Foto Pexels/Mart Production

1. Escrever à mão

Achamos que somos muito adultos e evoluídos até que, por qualquer razão, temos de anotar qualquer coisa num papel. Olhamos para aquilo e é a mesma letra de quando tinhamos 6 anos… ou pior. A falta de prática só fez com que quaisquer gatafunhos traçados num papel pareçam vindas de uma criança. Olhamos para aquilo e até nos envergonhamos. Mas afinal, numa altura em que se discute se as crianças devem aprender exclusivamente em computador, não é um panorama que vá mudar.

2. Memorizar números de telefone

Pense lá: perde o telemóvel. Tem de pedir um emprestado a alguém. A quem é que consegue ligar assim do nada, sem ajuda? À sua mãezinha? À sua filha? E a quem mais? Decorar números de telefone já passou à história. Ah, e também não memorizamos andares. Chegamos à rua da pessoa, ligamos e dizemos ‘desce’.

3. Seguir um mapa

Dantes, antes de se fazer uma viagem estudava-se o itinerário. Agora uma pessoa entra no carro e grita ao GPS: “Rua do Totó, nº3!” e ele que se amanhe. Dantes todos os carros tinham um mapa no tablier, a pessoa parava a meio, desdobrava aquela coisa e sublinhava as estradas, e o pendura ia com aquilo tudo aberto a girar as folhas e a tentar fazer sentido do quebra-cabeças. Agora digam lá, quem é que tem um mapa no carro? Dantes uma pessoa enganava-se no caminho, metia a cabeça fora da janela e caçava o primeiro transeunte: ‘O senhor desculpe, a Rua do Totó?’ e levava com aquela litania dos ‘Gatos Fedorentos: ‘vai sempre em frente, num bira, num bira, num bira…” Agora a pessoa engana-se no caminho, diz: “Espera aí que eu vou recentrar isto, ela já está toda destrambelhada” e torna a gritar ao GPS “Rua do Totó, nº3!”

4. Decorar datas de aniversário

Dantes uma pessoa lembrava-se pelo menos dos pais, dos filhos, dos avós, dos tios, dos amigos mais próximos, e com sorte de alguém que fizesse anos num dia mais exótico, como 25 de Dezembro ou 25 de Abril. Agora, o Facebook encarrega-se de nos lembrar até do dia de anos de perfeitos desconhecidos. Quando somos nós, recebemos 18462846 mensagens a desejar parabéns, ficamos comovidíssimos, respondemos com aquela lengalenga do ‘na impossibilidade de agradecer a todos’ etc, e nem nos lembramos que o mérito é do algoritmo. Experimentem desativar a vossa data de aniversário e já vão ver quantas pessoas vos dão os parabéns.

5. Bordar

Ou coser meias, ou, para os (as) mais dotados, fazer uma bainha. Claro que hoje há quem ainda saiba fazer ponto cruz, tricot ou croché, mas já não é uma ‘skill’ universalmente domada por todos (pronto, todas).

6. Escrever uma carta

‘Excelentíssima menina Maria Amélia: não há palavras que descrevam a emoção que vossa excelência me causou ao ter a caridade de responder tão carinhosamente a este vosso criado.” Está bem, ok, mesmo os nossos pais já não escreviam assim, mas ainda não há muito tempo compunhamos cartas de 3 páginas aos nossos amigos durante as férias. Ainda há quem ainda guarde sacos de cartas destas, sem saber bem o que lhes fazer. Hoje se levarem o SMS a dizer ‘já xgeui, bom tpo, bj’ já vão com sorte. Portanto, cartas já nem ao Pai Natal (agora quando muito fazem círculos nos catálogos de brinquedos, e os mais elaborados mandam links). Já agora, escrever um diário também já foi chão que deu uvas. E fazia-nos tão bem.

7. Mudar um pneu

A malta ficava empanada na estrada mas não se atrapalhava: sacava do macaco e aí vai disto. Em vinte minutos qualquer macho (enfim, a maioria das mulheres não sei se já dominava esta arte) digno desse nome tinha um pneu novinho em folha no lugar do estropiado e seguia viagem a limpar as mãos ao volante. Hoje: chama-se o seguro. O reboque. O ACP.

8. Fazer compotas

E sabonetes. Até porque muitas pessoas tinham árvores de fruto, e nessa altura não se desperdiçava nada. Alinhavam-se frascos de vidro com compotas de maçã, de ameixa, de laranja, e durante o ano toda a família se deliciava. Hoje: para quê a trabalheira. Vamos mas é ao hipermercado. Nem durante o Covid nos voltámos para o doce. Nós eramos mais pão.

9. Fazer contas de cabeça

Ora bem, deixa cá ver António, 45 mais 78 mais 94,5 dá quanto? Dantes qualquer mortal sabia fazer contas básicas de cabeça, o que dava jeito em qualquer altura da vida. Hoje o máximo que contamos é em múltiplos de 8 no ginásio. Fazemos cada vez mais cntas à vida, pois fazemos, mas sempre com ajuda.

10. Entreter as crianças

Levava-se os putos ao restaurante, ou naquelas intermináveis viagens de carro, e tinha de se aturar a prole a choramingar ou a perguntar de cinco em cinco segundos ‘ainda falta muito?’ A não ser que se deixasse a coisa escalar para motim doméstico, não havia remédio senão puxar pela imaginação, que era o que estava à mão: o jogo do STOP, o ‘quem adivinha o que estou a ver’, ‘estou a pensar numa coisa começada por A’, contar os carros azuis, fazer uma frase com 3 palavras diferentes, ou simplesmente lembrar-se de levar papel e canetas para os miúdos não se pegarem. Hoje atira-se-lhes o ipad para o colo e já está.

11. Meter conversa

Nem sempre queria dizer ‘engatar alguém num bar’, podia significar apenas a capacidade de estar no mesmo sítio que outro ser humano com cara de boa pessoa e começar uma conversa que muitas vezes levava a boas e duradouras amizades. Hoje se formos com outra pessoa num elevador durante 1 minuto e 10 segundos já ficamos desconfortáveis, quanto mais meter conversa. Herança do Covid?

12. Aborrecer-se

Hoje até há quem ande pela rua de olhos mergulhados no seu smartphone a chocar com o próximo e quem não aguente um semáforo e saque imediatamente do telemóvel… Perdemos a capacidade de observar o mundo à nossa volta, de olhar para as nuvens, de saber o nome das árvores, de descodificar a expressão dos outros, de passar uma tarde de verdadeiro aborrecimento. Stressamos porque temos a vida preenchida com mil e uma atividades, e quando não temos, stressamos porque não sabemos o que fazer. Habituamos as crianças a não terem um minuto desprogramado, a que haja sempre um adulto a dizer-lhes o que fazer, e não lhes ensinamos como o aborrecimento pode ser imensamente produtivo…

Palavras-chave

Relacionados

Mais no portal

Mais Notícias

Família real da Bélgica reunida para celebrar o Dia Nacional do seu país

Família real da Bélgica reunida para celebrar o Dia Nacional do seu país

Rui Cardoso Martins: “Este livro reflete uma grande convicção de que a vida triunfa”

Rui Cardoso Martins: “Este livro reflete uma grande convicção de que a vida triunfa”

Reno12 desafia os limites da IA

Reno12 desafia os limites da IA

XIV Congresso dos Lusitanistas - lugar de entendimento, agregação e diversidade

XIV Congresso dos Lusitanistas - lugar de entendimento, agregação e diversidade

Uma sala a céu aberto

Uma sala a céu aberto

Adia várias vezes o alarme de manhã? O problema que pode estar por detrás da

Adia várias vezes o alarme de manhã? O problema que pode estar por detrás da "mania"

Quem tinha mais poderes antes do 25 de Abril: o Presidente da República ou o Presidente do Conselho?

Quem tinha mais poderes antes do 25 de Abril: o Presidente da República ou o Presidente do Conselho?

Quim consola Regina na despedida de Justino em

Quim consola Regina na despedida de Justino em "Cacau"

Afinal Élson e Mariana não se casaram - Saiba o motivo

Afinal Élson e Mariana não se casaram - Saiba o motivo

As diferenças entre sexo e género no cérebro das crianças, segundo um novo estudo

As diferenças entre sexo e género no cérebro das crianças, segundo um novo estudo

Dacia Spring: o 100% elétrico mais acessível ganhou um grande upgrade

Dacia Spring: o 100% elétrico mais acessível ganhou um grande upgrade

Dacia Spring: o 100% elétrico mais acessível ganhou um grande upgrade

Dacia Spring: o 100% elétrico mais acessível ganhou um grande upgrade

Vencedores e vencidos do 25 de Abril na VISÃO História

Vencedores e vencidos do 25 de Abril na VISÃO História

Isabela Valadeiro e Carlos Ferra: casamento no Alentejo

Isabela Valadeiro e Carlos Ferra: casamento no Alentejo

Afinal, o que é isto do luxo?

Afinal, o que é isto do luxo?

8 hábitos a evitar para ganhar duas décadas de vida

8 hábitos a evitar para ganhar duas décadas de vida

Cacau diz a Tiago que Marquinho é seu filho:

Cacau diz a Tiago que Marquinho é seu filho: "Agora somos uma família"

Colunas JBL PartyBox foram feitas para animar qualquer tipo de festa

Colunas JBL PartyBox foram feitas para animar qualquer tipo de festa

Tribunal chumbou providência cautelar da Câmara de Montalegre que tentava travar mina de lítio

Tribunal chumbou providência cautelar da Câmara de Montalegre que tentava travar mina de lítio

VISÃO Júnior de junho de 2024

VISÃO Júnior de junho de 2024

Pequeno satélite português já está no Espaço

Pequeno satélite português já está no Espaço

A meio caminho entre o brioche e o folhado, assim são os protagonistas da Chez Croissant

A meio caminho entre o brioche e o folhado, assim são os protagonistas da Chez Croissant

Quando os médicos têm dúvidas

Quando os médicos têm dúvidas

Reciclagem de embalagens: pode brincar-se com temas sérios?

Reciclagem de embalagens: pode brincar-se com temas sérios?

O vestido preto com que Letizia nunca se compromete

O vestido preto com que Letizia nunca se compromete

Duches de exterior: a única 'chuva' permitida durante o verão

Duches de exterior: a única 'chuva' permitida durante o verão

Girl Talk: A importância de ser sério

Girl Talk: A importância de ser sério

Robô expressivo da Disney já aprendeu a navegar por superfícies mais acidentadas

Robô expressivo da Disney já aprendeu a navegar por superfícies mais acidentadas

Sebastião da Gama - Carne e espírito na Arrábida

Sebastião da Gama - Carne e espírito na Arrábida

Letizia surpreende com

Letizia surpreende com "look" brilhante

Vai um copo? 5 novos bares de vinhos para conhecer no Porto

Vai um copo? 5 novos bares de vinhos para conhecer no Porto

Em

Em "A Mulher no Lago", Natalie Portman estreia-se nas séries

ChatGPT chega a todos os Peugeot equipados com comandos de voz

ChatGPT chega a todos os Peugeot equipados com comandos de voz

Os alfaiates de violinos

Os alfaiates de violinos

Equipa do Técnico conquista segundo lugar em competição  de barcos elétricos

Equipa do Técnico conquista segundo lugar em competição de barcos elétricos

Guia de essenciais de viagem para a sua pele

Guia de essenciais de viagem para a sua pele

A VISÃO Se7e desta semana – edição 1638

A VISÃO Se7e desta semana – edição 1638

Eduardo antes de ser Lourenço

Eduardo antes de ser Lourenço

O Índice S&P 500 ainda é representativo do Mercado Acionista dos EUA?

O Índice S&P 500 ainda é representativo do Mercado Acionista dos EUA?

Em São Paulo, uma casa com ambientes luminosos e integrados

Em São Paulo, uma casa com ambientes luminosos e integrados

Eletrificar para descarbonizar

Eletrificar para descarbonizar

Sede da PIDE, o último bastião do Estado Novo

Sede da PIDE, o último bastião do Estado Novo

De novo num

De novo num "jumpsuit", Charlene do Mónaco revela o seu lado mais sedutor

Camille Gottlieb com Alberto e Charlene do Mónaco no baile da Cruz Vermelha

Camille Gottlieb com Alberto e Charlene do Mónaco no baile da Cruz Vermelha

Um novo estúdio em Lisboa para jantares, showcookings, apresentações de marcas, todo decorado em português

Um novo estúdio em Lisboa para jantares, showcookings, apresentações de marcas, todo decorado em português

Parceria TIN/Público

A Trust in News e o Público estabeleceram uma parceria para partilha de conteúdos informativos nos respetivos sites