@lisadanielle__

No tempo dos nossos avós, o papel de mau da fita cabia tradicionalmente ao pai. Com a maior autonomia das mães, estas passaram a assumir o papel de disciplinadoras.
A situação acontece tradicionalmente quando pai e mãe se divorciam, mas também é comum em muitos casais: a mãe é que impõe as regras, manda fazer os trabalhos e arrumar o quarto, e o pai joga Playstation, dá presentes e leva as crianças a passear. Os sites (e a vida) estão cheios de desabafos de mães fartas deste papel de ‘polícia familiar’.
“O meu marido deixa nas minhas mãos toda a disciplina, o que leva a discussões não apenas entre mim e ele mas entre mim e as crianças”, queixa-se uma mãe anónima no site de apoio às famílias www.dailystrength.org. “Ele é que quer ser o bonzinho, por isso manda-me a mim resolver as discussões ou assuntos complicados. Quando ele manda fazer qualquer coisa, nunca verifica se foi mesmo cumprida, e claro que os miúdos se estão nas tintas. Sinto que estou a fazer tudo sozinha enquanto ele protesta que eu sou demasiado severa e picuinhas.” As respostas dão sugestões para resolver o problema: “Fale com o seu marido sobre a melhor forma de fazerem justiça juntos. Às vezes, estarem fisicamente juntos já ajuda…” Há quem seja mais radical: “Não discipline. Se um dos pais fala e o outro não diz nada, é provável que as crianças não obedeçam. Fiz isto em minha casa e funcionou: durante uns dias, não chateei ninguém para se calarem, para estarem sossegados ou lavarem os dentes. Foi o caos, e o meu marido percebeu que tinha de ser um pai e não um amigo das crianças.”

E claro que há quem seja capaz de ver o outro lado: “Esta não será a sua resposta preferida, mas já pensou que o seu marido pode estar certo? Já pensou que pode estar a ser mesmo demasiado severa e picuinhas? Antes de partir para o conflito, pense em si própria e pergunte: eu gostaria de ser filha desta pessoa?”´

Guarda partilhada, autoridade partilhada


Ser a ‘má da fita’ é uma situação que, também tradicionalmente, se intensificava com o divórcio: à mãe, que ficava com a criança no dia a dia, cumpria o ingrato papel de polícia. Ao pai de fim de semana, os presentes, as saídas, e os cinemas. Mas desde 2008, quando a Lei do Divórcio mudou, que o regime da guarda partilhada passou a ser a regra, e a autoridade cabe à pessoa que estiver na altura com a criança. “Ou seja, a autoridade acaba por ser quem está mais à mão”, nota Clara Soares, psicóloga, jornalista e autora de vários artigos sobre o divórcio. “Os homens deixaram de ser pais de fim de semana e passaram mesmo a ter de ser pais a tempo inteiro. Portanto, o esquema tradicional em que o pai impunha a autoridade morreu, mas o esquema seguinte em que era o pai que dava os presentes também já vai pelo mesmo caminho.”

Por outro lado, estamos numa sociedade de consumo, onde os filhos podem ser mais facilmente subornáveis. “É inevitável que as regras sejam diferentes em cada casa”, nota Clara Soares. “Se o tempo for de qualidade não é necessário dar presentes para impor uma coisa que já tem, tipo ‘vou-te dar um telemóvel para compensar o pouco tempo que eu passo contigo’. Os miúdos percebem quando estão a ser subornados, e podem fazer chantagem: ‘Vou pedir ao pai para me dar o telemóvel porque tu és má e não dás.'” Mesmo que seja a nível de dinheiro, estamos sempre a falar da atenção dispensada. “Mas os filhos só exigem alguma coisa quando não se sentem suficientemente ambientados, e quando ninguém estabelece limites”, nota Clara Soares.
Quando falta autoridade aos dois pais, o que acontece é que os presentes substituem uma relação, e as próprias crianças podem começar a exigi-las como compensação para o que não têm. “As crianças, se não têm o que é essencial, agarram-se ao acessório”, explica a psicóloga. “E mais tarde começam a odiar as pessoas à volta delas porque repetem o ponto de fuga que está automatizado.” Por exemplo: um rapaz que foi ‘comprado’ com presentes por pai ou mãe, habitua-se a resolver a vida nessa base. “Imaginemos um rapaz que está sempre a fazer de homenzinho da casa para chamar a atenção da mãe. Quando passa o tempo a chamar a atenção da miúda e ela o ignora, ele dá-lhe coisas com medo de a perder mas sem necessariamente saber se gosta dela. Então, pode estar a repetir a operação de charme que foi obrigado a desenvolver para sobreviver em casa. Foi uma projeção para o exterior do seu ponto de fuga, o seu ângulo cego, aquela área que não vemos porque estamos demasiado próximos.” Ou seja, em conclusão, hoje em dia já não há esquemas definidos para a definição de autoridade numa família.

Evite ser a bruxa do filme

“As mães querem que o pai também tenha responsabilidade, mas muitas vezes são picuinhas e não querem abrir mão desse poder sobre os filhos”, afirma João Pereira, pai da Madalena, de 1 ano, e do Tomás, de 5. “Além de que, muitas vezes, elas tratam os próprios maridos como filhos, e não lhes reconhecem qualquer autoridade sobre as crianças…” Para evitar sentir-se a má da fita, nada como… escapar ao papel. Claro que há regras que têm de ser mantidas, mas escolha bem as suas batalhas. Perceba o que é essencial.
Se calhar, ter uma criança boa, carinhosa e bem formada é mais importante do que uma criança arrumadinha e bem vestida… Quanto ao pai, é muito confortável ficar sentado no sofá (ou noutra casa…) mas os filhos também são dele. Em vez de se passar, sente-se com ele e discutam que regras são verdadeiramente importantes para os dois. Ele promete tudo mas depois continua a preferir ficar sentado a jogar Playstation em vez de chatear a criança para fazer os trabalhos? Olhe, experimente seguir o exemplo dele e não se chatear.
Será que o método dele não é melhor? Ok, se a resposta for ‘não’, então jogue pelas suas regras, e vá explicando às crianças o porquê de cada uma. Muitas vezes, temos de continuar a jogar sozinhas…

Como partilhar responsabilidades

  • Não seja demasiado picuinhas: assim que a criança nasça, decidam o que é realmente importante para os dois.
  • Dê espaço ao seu marido para estar com a criança, mesmo que ache que as coisas não ficam perfeitas.
  • Partilhem responsabilidades: é mais fácil se um ajudar nos trabalhos e o outro ensinar a arrumar o quarto, por exemplo.
  • Se estiverem separados, continuem a seguir o que decidiram em conjunto, mas respeitem as regras diferentes que há em casa de cada um, desde que não ponham a criança em perigo, evidentemente…
  • Relaxe. A maioria das coisas são menos importantes do que pensamos…

Palavras-chave

Relacionados

Mais no portal

Mais Notícias

Trabalhadores dos CTT admitem recorrer à greve contra novo plano de saúde

Trabalhadores dos CTT admitem recorrer à greve contra novo plano de saúde

Chief Innovation Officer? E por que não Chief Future Officer?

Chief Innovation Officer? E por que não Chief Future Officer?

Capitão Salgueiro Maia

Capitão Salgueiro Maia

Teste em vídeo ao Volkswagen ID.7 Pro

Teste em vídeo ao Volkswagen ID.7 Pro

Exame Informática TV nº 859: Veja dois portáteis 'loucos' e dois carros elétricos em ação

Exame Informática TV nº 859: Veja dois portáteis 'loucos' e dois carros elétricos em ação

"O Rapto": O Papa, rei e raptor, numa interpretação fabulosa de Paolo Pierobon

Descubra 6 pistas para ter no seu jardim os tecidos certos

Descubra 6 pistas para ter no seu jardim os tecidos certos

Em “Senhora do Mar”: Francisca seduz o sócio de Artur

Em “Senhora do Mar”: Francisca seduz o sócio de Artur

Na primeira pessoa:

Na primeira pessoa: "Comprei o primeiro par de ténis quando comecei a trabalhar, com 13 anos"

A reinvenção das imagens

A reinvenção das imagens

Teste em vídeo ao Volkswagen ID.7 Pro

Teste em vídeo ao Volkswagen ID.7 Pro

Regantes de Campilhas querem reforçar abastecimento de água e modernizar bloco de rega

Regantes de Campilhas querem reforçar abastecimento de água e modernizar bloco de rega

Recorde alguns dos melhores 'looks' de Anya Taylor-Joy

Recorde alguns dos melhores 'looks' de Anya Taylor-Joy

Bougain: Um ano a reavivar a História em Cascais

Bougain: Um ano a reavivar a História em Cascais

Morreu o jornalista Pedro Cruz

Morreu o jornalista Pedro Cruz

Eugenie, a princesa britânica que passa parte do ano na Costa Alentejana

Eugenie, a princesa britânica que passa parte do ano na Costa Alentejana

A meio caminho entre o brioche e o folhado, assim são os protagonistas da Chez Croissant

A meio caminho entre o brioche e o folhado, assim são os protagonistas da Chez Croissant

Lucros da Netflix disparam no primeiro trimestre

Lucros da Netflix disparam no primeiro trimestre

AOC revela monitor de 540 Hz e Evnia anuncia modelos OLED mais baratos

AOC revela monitor de 540 Hz e Evnia anuncia modelos OLED mais baratos

EDP Renováveis conclui venda de projeto eólico no Canadá

EDP Renováveis conclui venda de projeto eólico no Canadá

Nicolas Floc’h levou as cores da água para dentro do MAAT

Nicolas Floc’h levou as cores da água para dentro do MAAT

Rir é com ela!

Rir é com ela!

As Revoluções Francesas na VISÃO História

As Revoluções Francesas na VISÃO História

Os livros da VISÃO Júnior: Para comemorar a liberdade (sem censuras!)

Os livros da VISÃO Júnior: Para comemorar a liberdade (sem censuras!)

Os lugares desta História, com Isabel Stilwell: Filipe I de Portugal, por fim

Os lugares desta História, com Isabel Stilwell: Filipe I de Portugal, por fim

David e Daniela trocaram o primeiro beijo na boca no “Big Brother”

David e Daniela trocaram o primeiro beijo na boca no “Big Brother”

Luísa Beirão: “Há dez anos que faço programas de ‘detox’”

Luísa Beirão: “Há dez anos que faço programas de ‘detox’”

Fed e BCE em direções opostas?

Fed e BCE em direções opostas?

25 peças para receber a primavera em casa

25 peças para receber a primavera em casa

DS E-Tense Performance: Serão assim os superdesportivos do futuro?

DS E-Tense Performance: Serão assim os superdesportivos do futuro?

JL 1396

JL 1396

25 imagens icónicas do momento que mudou o País

25 imagens icónicas do momento que mudou o País

No Porto, interiores com identidade clássica e conforto intemporal

No Porto, interiores com identidade clássica e conforto intemporal

Portugal visto pelos estrangeiros

Portugal visto pelos estrangeiros

11 ideias para fazer neste fim de semana, em Lisboa e Almada

11 ideias para fazer neste fim de semana, em Lisboa e Almada

VOLT Live: Atlante, o operador que quer ter a maior rede de carregamento rápido e ultrarrápido

VOLT Live: Atlante, o operador que quer ter a maior rede de carregamento rápido e ultrarrápido

Parcerias criativas, quando a arte chega à casa

Parcerias criativas, quando a arte chega à casa

Ordem dos Médicos vai entregar a ministra

Ordem dos Médicos vai entregar a ministra "seis prioridades para próximos 60 dias"

Casa da Companhia: um hotel de charme com raízes históricas

Casa da Companhia: um hotel de charme com raízes históricas

Um novo estúdio em Lisboa para jantares, showcookings, apresentações de marcas, todo decorado em português

Um novo estúdio em Lisboa para jantares, showcookings, apresentações de marcas, todo decorado em português

Tarifário da água no Algarve abaixo da média nacional é erro crasso -- ex-presidente da APA

Tarifário da água no Algarve abaixo da média nacional é erro crasso -- ex-presidente da APA

Fotógrafa Annie Leibovitz membro da   Academia Francesa das Belas Artes

Fotógrafa Annie Leibovitz membro da   Academia Francesa das Belas Artes

Charles-Philippe d’Orléans com a mulher e a filha num programa familiar no ténis

Charles-Philippe d’Orléans com a mulher e a filha num programa familiar no ténis

Dânia Neto abre o álbum de casamento:

Dânia Neto abre o álbum de casamento: "Bolha de amor"

Ministra não tem limites 'a priori' nas negociações com médicos, enfermeiros e farmacêuticos

Ministra não tem limites 'a priori' nas negociações com médicos, enfermeiros e farmacêuticos

Parceria TIN/Público

A Trust in News e o Público estabeleceram uma parceria para partilha de conteúdos informativos nos respetivos sites