Foto Pexels/Trân Long

Sente-se a afundar? Encontre aqui a sua bóia de salvação.

A lua-de-mel antes da lua-de-mel
Vão abraçadinhos a dizer ‘ai que lindo que vai ser, eu e o meu Zé Manel, e que ricas fotos para pôr no Instagram.’

Problema: a não ser aproveitar os atributos do Zé Manel e tirar as ditas fotos, geralmente não há muito para fazer. No primeiro dia já se deu a volta à ilha dez vezes e já se fotografou dez locais, cada qual com o seu colar de flores; no segundo dia fez-se uma hidromassagem a dois numa cubata com tinas de pedra cheias de pétalas de rosa (onde o Zé Manel se fartou de espirrar porque é alérgico às flores); no terceiro já se apanhou um escaldão; no quarto já estão um bocado fartos do jacuzzi; no quinto chove. E a partir daí chove ininterruptamente durante o resto da semana como se o tempo tivesse ficado encalhado na cabina de comandos, e mesmo os atributos do Zé Manel parece que perderam encanto à sombra.
A não ser que alguém tenha levado um baralho de cartas, o que é pouco provável, o Zé Manel vai começar a ressacar a Sport TV, você manda sms até ao patrão, mas as férias acabam no momento em que começam ambos a pensar que se estão a aborrecer ligeiramente.
Como sobreviver: Nunca vá para nenhum sítio em que a única fonte de diversão seja o Zé Manel.
Pelo menos, leve um livro.

Bebé a bordo
Depois do Joãozinho nascer, nunca mais houve descanso para ninguém: era o horário das mamadas, os avós a entrar e a sair, toda a gente a querer ver o bebé e o bebé com cara de anjinho a bater as pestanas e a fazer um sorriso com covinhas ao colo da tia Marta, e toda a gente a chilrear ‘ai tão sossegadinho’, e assim que as visitas desapareciam o anjinho desatava a gritar como se fosse explodir.

Problema: o que está mal antes das férias tem uma enorme propensão para piorar durante as ditas. Você descobre que anda mais derreada do que em casa: quando vão à praia, parece que vão emigrar para um país distante onde não há as necessidades básicas para sobreviver. O seu Carlos Jorge não mexe uma palha para a ajudar a carregar os sacos, você descobre uma fobia repentina à areia e passa a tarde a aspirar o carro enquanto o Carlos Jorge e o Joãozinho dormem a sesta, o Carlos Jorge passa o tempo a ligar à mãezinha para saber os resultados do Benfica, e é um alívio quando voltam para casa. Claro que também há aqueles casos em que o bebé dorme e come o tempo todo e vocês conseguem finalmente falar de outras coisas que não do Joãozinho. Mas dos casais felizes não reza a história.
Como sobreviver: Passe uns dias com o Joãozinho, e depois rife-o para casa da avó Amélia (supõe-se que ela já criou pelo menos um filho e não o deixou morrer, e não vai ser por causa de uma semana que o Joãozinho vai adquirir stresse pós-traumático por abandono materno) e passe uns dias só com o Carlos Jorge.

Traga um amigo também
Enquanto foi só o Joãozinho, a coisa ainda se fazia. Mas, de repente, o Joãozinho já acha uma seca ir atrelado aos paizinhos e, para consolar a criança de ser filho único, lá concordam em levar também o Tiago e o Rodrigo.
Problema: Ao princípio até parecia boa ideia: os três entretinham-se uns com os outros a jogar futebol sem descanso ou debruçados sobre os telemóveis como se não houvesse amanhã. De repente, zangam-se todos porque o Rodrigo fez batota e o Tiago fez panelinha com ele, depois o Rodrigo lembra-se de dizer que em casa dele nunca ninguém come brócolos e a partir daí mais ninguém come nada que tenha estado sequer perto de qualquer coisa vagamente verde. Depois o Tiago diz que em casa dele ninguém se deita antes da meia-noite, e quando você já está a contemplar a hipótese de espetar uma galheta em cada um dos três, lembra-se que pelo menos dois deles não são seus (uma boa notícia a longo, mas não a curto, prazo) e que não há nada que possa fazer. No próximo Verão, vai mas é pôr o Joãozinho num ATL daqueles onde eles ‘voltam à natureza’ e estão entretidos a andar pelo mato o dia todo.
Como sobreviver: Comece por estabelecer as regras da casa: não interessa que não sejam as deles.
Você é quem manda, e não há cá democracia para ninguém. P.S: Não convém ser demasiado Estado Novo. Apesar de tudo, todos estão de férias.

Lá vem o clã
A verdade é que também não sabe se aguentava o seu António durante 15 dias naquela pasmaceira, mas tinham de levar também a sogra? O sogro? O tio Júlio? A tia Alzira? O Luís e a Ana? Os filhos do Luís e da Ana, que são três, todos adolescentes, empertigados e opinativos, um bocado iguais à sua sogra, mas com 60 anos a menos? É suposto ser muito divertido ir em clã, é suposto haver sempre com quem falar e ser uma alegria.
Problema: é uma confusão que ninguém se entende. Ao segundo dia já ninguém sabe dos miúdos, a sogra torce um pulso porque não está habituada a escadas em caracol, o sogro quer por força ir ao festival da cerveja que fica a uma hora de carro e claro que ele não vai sozinho, a Ana descobre que o Luís anda a mandar sms suspeitos à Sãozinha da contabilidade e faz-lhe uma cena em plena piscina, o tio Júlio apanha uma indigestão de percebes e a tia Alzira passa o tempo a resmungar que se tivessem ido para Celorico tinham ficado muito mais bem instalados. E por que é que, se não lhe falha a vista, você é a única a trabalhar? Por que é que toda a gente deixa as toalhas no chão? Por que é que ninguém sacode a areia antes de entrar em casa? Por que é que falta leite, mas toda a gente espera que você vá ao supermercado? Por que é que não está a conseguir sequer ler três páginas do livro que trouxe? Por que é que até as melgas só lhe picam a si? E por que é que no Verão as miúdas se embeiçam por rapazes tão idiotas e pulguentos? Terão os neurónios deslassados? Mistérios.
Como sobreviver: Estabeleça logo de início quem é que faz o quê, e não faça nem mais uma unha do que ficou estabelecido. Se já sabe que eles não vão cumprir, vá de férias com outra companhia.

O perigo é a profissão deles
Ficarem sentadinhos debaixo de um coqueiro a beber daiquiris durante 15 dias não é para eles, a não ser que o coqueiro fale alguma língua exótica e fique para aí na Malásia, ou que estejam em risco de serem bombardeados/raptados/atacados por um tigre. Férias servem para ‘expandir horizontes’.

Problema: Quando falam em expandir horizontes, não estão a brincar nem a falar em sentido figurado: levam a coisa até às últimas consequências, seja lá isso o que for, porque os horizontes deles ficam sempre muito para lá dos horizontes normais. Vão muito mais longe do que calcorrear a Muralha da China ou ver berberes no Toubkal: são daqueles que se gabam de ver ‘aquilo que os turistas não vêem’. Têm um desprezo inato por ‘turistas’, essa gentinha que só sabe andar em manada a olhar para o que lhes mandam, ao contrário deles que são ‘espíritos livres’ e perdem horrores de tempo só à procura das mesmas coisas que os turistas veem.
Em comum com os turistas têm a panca das fotos. Tiram milhares de fotografias para provar que estiveram mesmo onde dizem que estiveram, a não ser quando “aqui não temos fotos porque nos roubaram o telemóvel quando o nosso jipe foi abalroado por uma milícia nativa que queria levar a Maria Antónia para uma rede de escravas brancas”.
Como sobreviver: Se vai de férias com um aventureiro, é para assumir a aventura. Dizer “ai ó Ricardito, vai lá tu tirar fotografias às onças pintadas que eu fico aqui na esplanada a beber água de coco” só funciona se não se importar de passar 15 dias a desabafar com a água de coco, que não costuma ter muita conversa. Mas se tem um aventureiro a cargo, assegure as precauções mínimas: seguro, protetor solar, cartão de crédito, carregador de telemóvel, barritas de cereais, água e lenços de papel.
Os homens nunca se lembram de nada e depois nós é que temos de os tirar de apertos.

Os tesos (ou poupados)
Férias nem sempre querem dizer Maldivas, Caraíbas ou mesmo Caparica. Há quem fique em casa, sim. É o mesmo que ficar no inferno e, geralmente, é igualmente escaldante. Escaldante no próprio sentido da palavra: a casa parece uma sauna sueca, com a variante pouco exótica de não ser nem sauna nem sueca. O telemóvel não toca uma única vez, na televisão só dão repetições de repetições, ficamos a tarde inteira a ver o ‘Parque Jurássico’ 1, 2 e 41, e a noite a ver a Dra, como é que ela se chama, aquela loira da ‘Anatomia de Grey’ enfiada num vestido vermelho no chão da casa de banho a chorar pelo Denny, que já vimos morrer mais ou menos umas 18 vezes desde que aquilo estreou para aí em 2001.


Problema: Podia-se fazer fantásticos programas em família, mas geralmente está cada um para seu lado: a mãe trabalha (as mães trabalham sempre) ou então entretém-se a arrastar móveis casa fora até às três da manhã, para desespero dos vizinhos. O pai fica a brincar com o comando, o filho desaparece durante o dia todo e ninguém sabe onde anda (melhor nem pensar nisso) e a filha fecha-se no quarto a mandar emojis da carinha a chorar às amigas, que não lhe respondem, a ouvir o Harry Styles chilrear que um sonho é só um sonho , e a olhar para a fotografia do Vasco, que nem sabe que ela existe e está nesse momento a fazer surfe na Austrália e a espetar fotos no Instagram dele com o copo do daiquiri e com a Helen, que faz vela e nada com tubarões. Já não se aguenta fotos de joelhos no Facebook e fotografias de sítios paradisíacos (porque é que a malta faz questão de dizer que está num sítio deslumbrante?) Podia-se aproveitar para arranjar a máquina de lavar, forrar a despensa, emoldurar a fotografia do George Clooney ou escrever aquele romance sobre um duende malvado e uma rainha perversa, mas nem para isso há alento.
Como sobreviver: Procure uma amiga que também esteja em casa (há sempre alguém) e vá descobrir os jardins da cidade. Ou vá sozinha, leve um livro e sente-se a apanhar sol. Está de férias, mesmo que não pareça.


Palavras-chave

Relacionados

Mais no portal

Mais Notícias

Frunk.at em testes: um porta-bagagens extra para o seu carro elétrico

Frunk.at em testes: um porta-bagagens extra para o seu carro elétrico

Juan Vicente Piqueras, Caçador de instantes

Juan Vicente Piqueras, Caçador de instantes

Artur Jorge: o exercício físico da poesia

Artur Jorge: o exercício físico da poesia

Passatempo: Ganha convites para a antestreia de 'O Panda do Kung Fu 4'

Passatempo: Ganha convites para a antestreia de 'O Panda do Kung Fu 4'

Desporto: 20 artigos para suar com estilo

Desporto: 20 artigos para suar com estilo

Cristina Ferreira partilha mais fotos com o namorado e fãs reagem: “O amor faz-lhe bem”

Cristina Ferreira partilha mais fotos com o namorado e fãs reagem: “O amor faz-lhe bem”

Os lugares desta História, com Isabel Stilwell: Filipe I de Portugal, por fim

Os lugares desta História, com Isabel Stilwell: Filipe I de Portugal, por fim

O luxo da viagem de Georgina com os filhos

O luxo da viagem de Georgina com os filhos

A Interdecoração está de volta à Exponor

A Interdecoração está de volta à Exponor

CDU diz que candidato da AD quer recuar

CDU diz que candidato da AD quer recuar "quase até ao tempo dos dinossauros"

Adesão à greve no Hospital de Cascais ronda os 80%

Adesão à greve no Hospital de Cascais ronda os 80%

Princesa Kate está desaparecida? Esta é a nova teoria da conspiração que se tornou viral na internet

Princesa Kate está desaparecida? Esta é a nova teoria da conspiração que se tornou viral na internet

Frunk.at em testes: um porta-bagagens extra para o seu carro elétrico

Frunk.at em testes: um porta-bagagens extra para o seu carro elétrico

Os lugares desta História, com Isabel Stilwell: Elvas, capital do Império onde o sol nunca se põe

Os lugares desta História, com Isabel Stilwell: Elvas, capital do Império onde o sol nunca se põe

Vítor Matos:

Vítor Matos: "Com a segunda Estrela Michelin vou ter de repensar a minha vida”

Cerca de 70.000 trabalhadores das IPSS vão ter valorização salarial

Cerca de 70.000 trabalhadores das IPSS vão ter valorização salarial

Famalicão gastou 500 mil euros na destruição de 8 mil ninhos de vespa asiática

Famalicão gastou 500 mil euros na destruição de 8 mil ninhos de vespa asiática

Bruxelas autoriza ajudas estatais de 350 ME de Portugal para equipamentos 'verdes'

Bruxelas autoriza ajudas estatais de 350 ME de Portugal para equipamentos 'verdes'

Georgina Rodríguez leva os filhos à Disneyland e derrete fãs

Georgina Rodríguez leva os filhos à Disneyland e derrete fãs

Dos idos de Março 62 às eleições de Março 24

Dos idos de Março 62 às eleições de Março 24

Portugal visto pelos estrangeiros

Portugal visto pelos estrangeiros

Celebridades rendem-se às transparências no desfile de Saint Laurent

Celebridades rendem-se às transparências no desfile de Saint Laurent

Utentes do Barreiro em protesto no sábado contra suspensão do internamento de cardiologia do hospital

Utentes do Barreiro em protesto no sábado contra suspensão do internamento de cardiologia do hospital

Eficiência de recursos: a encruzilhada dos serviços alimentares

Eficiência de recursos: a encruzilhada dos serviços alimentares

Brinquedos didáticos, livres e que estimulem a criatividade. Onde? Na Color Square

Brinquedos didáticos, livres e que estimulem a criatividade. Onde? Na Color Square

Palácio de Kensington volta a pronunciar-se sobre a doença de Kate

Palácio de Kensington volta a pronunciar-se sobre a doença de Kate

Saccharum Resort, na terra do ouro branco

Saccharum Resort, na terra do ouro branco

VISÃO SE7E: Entre vinhas renascidas, jantares com cariz social e compras sustentáveis

VISÃO SE7E: Entre vinhas renascidas, jantares com cariz social e compras sustentáveis

Apartamento em Cascais: sobriedade contemporânea

Apartamento em Cascais: sobriedade contemporânea

A transformação no segmento do Renting & Frotas

A transformação no segmento do Renting & Frotas

Vinhos de Porto Santo: Brancos atlânticos únicos que já dão bons frutos

Vinhos de Porto Santo: Brancos atlânticos únicos que já dão bons frutos

Apple descarta projeto de desenvolvimento de carro elétrico

Apple descarta projeto de desenvolvimento de carro elétrico

O avanço da sustentabilidade ambiental nas empresas

O avanço da sustentabilidade ambiental nas empresas

Final de “Flor Sem Tempo”: Diana mata Luís Maria e Vasco salva Catarina

Final de “Flor Sem Tempo”: Diana mata Luís Maria e Vasco salva Catarina

Giorgio Armani propõe veludo, flores e infuências orientais para o próximo inverno

Giorgio Armani propõe veludo, flores e infuências orientais para o próximo inverno

Caldas da Rainha: Muito mais do que loiças

Caldas da Rainha: Muito mais do que loiças

O algoritmo do amor

O algoritmo do amor

Exame Informática nº 344, março

Exame Informática nº 344, março

Renováveis abasteceram 88% do consumo de eletricidade em fevereiro - REN

Renováveis abasteceram 88% do consumo de eletricidade em fevereiro - REN

Na Escola Básica do Ave canta-se 'Eu gosto muito de ler'

Na Escola Básica do Ave canta-se 'Eu gosto muito de ler'

Maria Cerqueira Gomes vive experiência enriquecedora na Suíça

Maria Cerqueira Gomes vive experiência enriquecedora na Suíça

Como organizar a votação

Como organizar a votação

Alessandra Ambrósio usa camisola de futebol na Semana da Moda de Paris

Alessandra Ambrósio usa camisola de futebol na Semana da Moda de Paris

Venha conhecer o BYD Seal U

Venha conhecer o BYD Seal U

Os Incoerentes: a história de movimento artístico à frente do seu tempo

Os Incoerentes: a história de movimento artístico à frente do seu tempo

Parceria TIN/Público

A Trust in News e o Público estabeleceram uma parceria para partilha de conteúdos informativos nos respetivos sites