexels/Mart Production

1. Escrever à mão

Achamos que somos muito adultos e evoluídos até que, por qualquer razão, temos de anotar qualquer coisa num papel. Olhamos para aquilo e é a mesma letra de quando tinhamos 6 anos… ou pior. A falta de prática só fez com que quaisquer gatafunhos traçados num papel pareçam vindas de uma criança. Olhamos para aquilo e até nos envergonhamos. Mas afinal, numa altura em que se discute se as crianças devem aprender exclusivamente em computador, não é um panorama que vá mudar.

2. Memorizar números de telefone

Pense lá: perde o telemóvel. Tem de pedir um emprestado a alguém. A quem é que consegue ligar assim do nada, sem ajuda? À sua mãezinha? À sua filha? E a quem mais? Decorar números de telefone já passou à história. Ah, e também não memorizamos andares. Chegamos à rua da pessoa, ligamos e dizemos ‘desce’.

3. Seguir um mapa

Dantes, antes de se fazer uma viagem estudava-se o itinerário. Agora uma pessoa entra no carro e grita ao GPS: “Rua do Totó, nº3!” e ele que se amanhe. Dantes todos os carros tinham um mapa no tablier, a pessoa parava a meio, desdobrava aquela coisa e sublinhava as estradas, e o pendura ia com aquilo tudo aberto a girar as folhas e a tentar fazer sentido do quebra-cabeças. Agora digam lá, quem é que tem um mapa no carro? Dantes uma pessoa enganava-se no caminho, metia a cabeça fora da janela e caçava o primeiro transeunte: ‘O senhor desculpe, a Rua do Totó?’ e levava com aquela litania dos ‘Gatos Fedorentos: ‘vai sempre em frente, num bira, num bira, num bira…” Agora a pessoa engana-se no caminho, diz: “Espera aí que eu vou recentrar isto, ela já está toda destrambelhada” e torna a gritar ao GPS “Rua do Totó, nº3!”

4. Decorar datas de aniversário

Dantes uma pessoa lembrava-se pelo menos dos pais, dos filhos, dos avós, dos tios, dos amigos mais próximos, e com sorte de alguém que fizesse anos num dia mais exótico, como 25 de Dezembro ou 25 de Abril. Agora, o Facebook encarrega-se de nos lembrar até do dia de anos de perfeitos desconhecidos. Quando somos nós, recebemos 18462846 mensagens a desejar parabéns, ficamos comovidíssimos, respondemos com aquela lengalenga do ‘na impossibilidade de agradecer a todos’ etc, e nem nos lembramos que o mérito é do algoritmo. Experimentem desativar a vossa data de aniversário e já vão ver quantas pessoas vos dão os parabéns.

5. Bordar

Ou coser meias, ou, para os (as) mais dotados, fazer uma bainha. Claro que hoje há quem ainda saiba fazer ponto cruz, tricot ou croché, mas já não é uma ‘skill’ universalmente domada por todos (pronto, todas).

6. Escrever uma carta

‘Excelentíssima menina Maria Amélia: não há palavras que descrevam a emoção que vossa excelência me causou ao ter a caridade de responder tão carinhosamente a este vosso criado.” Está bem, ok, mesmo os nossos pais já não escreviam assim, mas ainda não há muito tempo compunhamos cartas de 3 páginas aos nossos amigos durante as férias. Ainda há quem ainda guarde sacos de cartas destas, sem saber bem o que lhes fazer. Hoje se levarem o SMS a dizer ‘já xgeui, bom tpo, bj’ já vão com sorte. Portanto, cartas já nem ao Pai Natal (agora quando muito fazem círculos nos catálogos de brinquedos, e os mais elaborados mandam links). Já agora, escrever um diário também já foi chão que deu uvas. E fazia-nos tão bem.

7. Mudar um pneu

A malta ficava empanada na estrada mas não se atrapalhava: sacava do macaco e aí vai disto. Em vinte minutos qualquer macho (enfim, a maioria das mulheres não sei se já dominava esta arte) digno desse nome tinha um pneu novinho em folha no lugar do estropiado e seguia viagem a limpar as mãos ao volante. Hoje: chama-se o seguro. O reboque. O ACP.

8. Fazer compotas

E sabonetes. Até porque muitas pessoas tinham árvores de fruto, e nessa altura não se desperdiçava nada. Alinhavam-se frascos de vidro com compotas de maçã, de ameixa, de laranja, e durante o ano toda a família se deliciava. Hoje: para quê a trabalheira. Vamos mas é ao hipermercado. Nem durante o Covid nos voltámos para o doce. Nós eramos mais pão.

9. Fazer contas de cabeça

Ora bem, deixa cá ver António, 45 mais 78 mais 94,5 dá quanto? Dantes qualquer mortal sabia fazer contas básicas de cabeça, o que dava jeito em qualquer altura da vida. Hoje o máximo que contamos é em múltiplos de 8 no ginásio. Fazemos cada vez mais cntas à vida, pois fazemos, mas sempre com ajuda.

10. Entreter as crianças

Levava-se os putos ao restaurante, ou naquelas intermináveis viagens de carro, e tinha de se aturar a prole a choramingar ou a perguntar de cinco em cinco segundos ‘ainda falta muito?’ A não ser que se deixasse a coisa escalar para motim doméstico, não havia remédio senão puxar pela imaginação, que era o que estava à mão: o jogo do STOP, o ‘quem adivinha o que estou a ver’, ‘estou a pensar numa coisa começada por A’, contar os carros azuis, fazer uma frase com 3 palavras diferentes, ou simplesmente lembrar-se de levar papel e canetas para os miúdos não se pegarem. Hoje atira-se-lhes o ipad para o colo e já está.

11. Meter conversa

Nem sempre queria dizer ‘engatar alguém num bar’, podia significar apenas a capacidade de estar no mesmo sítio que outro ser humano com cara de boa pessoa e começar uma conversa que muitas vezes levava a boas e duradouras amizades. Hoje se formos com outra pessoa num elevador durante 1 minuto e 10 segundos já ficamos desconfortáveis, quanto mais meter conversa. Herança do Covid?

12. Aborrecer-se

Hoje até há quem ande pela rua de olhos mergulhados no seu smartphone a chocar com o próximo e quem não aguente um semáforo e saque imediatamente do telemóvel… Perdemos a capacidade de observar o mundo à nossa volta, de olhar para as nuvens, de saber o nome das árvores, de descodificar a expressão dos outros, de passar uma tarde de verdadeiro aborrecimento. Stressamos porque temos a vida preenchida com mil e uma atividades, e quando não temos, stressamos porque não sabemos o que fazer. Habituamos as crianças a não terem um minuto desprogramado, a que haja sempre um adulto a dizer-lhes o que fazer, e não lhes ensinamos como o aborrecimento pode ser imensamente produtivo…

Palavras-chave

Relacionados

Mais no portal

Mais Notícias

O Memorial da Revolução de Hugo Gonçalves

O Memorial da Revolução de Hugo Gonçalves

Celebridades desfilam cor, brilho e boa disposição na

Celebridades desfilam cor, brilho e boa disposição na "red carpet" dos BAFTA

Suicide Squad: Kill The Justice League em análise: Os (bons) maus da fita

Suicide Squad: Kill The Justice League em análise: Os (bons) maus da fita

Imanol: Pintxos, tapas e tarte de queijo no novo balcão do Príncipe Real, em Lisboa

Imanol: Pintxos, tapas e tarte de queijo no novo balcão do Príncipe Real, em Lisboa

Rita Pereira desmente separação do namorado e garante:

Rita Pereira desmente separação do namorado e garante: "Nunca estivemos em crise"

Apartamento em Cascais: sobriedade contemporânea

Apartamento em Cascais: sobriedade contemporânea

JL 1393

JL 1393

Kelly Bailey comenta a aquisição da nova habitação milionária: “Precisávamos de uma casa maior”. Veja as imagens!

Kelly Bailey comenta a aquisição da nova habitação milionária: “Precisávamos de uma casa maior”. Veja as imagens!

Tesla Model 3 'Highland' em teste: Este carro devia ser mais caro…

Tesla Model 3 'Highland' em teste: Este carro devia ser mais caro…

As Revoluções Francesas na VISÃO História

As Revoluções Francesas na VISÃO História

Exposição: Papier & Terre Mêlée na Ojo Gallery em Lisboa

Exposição: Papier & Terre Mêlée na Ojo Gallery em Lisboa

Tempos de Antena ‘Miúdos a Votos’: ‘Harry Potter e a Pedra Filosofal’

Tempos de Antena ‘Miúdos a Votos’: ‘Harry Potter e a Pedra Filosofal’

Raimundo considera decisivo reforçar a CDU para mudar rumo do país

Raimundo considera decisivo reforçar a CDU para mudar rumo do país

A elegância de Matilde Reymão na semana da moda em Milão

A elegância de Matilde Reymão na semana da moda em Milão

Quase 2,5 milhões de pessoas vacinadas contra a gripe desde início da campanha

Quase 2,5 milhões de pessoas vacinadas contra a gripe desde início da campanha

Afinal, nenhum tipo de toalhitas pode ser deitado na sanita

Afinal, nenhum tipo de toalhitas pode ser deitado na sanita

Livre defende aposta no SNS e rejeita

Livre defende aposta no SNS e rejeita "discurso catastrofista"

Companhia Paulo Ribeiro estreia nova coreografia de dança no Estoril

Companhia Paulo Ribeiro estreia nova coreografia de dança no Estoril

Caras Decoração de fevereiro: tranquilidade e aconchego em primeiro lugar

Caras Decoração de fevereiro: tranquilidade e aconchego em primeiro lugar

Governo admite medidas mais gravosas para garantir reservas de água no Algarve

Governo admite medidas mais gravosas para garantir reservas de água no Algarve

Abrir a UE a países de África, reverter a subida de juros do BCE ou aumentar a participação na NATO. O que defendem os partidos para a política externa?

Abrir a UE a países de África, reverter a subida de juros do BCE ou aumentar a participação na NATO. O que defendem os partidos para a política externa?

Encha a casa de verde, inspire-se na Natureza

Encha a casa de verde, inspire-se na Natureza

Quando a cantiga foi uma arma

Quando a cantiga foi uma arma

Apple avisa utilizadores para não colocarem os iPhone molhados em arroz

Apple avisa utilizadores para não colocarem os iPhone molhados em arroz

Os Incoerentes: a história de movimento artístico à frente do seu tempo

Os Incoerentes: a história de movimento artístico à frente do seu tempo

Está aí uma nova fraude telefónica e desta vez em nome do Banco de Portugal. O que deve saber

Está aí uma nova fraude telefónica e desta vez em nome do Banco de Portugal. O que deve saber

As pregadeiras da Avó juntam tradição e design. Há 26 figuras para levar ao peito

As pregadeiras da Avó juntam tradição e design. Há 26 figuras para levar ao peito

Black Trumpet: no reino encantado dos cogumelos

Black Trumpet: no reino encantado dos cogumelos

Tempos de Antena ‘Miúdos a Votos’: ‘Não Abras Este Livro’

Tempos de Antena ‘Miúdos a Votos’: ‘Não Abras Este Livro’

LockBit, um dos maiores gangues de ransomware do mundo, foi desmantelado

LockBit, um dos maiores gangues de ransomware do mundo, foi desmantelado

Fotos exclusivas! Francisco Monteiro troca Márcia por Joana - Triângulo amoroso

Fotos exclusivas! Francisco Monteiro troca Márcia por Joana - Triângulo amoroso

Citroën ë-C3: O elétrico que custa 23.300 euros chega em junho

Citroën ë-C3: O elétrico que custa 23.300 euros chega em junho

BMW CE 02 em teste: diversão na cidade

BMW CE 02 em teste: diversão na cidade

Aristocratas e figuras públicas: todos são inseparáveis dos seus animais de estimação

Aristocratas e figuras públicas: todos são inseparáveis dos seus animais de estimação

Os lugares desta História, com Isabel Stilwell: Elvas, capital do Império onde o sol nunca se põe

Os lugares desta História, com Isabel Stilwell: Elvas, capital do Império onde o sol nunca se põe

Inspire-se no

Inspire-se no "look" de Cláudia Vieira

O caso entre Eça e o Parlamento, e viceversa

O caso entre Eça e o Parlamento, e viceversa

José Neves demite-se da liderança da Farfetch

José Neves demite-se da liderança da Farfetch

Ator da SIC casa-se em cerimónia de sonho

Ator da SIC casa-se em cerimónia de sonho

Hungria recusa sanções contra colonos israelitas na Cisjordânia

Hungria recusa sanções contra colonos israelitas na Cisjordânia

Atualização de software da Tesla corrige problemas de bateria no frio extremo

Atualização de software da Tesla corrige problemas de bateria no frio extremo

O novo inferno no trabalho

O novo inferno no trabalho

Estratégias de fusão no panorama empresarial português como caminho para a inovação e crescimento

Estratégias de fusão no panorama empresarial português como caminho para a inovação e crescimento

Tempos de Antena ‘Miúdos a Votos’: ‘O Lápis Mágico de Malala’

Tempos de Antena ‘Miúdos a Votos’: ‘O Lápis Mágico de Malala’

Esplanada, comida asiática e preços democráticos no Street Chow

Esplanada, comida asiática e preços democráticos no Street Chow

Parceria TIN/Público

A Trust in News e o Público estabeleceram uma parceria para partilha de conteúdos informativos nos respetivos sites