Professora e autora de livros infantis e escolares, é uma mulher de coragem: em 2021, aos 53 anos, escreveu o primeiro romance erótico assumido por uma portuguesa, que esgotou na primeira semana, e agora escreveu o segundo, que promete seguir o sucesso do primeiro.

Como é que se lembrou de escrever ‘Prova-me’, um romance erótico, num país ainda tão puritano como o nosso?

Sempre estranhei haver em Portugal tantos livros eróticos escritos por mulheres estrangeiras que não tinham nada a ver com a nossa cultura. Nós somos mulheres diferentes, com hábitos diferentes, e a certa altura pensei ‘Porque não eu’?’ O ‘Prova-me’ (Ed. Manuscrito) conta a história de um casal que gosta de sexo. Passados 10 anos de casamento, a heroína desafia o marido para fazerem coisas diferentes e as coisas acabam por não correr como previsto. Quando parti para esta aventura nem sabia muito bem para onde ir. Tinha lido o Henry Miller, mas não queria nada tão perturbador. Das ‘Cinquenta Sombras’ só li algumas páginas, para não me influenciar, e é uma escrita que não me entusiasma.

Como foi o processo de escrita?

Demorei quatro anos a escrever este livro. Foi muito difícil de escrever. Passei pela fase em que quis desistir, em que me arrependi, em que toda a gente me criticava. E uma dúvida que parece básica: como é que hei de nomear certas partes do corpo? ‘Tocou-lhe na…’ (risos) Algumas palavras soavam-me demasiado cruas, outras demasiado calão. Até à minha filha perguntei, mas ela só me disse: ‘Ó mãe, por favor!’ (risos) Quando tinha 50 páginas escritas mostrei às minhas melhores amigas. Veio tudo cá para casa, o meu marido fugiu (risos) e foi a histeria. Mas elas não queriam falar do livro: queriam desabafar sobre a vida delas! Uma contou-me uma cena que teve uma vez numa estação de serviço e aproveitei-a para o livro. Houve quem me dissesse: ‘Que coragem!” e “Meu Deus, no que te foste meter!” Porque até aqui eu só tinha escrito livros infantis e escolares, e de repente mostro-lhes um livro megapicante.

Qual é a função da literatura erótica?

Fazer-nos sonhar. A pessoas precisam de sexo, o sexo faz parte da vida, e eu decidi escrever sobre isso do ponto de vista da cultura portuguesa.

Ainda somos um povo sexualmente reprimido?

Depende. Nós, portugueses, somos uns falsos puritanos: temos dificuldade em falar sobre sexo, mas temos vidas escondidas muito mais aventurosas do que se pensa. Havia pessoas que eu nem imaginava que já tivessem feito o que fizeram. Falei com muita gente, li entrevistas de acompanhantes de luxo, fiz pesquisas na Internet e descobri muita coisa. O que me chocou mais foi a diferença entre o que nós sabemos e o que realmente acontece. E quanto mais dinheiro se tem, mais excêntrico se é, mais limites se quebram, porque são pessoas que se fartam facilmente e dão-se ao luxo de procurar outras coisas. Por exemplo, o que se passa nas casas secretas da alta sociedade, onde se faz sexo só por convite, é inimaginável.

Revê-se na sua heroína?

Claro que não (risos). A vida da Raquel não é a vida que eu queria ter. Quis apenas quebrar o tabu que diz que não se escreve literatura erótica no feminino. Porque não? Temos muito medo do julgamento dos outros, e as mulheres ainda mais. Portanto, eu fiz a minha parte.

É um livro que tem uma mulher como personagem principal e é dirigido ao público feminino. Como reagiram as suas leitoras?

As leitoras reagiram de duas maneiras a este livro: dos 35 para cima, adoram. As mais novas não gostaram tanto porque a Raquel é um Alfa na relação, ou seja, ela é a dominadora e a predadora, e as mulheres mais novas querem coisas mais românticas, que espelhem a sua alma, as suas aspirações. Mas quando escrevi o primeiro livro, nem eu adorei a minha personagem: ela é uma anti-heroína, é uma mulher de quem nós não gostamos muito, não é uma personagem linear. O que acontece é que, principalmente numa certa idade, ainda partimos muito para um livro com aquela ideia básica de que temos de ‘gostar’ da personagem principal, temos de nos identificar com ela. Ora uma personagem pode ser ‘principal’ não porque seja moralmente exemplar mas por uma imensidão de outras razões. Um livro de ficção não é um tratado de moral, é um retrato do mundo. Portanto, a ideia não é gostar dela, é perceber o que ela nos traz. Não nos identificamos, aprendemos.”

Agora lançou a continuação de ‘Prova-me’, ‘Prova-me outra vez’. Para quem não leu, conte-me a história deste segundo livro.

Foi um livro arrojado, mas com uma linguagem cuidada e um discurso fluído. A temática é a do sexo entrelaçada numa narrativa. Há uma evolução da Raquel, um processo de crescimento que passa por um amadurecimento e autoreflexão, não perdendo, contudo toda a sua sensualidade e erotismo. É uma mulher com mais consciência de si própria e dos que a rodeiam. O amor surge inesperadamente e faz milagres, como não podia deixar de ser. Mas claro que sendo um livro erótico, continua a haver a narração de cenas sexuais, conjugando todo o tipo de sensações e despertando o próprio leitor através do visualismo e da imaginação.

Como foi escrever um segundo livro? O que mudou? Já ia mais confiante ou pelo contrário houve coisas que refreou, linguagem, temas?

Foi mais difícil escrever o primeiro, porque não sabia como iriam reagir os leitores. Fazia falta um livro deste género escrito em língua portuguesa em Portugal. As traduções não captam a essência e as capacidades da nossa língua. O que mudou foi a Raquel, porque ela está em evolução, tal como a vida. Ela aprende, reformula, cai e levanta-se. Vive, dentro de um livro, mas vive. E tem uma personalidade cheia de defeitos e qualidades. Neste livro, tornou-se uma pessoa melhor. E até eu já gosto mais dela (risos). Continuo a pensar no que virá, porque vejo-a num futuro próximo a voltar a transformar-se num possível terceiro livro, se vier a acontecer.

Mas qual é de facto a diferença entre ler um livro erótico escrito por uma portuguesa e um livro escrito por uma estrangeira?

Tudo depende da linguagem. A forma como se descreve o ato sexual na nossa língua vai ser muito mais rica, mais minuciosa, mais poética do que numa tradução de um livro estrangeiro, a palavra não é tão nua, tudo é mais erotizado. E a palavra é importante num romance erótico. Claro que depois cada leitor tira do livro o que quiser, como em qualquer outro romance, porque a literatura é essa magia do encontro entre leitor e escritor em que cada leitura é diferente. Houve uma leitora que me disse: ‘aquilo aquece uma fornalha’. Eu nunca usaria essa palavra, fornalha, mas ela usou porque a experiência foi dela. Para mim sexo é o encontro do corpo e da alma, e um romance erótico bem feito tem esse condão de nos despertar sensações físicas.

Deu a alguém a ler este último? Como foram as reações?

Não. Só eu e a editora. Foi um processo muito solitário. Quando se criam personagens, criam-se ligações com elas e esta Raquel já a consigo visualizar, já é quase minha amiga (risos). Na verdade, o que mais desejo é escrever um último livro em que a Raquel consiga ser totalmente feliz, em que consiga juntar amor e sexo. As pessoas que estão a ler este livro estão a gostar muito e adoram o ambiente oriental onde a Raquel se encontra. Falam-me também da forma como ela processou o que lhe aconteceu no primeiro romance, admirando o facto de ela ser uma personagem modelada. E continuam a gostar da forma como eu descrevo as cenas sexuais, o que, como já contei, não foi fácil.

O que mais a surpreendeu nas reações de leitores que teve ao primeiro livro?

Já contei que algumas leitoras não gostaram de Raquel. Eu compreendo, mas estava previsto ela ser uma personagem que sofresse um processo de evolução. A essas leitores, gostaria de lhes pedir que conhecessem a Raquel do segundo livro. Outros aderidam de tal forma ao livro que eu fiquei desconcertada. A forma audaz, a descrição minuciosa do corpo, o erotismo, a sensualidade, a presença das sensações, o visualismo, o dinamismo. O ‘Prova-me’ foi um sucesso tão grande que esgotou na primeira semana. Esperemos que esta nova Raquel se transforme num ícone das mulheres modernas: poderosa, solidária, empoderada, independente, apaixonada, desempoeirada, despreconceituosa, empreendedora. O futuro o dirá! 

Mas nem todos os seus leitores são mulheres…

Claro que não. Aliás, num dos meus lançamentos, houve um grupo de bombeiros que apareceu e todos compraram o livro. Fiquei muito surpreendida.

Palavras-chave

Relacionados

Mais no portal

Mais Notícias

Um novo estúdio em Lisboa para jantares, showcookings, apresentações de marcas, todo decorado em português

Um novo estúdio em Lisboa para jantares, showcookings, apresentações de marcas, todo decorado em português

E o melhor Enoturismo Nacional é...

E o melhor Enoturismo Nacional é...

Palavra de profissional: estúdio de design Raw-Edges

Palavra de profissional: estúdio de design Raw-Edges

Comer fora: 14 mesas de exterior

Comer fora: 14 mesas de exterior

15 de maio: Dia Internacional da Família

15 de maio: Dia Internacional da Família

EV3: os detalhes do SUV compacto da KIA

EV3: os detalhes do SUV compacto da KIA

Narrativas estrambólicas e contos que nos fazem pensar

Narrativas estrambólicas e contos que nos fazem pensar

Quis Saber Quem Sou: Será que

Quis Saber Quem Sou: Será que "ainda somos os mesmos e vivemos como os nossos pais?"

Desfile de famosos na festa Chopard em Cannes

Desfile de famosos na festa Chopard em Cannes

Sónia e Daniel em conflito nos bastidores de “Casados à Primeira Vista”

Sónia e Daniel em conflito nos bastidores de “Casados à Primeira Vista”

Perturbações mentais

Perturbações mentais "contagiosas" nas redes sociais da vida real? Sim e o ato de procurar ajuda também

Novo Dacia Spring já pode ser encomendado em Portugal

Novo Dacia Spring já pode ser encomendado em Portugal

Os novos retratos oficiais de Mette-Marit e Haakon da Noruega

Os novos retratos oficiais de Mette-Marit e Haakon da Noruega

Será que vamos bater o 12º recorde de temperatura mensal seguido?

Será que vamos bater o 12º recorde de temperatura mensal seguido?

Bordallo Pinheiro lança nova peça em colaboração com artista visual brasileira

Bordallo Pinheiro lança nova peça em colaboração com artista visual brasileira

“Casados à Primeira Vista”: Alexandra e Flávio fazem revelação inédita sobre a noite de núpcias

“Casados à Primeira Vista”: Alexandra e Flávio fazem revelação inédita sobre a noite de núpcias

Sky Magnetar: avião a hidrogénio quer ligar Londres a Nova Iorque em 90 minutos

Sky Magnetar: avião a hidrogénio quer ligar Londres a Nova Iorque em 90 minutos

Tarifário da água no Algarve abaixo da média nacional é erro crasso -- ex-presidente da APA

Tarifário da água no Algarve abaixo da média nacional é erro crasso -- ex-presidente da APA

Shiloh Jolie-Pitt celebra 18 anos

Shiloh Jolie-Pitt celebra 18 anos

Naomi Campbell celebra 54 anos

Naomi Campbell celebra 54 anos

O concerto de Taylor Swift contado por uma 'swiftie'

O concerto de Taylor Swift contado por uma 'swiftie'

Microsoft prepara um Copilot para o LinkedIn

Microsoft prepara um Copilot para o LinkedIn

O futuro começou esta noite. Como foi preparado o 25 de Abril

O futuro começou esta noite. Como foi preparado o 25 de Abril

A meio caminho entre o brioche e o folhado, assim são os protagonistas da Chez Croissant

A meio caminho entre o brioche e o folhado, assim são os protagonistas da Chez Croissant

Portugal esgota hoje os recursos deste ano e começa a usar os de 2025

Portugal esgota hoje os recursos deste ano e começa a usar os de 2025

Cupra Born VZ: 0 aos 100 km/h em 5,6 segundos

Cupra Born VZ: 0 aos 100 km/h em 5,6 segundos

Estes são os dois únicos países no mundo onde a publicidade a medicamentos com receita médica é permitida

Estes são os dois únicos países no mundo onde a publicidade a medicamentos com receita médica é permitida

Pare. Parem todos. Eu também

Pare. Parem todos. Eu também

Sede da PIDE, o último bastião do Estado Novo

Sede da PIDE, o último bastião do Estado Novo

Salgueiro Maia, o herói a contragosto

Salgueiro Maia, o herói a contragosto

Galaxy S25 Ultra: Samsung pode apostar em grande na melhoria das câmaras

Galaxy S25 Ultra: Samsung pode apostar em grande na melhoria das câmaras

Romantismo na passadeira vermelha de Cannes

Romantismo na passadeira vermelha de Cannes

No Porto, a Casa Armanda Passos mostra obras inéditas da artista

No Porto, a Casa Armanda Passos mostra obras inéditas da artista

Como ler um jornal

Como ler um jornal

Rui Sanches: “Os fantasmas também têm corpos”

Rui Sanches: “Os fantasmas também têm corpos”

OMS atualiza lista de bactérias que ameaçam saúde humana por resistirem aos antibióticos

OMS atualiza lista de bactérias que ameaçam saúde humana por resistirem aos antibióticos

Receita de Empanadas argentinas, por Fabiana Pragier

Receita de Empanadas argentinas, por Fabiana Pragier

Desfile de famosos na festa Chopard em Cannes

Desfile de famosos na festa Chopard em Cannes

Instalação de carregadores em condomínios: Respostas às dúvidas sobre a legislação

Instalação de carregadores em condomínios: Respostas às dúvidas sobre a legislação

As 1001 Noites de João Brites e Olga Roriz: A salvação num punhado de histórias

As 1001 Noites de João Brites e Olga Roriz: A salvação num punhado de histórias

Nuno Júdice - Quando tudo se transformava

Nuno Júdice - Quando tudo se transformava

Recebeu um e-mail ou SMS a dizer que tem uma multa de estacionamento por pagar? É (mais uma) fraude

Recebeu um e-mail ou SMS a dizer que tem uma multa de estacionamento por pagar? É (mais uma) fraude

Em “Senhora do Mar”: Joana pede a Manuel para conhecer Rafael

Em “Senhora do Mar”: Joana pede a Manuel para conhecer Rafael

Hipertensão arterial: procedimento

Hipertensão arterial: procedimento "minimamente invasivo" melhora significativamente a qualidade de vida dos doentes

O lado lunar da inovação, enfrentando as sombras

O lado lunar da inovação, enfrentando as sombras

Parceria TIN/Público

A Trust in News e o Público estabeleceram uma parceria para partilha de conteúdos informativos nos respetivos sites