OqueNaoDizer.jpg

Getty Images/iStockphoto

Dar ânimo a alguém que está em baixo não é fácil, mas a pior coisa que podemos fazer é ignorá-lo, porque aquela pessoa precisa de um ombro amigo. Mas há quem não tenha queda para ombro amigo. Toda a gente já passou por isso: o bebé nasceu há uma semana e há quem nos atire ‘Estás tão gorda!’ O pai morreu–nos e o que ocorre dizer aos outros? ‘Ah, também já era tão velhinho…’  Afinal, como desenvolver a arte da sensibilidade?

“O que é que se deve ter presente antes de dizer seja o que for: que aquela pessoa está a fazer o melhor que consegue, naquelas circunstâncias”, explica a psicóloga Elisa Miranda. “Às vezes, quem está de fora vê a solução e parece–nos que a outra pessoa é burra, fraca ou preguiçosa. Mas naquele momento ela genuinamente não está a ser capaz de fazer melhor.”

Portanto, o importante é olhar para a outra pessoa sem juízos de valor. Além disso, ela não precisa que lhe digam o que já sabe. “Ela sabe o que está mal, não precisa que lhe aponte o dedo, precisa que lhe digam – ‘Eu percebo que neste momento não estás bem, o que é que eu posso fazer para ajudar?’”

O que não dizer, nunca: ‘Não penses mais nisso’. Como é óbvio, se a pessoa pudesse não pensaria…

Vamos então a casos concretos. O que responder quando alguém nos diz…

‘PERDI O EMPREGO’

Não dizer – ‘Também andavas a faltar muito’, ‘Estava-se mesmo a ver’ ou ‘Avisei-te tantas vezes’. “Isso ela já sabe”, nota Elisa Miranda. “Não precisa de alguém que ainda lhe bata mais, precisa é de alguém que a ajude a arranjar uma solução.” Não dizer (nem pensar) ‘coitadinha’. Sem darmos por isso, vê-se nos nossos olhos quando pensamos ‘Ainda bem que não fui eu!’

O que dizer – Pensar numa solução prática. ‘Tiveste direito a subsídio, tens o teu curriculum atualizado?’, ajudá-la  a pensar numa estratégia, mostrar-lhe uma luz ao fundo do túnel. “Isto não significa impor uma solução, mas sugerir, ou conseguir que seja a própria pessoa a encontrar a saída.”

‘TENHO CANCRO’

Não dizer – ‘Vais ver que não há de ser nada.’ Primeiro porque é um lugar-

-comum e soa a falso, e depois porque, de facto, se não somos médicas nem Deus, e não conhecemos o caso dela, como é que sabemos que não vai ser nada? “Também não convém começar imediatamente a falar de 30 casos piores”, nota a psicóloga. “A intenção até pode ser boa: queremos desdramatizar e mostrar que há quem tenha sobrevivido. Mas o pior é que, mesmo quando são histórias de esperança, a pessoa está tão envolvida no seu drama que nem ouve. Temos de ser suficientemente intuitivas para perceber se a pessoa já está na fase de querer ouvir.”

O que dizer – Nada. Deixar falar. “Isto é extraordinariamente difícil, por três razões: porque é muito complicado lidar com o sofrimento dos outros, porque não estamos habituadas a ouvir e porque aquilo nos afeta pessoalmente. E aqui a pessoa, mais do que ouvir alguma coisa, precisa de falar, porque ao falar está a organizar-se, está a tomar as rédeas do seu sofrimento. Achamos que falar sobre a morte é tabu, pode atrair pouca sorte, a nossa primeira reação é fugir. Aqui temos de ter força para estarmos caladas, para oferecer o nosso silêncio ativo e saber acolher aquela tristeza sem que ela nos destrua.”

‘ACABEI DE ME DIVORCIAR’

Não dizer – ‘Hmmm… iupi?’ (risos) “Ela pode ter-se libertado de um mau casamento, mas racionalmente ninguém pode festejar. Foi uma libertação, mas nem por isso deixou de ser a destruição de um sonho, de uma família e de uma aposta.” Também não dizer: ‘Tenho um amigo para te apresentar’, ou ‘Homens há muitos’ (neste momento, ela não quer saber disso).

O que dizer – Tente mostrar que ela perdeu algumas coisas, mas que o facto de não ter ninguém também lhe traz muitas coisas boas. “Não deixe que ela se culpabilize: ‘quem gosta de ti, gosta de ti com todos os teus defeitos’. Mas se sente que aquela pessoa não é nenhuma vítima, não é por ser amiga dela que tem de dizer ‘ele foi um sacana e a culpa foi toda dele’!”

‘O MEU PAI MORREU’

Não dizer – ‘Era tão velhinho’, ou ‘Também já estava na sua hora’. Isto é de uma insensibilidade atroz. Como se só gostássemos das pessoas porque são novas. “Quando amamos alguém, não há ‘hora’ para morrer”, afirma Elisa Miranda. É como quando morre o nosso amado cão e as pessoas dizem ‘Ah, também era só um cão…’  Também não convém fazer comentários ao aspeto físico da pessoa: ‘Ai estás com tão mau aspeto’ não vai ajudá-la a recuperar o ânimo. E já viu alguém de luto verdadeiro com bom aspeto? Também não ajuda dizer: ‘Tu ainda tiveste pai, eu nem conheci o meu’. Ou: ‘E tu ainda tiveste muita sorte, o meu pai perdeu um braço e depois as duas pernas e depois passou 56 meses no Hospital Militar antes de morrer num sofrimento atroz numa noite de tempestade.’ Não entre num concurso de desgraças para provar que é mais desgraçadinha. Muitas pessoas, quando falam do morto, estão de facto a falar delas.

O que dizer – “Se conhecemos a pessoa que morreu, ajuda mostrar que também sentimos a sua falta, que ela também está dentro de nós. Pode contar alguma recordação que ela lhe tenha deixado. Mas cuidado, para não desatar a falar sem parar, porque as pessoas em luto têm um tempo de antena muito reduzido”, defende a psicóloga. Também ajuda dizer simplesmente ‘Estou aqui, para o que for preciso’. E muitas vezes, o que é preciso são coisas práticas, tipo alguém que lá vá a casa levar uma panela de canja ou fazer uma máquina de roupa. “Não exija muito da pessoa nesse momento, porque ela está no limite da sobrevivência. Se puder, fique ao lado dela para a apoiar e não fale muito.”

  ‘O MEU MARIDO FAZ-ME A VIDA NEGRA’

Não dizer – ‘Se eu aguentei, tu também podes aguentar’. “A violência doméstica é uma situação muito complicada, e para começar é difícil que a pessoa fale sobre isso, ela tem de chegar muito perto do seu limite para desabafar, e aí a coisa geralmente já está avançada”, explica Elisa. “Para começar, é das poucas situações em que desconfiamos. Se dissermos que nos roubaram a mala, ninguém vai pensar que isso é mentira, mas se dissermos ‘o meu marido faz-me a vida negra’ (hmmm… tão bom rapaz, tão sossegado) pode haver quem não acredite.

Também não dizer ‘Tens de ver o lado dele’. Não há ‘lado dele’ que justifique isto, e depois nem sempre há dois lados, muitas vezes a culpa é só de uma pessoa sim.”

O que dizer – “Que somos ensinadas a não desistir de nada, mas que muitas vezes a esperança mata e temos de aceitar a nossa impotência, aceitar que não há nada a fazer. Mas é uma situação muito complicada. Muitas vezes a mulher tem medo do homem, medo puro, e não de ficar sozinha, como tantas vezes se diz. Muitas vezes, sente que estar próxima do inimigo a protege, e que se saísse podia enfurecê-lo ainda mais. Muitas vezes ela acha que ele precisa dela, quando ele se está a alimentar do ódio que sente por ela, que o impede de sentir ódio por ele próprio. Tudo isto é muito intrincado. E, além disto, o papel de vítima é viciante, a pessoa cristaliza facilmente numa situação em que acha que não tem poder. O importante é fazê-la reorganizar a sua logística prática: casa, dinheiro, apoios.” Mas atenção: tem de ser a pessoa a chegar a essa conclusão, nós não podemos impô-la, por razões óbvias. Este processo pode levar anos, e pode nunca acontecer…

   ‘A MINHA FILHA ADOLESCENTE ESTÁ GRÁVIDA’

Não dizer – ‘Avisei-te tantas vezes que tivesses mão nela’. A pessoa já está em baixo, não é nada disto que ela quer ouvir, e francamente agora também já não interessa… ‘Eu se fosse a ela abortava’/’Não faz mal, tudo se cria’.

O que dizer – Fazer perguntas de ordem prática, mas sempre respeitando as crenças e valores da outra pessoa. Que vai a família fazer? O que decidiram? Como está a filha? Pode sugerir ajuda psicológica, porque aqui, mais do que a mãe, é a filha quem precisa de ajuda. Mas nunca ponha os seus padrões, opiniões e juízos de valor à frente de tudo. Não critique, não dramatize, e se a futura avó começar a dramatizar não entre na onda e não diga nada.

Relacionados

Mais no portal

Mais Notícias

Presta atenção! Já ouviste falar de contrafação?

Presta atenção! Já ouviste falar de contrafação?

O futuro começou esta noite. Como foi preparado o 25 de Abril

O futuro começou esta noite. Como foi preparado o 25 de Abril

11 arraiais para celebrar os Santos Populares, em Lisboa

11 arraiais para celebrar os Santos Populares, em Lisboa

Mulheres confiantes antecipam o verão em fim de tarde à beira-mar

Mulheres confiantes antecipam o verão em fim de tarde à beira-mar

Honor lança novo dobrável em 'concha' com ecrã exterior de quatro polegadas

Honor lança novo dobrável em 'concha' com ecrã exterior de quatro polegadas

Passatempo: ganha convites para a antestreia de 'Gru- O Maldisposto 4'

Passatempo: ganha convites para a antestreia de 'Gru- O Maldisposto 4'

A meio caminho entre o brioche e o folhado, assim são os protagonistas da Chez Croissant

A meio caminho entre o brioche e o folhado, assim são os protagonistas da Chez Croissant

Um novo estúdio em Lisboa para jantares, showcookings, apresentações de marcas, todo decorado em português

Um novo estúdio em Lisboa para jantares, showcookings, apresentações de marcas, todo decorado em português

Quis Saber Quem Sou: Será que

Quis Saber Quem Sou: Será que "ainda somos os mesmos e vivemos como os nossos pais?"

Siza Vieira: As empresas estão a aproveitar o

Siza Vieira: As empresas estão a aproveitar o "bom momento" e Portugal vai continuar a crescer acima da média europeia

Requintado jantar assinala inauguração da nova exposição de Joana Vasconcelos na Boutique Dior, em Lisboa

Requintado jantar assinala inauguração da nova exposição de Joana Vasconcelos na Boutique Dior, em Lisboa

A relação surpreendente entre o desempenho cognitivo das mulheres e a menstruação

A relação surpreendente entre o desempenho cognitivo das mulheres e a menstruação

Sede da PIDE, o último bastião do Estado Novo

Sede da PIDE, o último bastião do Estado Novo

Exame Informática nº 347, junho

Exame Informática nº 347, junho

20 anos depois, o que há de novo no Rock in Rio Lisboa

20 anos depois, o que há de novo no Rock in Rio Lisboa

Vídeo: Uma conversa sobre eleições com Rita Canas Mendes

Vídeo: Uma conversa sobre eleições com Rita Canas Mendes

Inédito: Maçons contestam expulsão do Grande Oriente Lusitano num tribunal

Inédito: Maçons contestam expulsão do Grande Oriente Lusitano num tribunal "profano"

Kia EV9 GT-Line AWD em testes: A referência nos grandes SUV

Kia EV9 GT-Line AWD em testes: A referência nos grandes SUV

George, Charlotte e Louis, os protagonistas do Trooping the Colour

George, Charlotte e Louis, os protagonistas do Trooping the Colour

Ronaldo compra participação na Vista Alegre e vai levar a marca para a Ásia

Ronaldo compra participação na Vista Alegre e vai levar a marca para a Ásia

Zona: Três mitos sobre esta doença que pode ser incapacitante

Zona: Três mitos sobre esta doença que pode ser incapacitante

Vinhos, surf e gastronomia no Oeste: Roteiro pelo que há de melhor na região

Vinhos, surf e gastronomia no Oeste: Roteiro pelo que há de melhor na região

Os planos da Stellantis para criar um ecossistema de software para os carros

Os planos da Stellantis para criar um ecossistema de software para os carros

Princesa Madalena está de regresso à Suécia com a família

Princesa Madalena está de regresso à Suécia com a família

Desfile de celebridades na apresentação da coleção Cruise da Dior

Desfile de celebridades na apresentação da coleção Cruise da Dior

Princesa Charlene cada vez mais comprometida com a sua grande missão

Princesa Charlene cada vez mais comprometida com a sua grande missão

Os 500 anos de Camões

Os 500 anos de Camões

Casimiro de Brito - Entre o caos e o canto

Casimiro de Brito - Entre o caos e o canto

Em Roma, um apartamento renovado com base em valores atuais

Em Roma, um apartamento renovado com base em valores atuais

Galaxy Watch FE traz funcionalidades avançadas de monitorização de saúde e sono

Galaxy Watch FE traz funcionalidades avançadas de monitorização de saúde e sono

Restaurante Mapa: Geografia de sabores em Montemor-o-Novo

Restaurante Mapa: Geografia de sabores em Montemor-o-Novo

Implante cerebral ajuda sobrevivente de AVC que perdeu a fala a comunicar de forma bilingue

Implante cerebral ajuda sobrevivente de AVC que perdeu a fala a comunicar de forma bilingue

Aromas de verão para a casa

Aromas de verão para a casa

Inster será o 100% elétrico mais acessível da Hyundai

Inster será o 100% elétrico mais acessível da Hyundai

O futuro da banca é inteligente

O futuro da banca é inteligente

Portugal esgota hoje os recursos deste ano e começa a usar os de 2025

Portugal esgota hoje os recursos deste ano e começa a usar os de 2025

"O que é verdadeiramente desafiante é as marcas saberem o que leva as pessoas às lojas e o que funciona online". Leah Johns em entrevista

O que é feito de Maria a primeira vencedora do “Masterchef Júnior”?

O que é feito de Maria a primeira vencedora do “Masterchef Júnior”?

JL 1400

JL 1400

Aproveite a vida ao ar livre

Aproveite a vida ao ar livre

Honor lança novo dobrável em 'concha' com ecrã exterior de quatro polegadas

Honor lança novo dobrável em 'concha' com ecrã exterior de quatro polegadas

O vestido ideal para as festas de Verão que Mariana usou em “Casados à Primeira Vista”

O vestido ideal para as festas de Verão que Mariana usou em “Casados à Primeira Vista”

Vencedores e vencidos do 25 de Abril na VISÃO História

Vencedores e vencidos do 25 de Abril na VISÃO História

Como as poeiras do Saara podem ajudar a impedir furacões

Como as poeiras do Saara podem ajudar a impedir furacões

A receita do bolo que Cristina Ferreira fez para o namorado - E o hábito que o tira do sério!

A receita do bolo que Cristina Ferreira fez para o namorado - E o hábito que o tira do sério!

Parceria TIN/Público

A Trust in News e o Público estabeleceram uma parceria para partilha de conteúdos informativos nos respetivos sites